quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Ayaka Yamamoto - De idol a enfermeira

A corajosa decisão de uma jovem estrela, destaque do grupo NMB48.

Do mundo de sonhos
para o mundo real.
No último dia 28 de dezembro, durante show do grupo NMB48, a integrante Ayaka Yamamoto anunciou sua "graduação", eufemismo usado na indústria do entretenimento japonês quando um integrante de banda idol se "aposenta" do grupo. Geralmente, para sair em carreira solo, investir na área de atuação ou, o que é frequente, sair de cena e voltar para  os estudos e para uma vida comum.

Para Ayaka Yamamoto, de apenas 18 anos, o anúncio de sua saída do grupo veio com o comunicado de uma mudança radical em suas prioridades de vida. Sensibilizada com a crise da pandemia do Covid-19, ao invés de ficar assustada e paranoica, ela resolveu mudar seus objetivos e dedicar sua vida a cuidar de pessoas doentes. 

Ela decidiu trabalhar como enfermeira e irá frequentar o curso específico para enfrentar a rotina de uma profissional dessa área, o que inclui aplicar injeções, fazer curativos, limpar feridas e até trocar fraldas geriátricas. Tudo muito longe do glamour da vida de artista e muito perto da fragilidade da condição humana. O Japão sofre com a falta de profissionais de enfermagem, sendo essa uma área que tem atraído cada vez menos jovens, o que ajudou a sensibilizar a jovem estrela.

Ayaka junto com
Sayaka Yamamoto,
que saiu de bandas idol
para uma bem-sucedida
carreira solo.
Apesar do sobrenome, não
são parentes.

O mundo das idols é uma indústria de estrelas pré-fabricadas e exploradas à exaustão como bonecas vivas, vendendo sonhos para um público que inclui senhores solitários e até pedófilos. 
É um mundo que vive de aparências e é marcado por um pesado controle dos empresários sobre as artistas, que não podem opinar sobre nada relevante e nem ter vida social. Muitas ficam pelo caminho, poucas conseguem se manter como cantoras, atrizes ou dubladoras após a fase "idol", que vai até os vinte e poucos anos, no máximo. 

Em um cenário como esse, que vende sonhos e ilusões, Ayaka era uma artista destacada em uma banda bastante popular e poderia perfeitamente seguir em carreira solo. Resolveu deixar o ego e o sonho de fama e fortuna para trás e se prepara para encarar situações difíceis em uma nova fase de sua vida. 

Que ela tenha muito êxito em suas atividades, que alcance seu objetivo e que seu gesto seja uma inspiração para jovens de sua geração.

Saiba mais:

- Idolatria e perseguição no mundo otaku 

::: E X T R A :::

Boku wa inai ("I´m not")僕はいない - NMB48
Letra: Yasushi Akimoto / Melodia: aokado

- Apresentação para TV de 2016, quando Ayaka tinha 14 anos. É ela quem começa cantando e faz a voz principal da canção. 


****************

Siga o canal ALE NAGADO ~ SUSHI POP no Telegram

Colabore: Apoio Coletivo (Sushi POP)

5 comentários:

Max disse...

Ela fez a escolha certa, com certeza

Breno disse...

Parabens pela decisão tomada, no futuro serás recompensada com algo muito maior e melhor do que qualquer riqueza que se possa conquistar aqui neste mundo.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Max! Fala, Breno!

Essa menina tem muita coragem e a atitude dela chamou a atenção para o fato de que o Japão sofre com falta de enfermeiros, algo que eu não imaginava. Há esperança, ainda.

Abraços!

Junnão disse...

Pela foto pensei que fosse a irmã dos R/B. Que gesto de grandeza de garota, espero que a mídia japonesa esteja repercutindo de forma positiva pra que sirva de incentivo a outras jovens. Fica o feedback para você Nagado: Vim pela postagem do Instagram. Continue!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Junnão.

Sim, tomara que incentive mesmo. Só a decisão dela já chamou a atenção para o problema da falta de enfermeiros no país.

E obrigado por informar. Quando tenho post novo, eu monitoro por um dia os acessos. Quando postei no Instagram, em minutos teve enxurrada de curtidas, mas em mais de uma hora, um ou outro acesso no post divulgado. Meu canal no Telegram é mais eficiente, o Twitter era muito mais eficiente, mas o Instagram realmente faz pouca diferença para mim. É só para marcar presença, mesmo. Mas como a plataforma é hostil (censura, reduz alcance) com pessoas com meu posicionamento político, tem que ver se vale a pena mesmo insistir lá.

Valeu, apareça mais vezes por aqui.
Abraço!