quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Demon Slayer ~ Kimetsu no Yaiba

A trágica jornada de dois irmãos em um mundo sombrio e perigoso.
O espadachim Tanjiro, sua irmã Nezuko
e seus aliados na luta contra os
perigosos onis devoradores de gente.
No Japão antigo, mais precisamente durante o Período Taishô (1912 a 1926), o país vivia um processo de modernização em suas grandes cidades, em contraste com o interior, que permanecia rural e bastante atrasado. Em meio às dificuldades pelas quais o país atravessava, havia um perigo de outro mundo rondando as cidades. 

Espreitando nas sombras e aterrorizando pequenas vilas, os malignos seres chamados de oni (demônios) possuem formas horrendas e se alimentam de carne humana. Outrora seres humanos, os onis perdem sua identidade anterior e se tornam feras sanguinárias e impiedosas. 

Tanjiro Kamado é um jovem que vive com sua mãe e cinco irmãos mais novos em uma montanha. O rapaz segue os passos de seu falecido pai e vende carvão para sustentar a família. 

Um dia, sua vida pacata sofre uma reviravolta drástica. Ao voltar para casa, encontra sua família chacinada. Somente Nezuko, a irmã de idade mais próxima à dele, estava viva, mas inconsciente devido a seus ferimentos. Enquanto a carrega nas costas, descobre que ela fora contaminada pelo oni assassino e também se transforma em uma fera demoníaca. De repente, o caçador de demônios Giyu Tomioka os encontra e se prepara para cumprir mais uma missão de extermínio com sua poderosa espada.
Tanjiro e Nezuko: Os únicos sobreviventes
de uma família outrora feliz.
Nezuko, incapaz de falar, aparenta reter memórias de humana e Tanjiro implora ao caçador que a deixe viva. Ao ser atendido, ele decide se tornar um lutador do Esquadrão de Extermínio e parte para ser treinado pelo severo, porém paternal, mestre Orokodaki

Tanjiro sempre leva com ele Nezuko, que deve ficar protegida da luz do Sol ou virará cinzas. Como oni, ela é extremamente forte, ágil e capaz de regenerar qualquer ferimento, com aumento gradual de seus poderes. Ela também é capaz de controlar seu tamanho, ficando pequena para facilitar o transporte na caixa que Tanjiro leva nas costas. 

Para prevenir que ela venha a morder alguém e pegar gosto pela carne humana, Tanjiro coloca nela uma mordaça de bambu. Felizmente, Nezuko consegue recuperar sua energia vital dormindo, não necessitando assim de qualquer tipo de alimentação. 

Nezuko
Kamado
Para aumentar a segurança, Orokodaki a hipnotiza, fazendo com que ela veja os membros de sua família morta em cada pessoa que encontra. Assim, ela sente que deve proteger todos os humanos. 

Mesmo sendo um adolescente, Tanjiro é extremamente forte e ágil, além de ser dotado de um olfato apuradíssimo. Possui grande disciplina e força espiritual, fatores que permitem a ele suportar a dura rotina de preparação para o teste final para ingresso no Esquadrão de Extermínio. Uma característica visual marcante, além da cicatriz na testa, é que ele usa brincos que herdou de seu pai. O significado deles, que lembram cartas de hanafuda (um antigo baralho japonês), ainda será explicado. 

Uma vez concluído seu treinamento e aceito como um dos membros do Esquadrão, Tanjiro recebe uma espada mágica capaz de matar definitivamente um oni ao cortar sua cabeça. Ele é detentor da técnica da água, um conjunto de golpes especiais que ele utiliza usando a concentração para respiração que aprendeu. 

Em sua jornada, Tanjiro conhece aliados bastante peculiares, como o chorão e histérico Zenitsu Agatsuma; que domina uma única e mortífera técnica de espada, e o selvagem e teimoso Inosuke Hashibira, que usa uma máscara de javali para ocultar seu rosto delicado e quase feminino (característica que o deixa constrangido). 

Sempre brigando e discutindo, os três espadachins desenvolvem uma forte amizade e um senso de companheirismo que será decisivo para a sobrevivência deles. Zenitsu é afobado e vive gritando desesperado, sendo o alívio cômico costumeiro, exceto quando consegue manter a calma e entrar em um tipo de transe guerreiro que o domina em momentos de grande perigo. Inosuke, dono de uma estupidez e agressividade à toda prova, acaba sendo tocado pela amizade de Tanjiro e também pelas palavras de uma velhinha que um dia cuida de seus ferimentos, despertando seu lado mais nobre. Todos evoluem e a química entre os personagens se torna muito divertida, atenuando o tom mais pesado que marca o começo da jornada dos dois irmãos. 
Tanjiro: Atingindo níveis cada vez maiores de poder,
movido pelo desejo de salvar a irmã e proteger
os inocentes. A vingança, para ele, não é uma prioridade.
Em sua busca pela cura de Nezuko, Tanjiro acaba se encontrando com Muzan Kibutsuji, o mestre e criador dos onis, um homem dissimulado, impiedoso e cheio de mistérios. É ele que, com seu sangue amaldiçoado, cria e energiza cada vez mais onis, enquanto vive oculto sob vários disfarces em meio à sociedade. Destruí-lo e assim conter a praga demoníaca é a prioridade do Esquadrão de Extermínio e sua elite, os temidos guerreiros Hashira. Tomioka, a quem Tanjiro e Nezuko encontraram no início de sua jornada, é um desses lutadores de primeiro nível. 

Com a missão de Tanjiro na sinistra floresta da montanha Natagumo, dominada por uma família de onis aracnídeos, a ação caminha para um clímax desesperador. Todos são levados ao seu limite, em uma sucessão violenta de acontecimentos. Entre os onis da montanha está um dos Doze Kizuki, o grupo dos mais poderosos demônios de Kibutsuji. 

Sobre valores e ideais


Kimetsu no Yaiba não é apenas uma saga de grandes batalhas tendo a amizade e o esforço como pano de fundo, como acontece em muitas obras voltadas ao público shonen, formado por garotos adolescentes. Um dos temas centrais da história é a família e seus valores de união e proteção mútua. Tanjiro se culpa por não ter conseguido salvar sua mãe e irmãos e coloca como sua grande missão de vida restaurar a humanidade de Nezuko. Presentes nas imagens de abertura e encerramento, em flash backs e no ponto de vista de Nezuko, a mãe e as crianças nunca são esquecidas, tornando suas mortes uma lembrança perene ao longo da série. 
Da esq. p/ a dir.: Inosuke, Zenitsu, Nezuko e Tanjiro.
Em busca de aceitação e respeito perante a
elite Hashira do Esquadrão de Extermínio.
Mas o nobre Tanjiro não sente apenas o amor familiar. De coração bondoso e altruísta, ele também sente empatia até por quem tenta matá-lo. Em seus momentos finais, alguns onis se recordam de suas vidas humanas e o espadachim é capaz de sentir a tristeza nos olhos de inimigos caídos. 

De certa forma, ele demonstra o valor cristão do perdão, tão enraizado em seu coração que ele chega a orar pela alma de monstros assassinos quando estes são finalmente destruídos. Principalmente se ele percebe traços de arrependimento e tristeza no olhar do oni enquanto este se desvanece ao morrer. Assim, o jovem exterminador é movido pelo desejo de salvar a irmã e proteger os inocentes. Vingar a família não é sua prioridade e ele está sempre se arriscando pelos outros. 

Tem sido cada vez mais raro ver uma série com tamanha combinação de valores, e isso é passado de forma natural, sem jamais cair em discursos moralistas ou panfletários. Mesmo com o fato dos onis serem, em sua maioria, vítimas das circunstâncias, jamais entra em questão se eles devem ser ou não punidos por seus crimes. E alguns deles revelam ter tido momentos de escolha, fazendo opções egoístas. 

Capa do volume um do mangá,
um trabalho primoroso.
Sucesso, repercussão e futuro

O mangá original de Kimetsu no Yaiba (ou "Lâmina Destruidora de Demônios") é uma criação da autora Koyoharu Gotouge. A obra começou a ser publicado em fevereiro de 2016 na popular revista semanal Shonen Jump (da editora Shueisha) e já chegou a 17 volumes encadernados. 


Com a boa repercussão e a percepção de seu enorme potencial, a série conseguiu sua versão animê, produzida pelo estúdio ufotable, em parceria com a Aniplex e a Shueisha. O anúncio da produção impulsionou mais ainda o título e, em fevereiro de 2019, saiu o romance literário Kimetsu no Yaiba - Shiawase no Hana (ou "A Flor da Felicidade"), escrito por Aya Yajima, oficialmente o primeiro derivado do mangá a ser lançado. 

Em março de 2019, os primeiros cinco episódios foram compilados e exibidos na forma de um longa-metragem para cinema intitulado Kimetsu no Yaiba: Kyôdai no Kizuná ("Compromisso dos irmãos"). No formato de série de TV, estreou em abril passado, tendo sido exibido às 23h30 na emissora Tokyo MX e chegando a ser atração da madrugada em algumas estações menores. Isso por causa da violência explícita, mais chocante do que no mangá. 

A produção é de alto nível, com gráficos belíssimos, boa animação e colorido primoroso. Os efeitos que acompanham os golpes especiais de Tanjiro simulam ondas e jatos de água com um grafismo que lembra as xilogravuras do mestre japonês Hokusai, imortalizado com sua obra O Vagalhão (ou Grande Onda) de Kanagawa. 

O tema de abertura, "Gurenge" (leia "gurengue", que significa "Lótus vermelho"), da cantora LiSA, chegou ao primeiro lugar da parada de sucessos semanal da Oricon. Isso garantiu ainda mais exposição ao título, um dos mais comentados do ano no cenário da cultura pop japonesa.

Cada episódio geralmente termina com um quadro de humor após o tema de encerramento, com as "Fofocas da Era Taishô", que traz diálogos divertidos entre os personagens. Mas o humor também está presente na trama, principalmente após a entrada do chorão Zenitsu e a interação dele com Tanjiro e Inosuke. A equipe formada pelos três heróis acaba se cristalizando por volta de metade da série, quando muda a dinâmica da narrativa, que fica mais leve. 
Uma galeria de personagens carismáticos.
Catártica, a intensa batalha do episódio 19, com o auge da batalha em Natagumo, repercutiu muito pela internet. ao ponto da autora do mangá, Koyoharu Gotouge, ter revelado que assistiu várias vezes e chorou, de tão emocionada. Nesse arco de episódios,a trágica história do oni Rui é contada após a conclusão da batalha, um recurso narrativo usado algumas vezes e que lança um olhar diferente sobre os horrendos monstros. 

Essa primeira saga da TV, que abrange até o volume 7 do mangá, é denominada Arco do Desígnio. Após o final da batalha de Natagumo e suas explicações, os capítulos finais são destinados a baixar a poeira, apresentar todos os Hashira e preparar terreno para uma nova missão, batizada no mangá de Arco do Trem Infinito. Essa trama, que mostrará os heróis centrais acompanhados de Rengoku, um dos Hashira, será contada no cinema. Para depois do longa, cuja data de estreia ainda não foi divulgada, uma nova temporada já é mais do que esperada. 
Kimetsu no Aima!

Em abril deste ano, junto com a estreia do animê, o universo do mangá também foi expandido, com uma aventura solo do herói Giyu Tomioka, escrita pela criadora Koyoharu Gotouge e ilustrada por Ryouji Hirano. Batizada de Giyu Tomioka Gaiden (ou "Crônicas de Giyu Tomioka"), a história foi publicada em duas partes na Shonen Jump. Além disso, começou a sair na Shonen Jump+ a série de tiras cômicas Kimetsu no Aima!, de Ryouji Hirano, baseada no universo da série.

Enquanto o público japonês aguarda o anúncio sobre a estreia do longa, poderá conferir mais um derivado da obra. Em janeiro de 2020, irá estrear em Tokyo uma versão teatral da série, com roteiro e direção de Kenichi Suemitsu. Será, provavelmente, um teste para uma versão live-action, o caminho mais óbvio para a obra, a julgar pelo comportamento do mercado japonês nos últimos anos. 

Com sua combinação de heróis carismáticos, monstros assustadores e cenas de ação de alto impacto, Kimetsu no Yaiba já conquistou um lugar entre os fãs de cultura pop japonesa pelo mundo. Mas, atribuir o sucesso da série às suas qualidades técnicas e criativas é ignorar um diferencial importante. 

Ao dar ênfase a valores como família, sacrifício, amizade e perdão, parece que encontrou eco em muitos corações que ansiavam por heróis à moda antiga. É um heroísmo tradicional, não maniqueísta, com um protagonista capaz de enxergar nuances no bem e no mal. Tudo isso sem cair na armadilha do relativismo ético e moral e sem perder de vista as coisas pelas quais vale a pena viver e morrer. 

Tanjiro Kamado é um exemplo de virtude e grandeza transcendental, e o imaginário popular sempre irá precisar de heróis assim.


*********************

Assista Kimetsu no Yaiba oficialmente no Crunchyroll


- Tema de abertura: Gurenge [ 紅蓮華 ] ~ Lótus Vermelho

Letra: LiSA / Melodia: Kayoko Kusano
Intérprete: LiSA
Vídeo oficial (versão curta):


::: FICHA TÉCNICA :::

Título original: Kimetsu no Yaiba鬼滅の刃
Título internacional: Demon Slayer

Estreia no Japão: 06/ 04/ 2019 (Tokyo MX ~ emissora principal)
Total: 26 episódios

Classificação indicativa sugerida (*): 16 anos (violência gráfica)

Criação: Koyoharu Gotouge
Roteiro e composição da série: ufotable
Design de personagens: Akira Matsushima (principal)


Animação: ufotable
Story-boards: Haruo Sotozaki, Toshiyuki Shirai, Takashi Muhara e outros
Direção de animação: Akira Matsushima, Atsushi Ogasawara e outros
Direção de arte: Kouji Etou, Mari Serizawa e Masaru Yanaka
Trilha Sonora: Yuki Kajiura (FictionJunction), Gou Shiina
Direção geral: Haruo Sotozaki
Produtores: Masanori Miyake, Yuma Takahashi, Akio Fujio e Hikaru Kondo
Produção: Aniplex, Shueisha e ufotable

Elenco (vozes originais):

Tanjiro Kamado: Natsuki Hanae
Nezuko Kamado: Akari Kito

Giyu Tomioka: Takahiro Sakurai
Sakonji Urokodaki: Hochu Otsuka
Zenitsu Agatsuma: Hiro Shimono
Inosuke Hashibira: Yoshitsugu Matsuoka
Tamayo: Maaya Sakamoto
Yushiro: Daiki Yamashita
Shinobu Kocho: Saori Hayami
Rui: Koki Uchiyama
Muzan Kibutsuji: Toshihiko Seki

(*) Nota: Oficialmente, não é dada classificação etária alguma e o título surgiu na Shonen Jump, revista com maioria de leitores entre 12 e 16 anos. A indicação é apenas uma sugestão deste blog.

8 comentários:

Adelmo Veloso disse...

Mestre Nagado!

Excelente matéria e indicação. De tanto ver pela web e por amigos, comecei a ver esta obra e já assisti aos 3 primeiros episódios. Pude perceber esse apego dele aos familiares e também deu pra notar que não é aquele protagonista com uma determinação rasa para ser o maior espadachin de todos os tempos ou que só vai lutar por vingança... Lembrou um pouco o estilo do último animê de Dororo.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Adelmo!

Sim, o Tanjiro não tem essa de querer ser o melhor espadachim do mundo ou ficar repetindo que vai se vingar do assassino de sua família. Sua luta é mais nobre que isso e ele é realmente um personagem diferenciado. Ele sente piedade pelo inimigo agonizante e isso é algo raro. Aguardo ansioso pelo longa. Quando tiver mais informações e trailer, pretendo postar algo aqui.

Valeu! Grande abraço!

Detonation Uchiha disse...

Cheguei a esbarrar com imagens ou vídeos sobre esta série, porém não havia me chamado a atenção. Acho que vou dar uma chance e ver o animê, estou bastante interessado neste protagonista por ele fugir do típico "quero ser o melhor espadachim" comentado acima, ou não ser um daqueles protagonistas meio "burros e bobões" tão comuns em mangás shonen atualmente.

anderson disse...

Uma coisa triste é que muitos otakus brasileiros assistem animes assim apenas
pelas cenas violentas sem prestar atenção no enredo.Muitos tem esse comportamento
com CDZ,DBZ e até Tokusatsu mais antigo,acabam esqueçendo momentos como Cassius se
sacrificando para salvar Seiya,Goku se despedindo de Gohan após deterem Cell,etc.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Uchiha. Se puder, veja mesmo, pois Tanjiro tem profundidade, é um daqueles personagens que transcende a simples batalha por um objetivo. Ele luta por valores e isso tem sido cada vez mais raro.

Abraço!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Anderson.

Sim, você está certo. Quando se fala do Cassius de CDZ, a maioria lembra dele perdendo a orelha ao lutar contra o Seiya, bem mais do que o fato de que ele, depois, se sacrificou para salvar seu outrora rival. De um modo geral, vemos mais altruísmo e valores em séries antigas e achei muito interessante saber que Kimetsu no Yaiba fez sucesso. Por isso escrevi que Tanjiro encontrou receptividade entre uma geração que anseia por heróis assim, que agem pelo próximo e não por ambições pessoais.

Abraço!

Vânia disse...

O Kenshin tambem tinha empatia pelos adversarios, a luta contra o Soujirou mostrou o coração generoso. Vou assistir, procurava algo alem de lutinhas, hehe . 🙏

Lucas Rios Torres disse...

Ola Alexandre.
Não conhecia o seu trabakho, que é formidável e necessário (escutei hoje a tua entrevista na Shockwave radio). Parabéns!