terça-feira, 16 de março de 2021

Princess Princess - Nobreza e Atitude no J-Pop

A trajetória de uma das melhores bandas femininas do Japão.

Kyoko, Tomoko, Kaori,
Atsuko e Kanako
No Japão, uma das mais cultuadas bandas de rock só com garotas atende pelo nome de Princess Princess. Tiveram enorme sucesso na segunda metade da década de 1980 até a metade dos anos 90, com uma trajetória que merece ser reverenciada pela qualidade do trabalho e pela atitude de suas integrantes. 

Como é comum no Japão, a banda foi organizada através de audições por uma gravadora, no caso a TDK Records, que queria produzir uma banda feminina de pop-rock. Elas deviam fugir do estereótipo de bonequinhas estilo idol, com atitude e personalidade, mas principalmente deveriam saber tocar e cantar de verdade. 

As selecionadas foram Kaori Okui (voz e guitarra), Kanako Nakayama (guitarra e vocais), Atsuko Watanabe (baixo e vocais), Tomoko Konno (teclados e vocais) e Kyoko Tomita (bateria e percussão). 

Com o nome Akasaka Komachi e a formação definida em 1983, mas ainda muito inexperientes, tiveram dois anos de treinamentos com acompanhamento da gravadora. O passe delas acabou indo para a CBS Records em 1985, que alterou o nome do grupo para Julian Mama e lançou em 1986 o mini-álbum (EP) Kiss de Crime

Assinando finalmente como Princess Princess, elas lançaram em 1987 o single "Koi wa Balance" (ou "Amor é equilíbrio"), com letra da guitarrista Kanako e melodia do produtor Saburo Suzuki. Foi a concessão inicial delas, que tomariam as rédeas da criação musical e fariam questão de assinar todas as composições, com a vocalista Kaori criando a maioria das melodias e as letras geralmente a cargo de Kanako e da baterista Kyoko, enquanto os arranjos eram feitos pelo quinteto. 

Com um som melódico e transitando pelo city pop, glam rock e baladas românticas, elas construíram uma sólida carreira. 
Simpatia e atitude

Em 1987, "Sekai de ichiban atsui natsu" ("O verão mais quente do mundo") foi o primeiro grande sucesso, em uma carreira repleta deles, como "My will", "19 growing up ~ Ode to my buddy", "Go away boy", "Get crazy", "Julian", "Seven years after" e muitos outros. Essa trajetória, de começar com composições de terceiros e depois gravar só material autoral não é tão rara entre bandas formadas por gravadoras, mas elas assumiram esse controle criativo muito rápido e de forma bastante consistente. 

As garotas podiam fazer caras de maluquinhas, geniosas ou até assumir uma pose mais séria em seus clipes, mas não adiantava muita pose, pois era muita fofura e simpatia reunidas, algo que aparecia muito naturalmente nos shows. Foram cerca de 11 milhões de gravações vendidas, entre singles e álbuns, o que as coloca entre os grandes nomes da música japonesa de todos os tempos. 

A banda se separou em 1996, com todas seguindo projetos pessoais. Em sua carreira solo, a vocalista passou a assinar com seu nome de casada, Kaori Kishitani. Parecia que mais uma história de sucesso no campo do J-pop estava encerrada, mas uma grande tragédia as reuniria anos depois.

Durante a turnê de reencontro.

Em 11 de março de 2011, o grande desastre do terremoto, tsunami e acidente nuclear da região de Tohoku foi o motivo do reencontro das artistas. A filha de Kaori estava perto de uma das áreas atingidas e isso causou desespero na artista, que relatou à imprensa ter ficado gritando pelo nome da garota, correndo em sentido contrário a uma multidão que fugia em pânico. Felizmente, ela e a filha conseguiram se reencontrar em segurança. 

Ao longo daquele dia, todas as ex-integrantes se comunicaram entre si, para saber se estavam bem, sendo que algumas não se falavam há anos. Comovidas com a tragédia e decididas a fazer algo por seu país, elas se reorganizaram e fizeram uma série de shows para arrecadar fundos para ajudar os sobreviventes. Essa turnê, que aconteceu em 2012, saiu em CD e DVD no ano seguinte. Em 2016, resolveram se despedir em definitivo e presentear seu público com a turnê FOR EVER.

Elas se separaram nos anos 90 por divergência de interesses, agendas e visões, e isso não mudou quando com o passar do tempo. Mas a reunião delas depois de uma tragédia nacional foi um sinal de que havia ainda a amizade e elas deixaram suas diferenças de lado. Foi uma bela forma de celebrar a música, a amizade e a carreira vitoriosa de uma das mais importantes bandas do Japão.



::: VÍDEOS SELECIONADOS :::

1) Sekai de Ichiban Atsui Natsu (1987)
Letra: Kyoko Tomita / Melodia: Kaori Okui / Arranjo: Princess Princess e Masanori Sasashi


2) Diamonds (1989)
Letra: Kanako Nakayama / Melodia: Kaori Okui / Arranjo: Princess Princess


3) SEVEN YEARS AFTER (1991)
Letra: Kyoko Tomita / Melodia: Kaori Okui / Arranjo: Princess Princess e Masanori Sasashi


4) THE SUMMER VACATION (1994)
Letra: Kanako Nakayama / Melodia: Kaori Okui / Arranjo: Princess Princess


5) Natsu no Owari ("Fim de verão") (1996)
Letra e melodia: Atsuko Watanabe / Arranjo: Princess Princess

- A canção de despedida da banda, em versão gravada ao vivo no que elas imaginavam ser a turnê de encerramento de atividades como Princess Princess.



Dica: O derradeiro show de 2016 pode ser conferido na íntegra aqui. Como é canal não-oficial, provavelmente será tirado do ar a qualquer momento. 

🍣🍣🍣🍣🍣

APOIO COLETIVO:

- Curte minhas publicações? Acompanha meus textos faz tempo? Colabore com a continuidade do meu trabalho, com qualquer valor a partir de R$ 5,00: 

Apoio Coletivo 

2 comentários:

Jefferson disse...

Muito legal.
Conheci com a música Diamonds, realmente um hit.
Elas são de um período que eu mais gosto do Japão (pra não dizer do mundo) 1985 - 1995.
Tudo me atrai mais: filmes, seriados, música, campanhas comerciais, etc.
Obrigado pelas indicações,
Abraços!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Jefferson! Eu descobri a banda por acaso, quando uma amiga da minha mãe emprestou alguns CDs importados para mim, quando soube que eu gostava de alguns artistas japoneses. O CD da Princess Princess era uma coletânea e lembro de ter gravado "Diamonds", "Julian" e algumas outras em fitas cassete, que eu ouvi até gastar.

Aquela época dos anos 80 foi um período fascinante e rico em melodias e arranjos. Sou grande entusiasta da música dessa época, que junto com os anos 60, foram para mim o melhor período da música em todo o mundo.

Valeu! Abraço!