RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog ainda está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, Katokutai, Pinóquio de Osamu Tezuka, Danger 3, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Fate/stay night

Saber, a poderosa guerreira a serviço
do inexperiente e inseguro mago Shirou Emiya. 
O estudante colegial Shirou Emiya é um jovem preocupado em ajudar as pessoas e leva uma vida pacata. Único e milagroso sobrevivente de um incêndio de grandes proporções, ele jurou um dia se tornar alguém que faria a diferença para salvar vidas. Porém, um dia sua vida muda para sempre quando ele se vê envolvido em uma violenta guerra envolvendo magia, a Guerra do Cálice Sagrado

O objetivo dessa disputa entre magos e seus guerreiros Servos é o Santo Graal, o lendário cálice sagrado que é associado a Jesus Cristo em narrativas literárias. Ora citado como o cálice usado por Cristo na Última Ceia antes da crucificação, ora apontado como o recipiente que colheu sangue sagrado derramado na cruz, o Graal é visto como um objeto de grande poder místico. 
Shirou Emiya: Aprendendo a ser um mago. 
Na trama de Fate/ stay night, acredita-se que ele possa realizar qualquer desejo e é pela ambição que gerações de magos lutam entre si até a morte. E o ingênuo e bem-intencionado Shirou descobre ser ele próprio um mago, assim como uma garota de sua escola, a aparentemente fria Rin Tohsokai

Cada mago pode invocar um tipo de guerreiro auxilar chamado de "Herói", apesar de alguns não terem de nada de heroico no comportamento. São lutadores históricos ou lendários que assumem novas formas para se encarnar na Terra e obedecem seus mestres a todo custo. Assim, Shirou logo descobre ser mestre da bela Saber, uma poderosa guerreira de grande habilidade com a espada. 
Capa do vol. 2, destacando
a bela e mortal Rin Tohsakai,
colega de escola de Shirou. 

Fate/stay night surgiu em 2004 como um visual novel, um tipo de jogo eletrônico que conta uma história interativa, onde o leitor/jogador é levado a decidir as ações que conduzem o enredo. Criado pela equipe da empresa Type-Moon, logo se tornou um sucesso. 

A série foi transformada em animê e estreou no Japão no início 2006, tendo chegado a 24 episódios, produzidos pelo Studio Deen. No Brasil, a saga foi transmitida pelo extinto canal pago Animax. Um outro animê, inédito no Brasil, foi produzido entre 2014 e 2015, com mais 26 episódios e o título Fate/stay night [Unlimited Blade Works]. Dois curta-metragens para DVD e dois longas para cinema também fazem parte da já extensa produção animada dos personagens da Type-Moon, que começou como um grupo que criava jogos amadores e que se profissionalizou exatamente com Fate/stay night. 

Depois, ainda deu origem a Fate/Zero, uma série de livros do tipo light novel (romance ilustrado) tendo como um dos autores o cultuado roteirista Gen Urobuchi (de séries como Madoka Magica e Kamen Rider Gaim) entre 2006 e 2007. Foram 6 volumes, sendo que o primeiro foi publicado no Brasil pela editora NewPOP em 2015. 


A arte de Dat Nishiwaki, que
evolui muito ao longo da série. 
Finalmente, a versão em mangá que está sendo publicada pela Panini/ Planet Mangá foi produzida pelo autor Dat Nishiwaki entre 2006 e 2012 para a revista mensal Shonen Ace, da Ed. Kadokawa. O traço de Dat (algumas vezes transcrito como "Datte" ou "Datto") é simpático, sendo elegante para cenas calmas e ele consegue dar boa expressividade às figuras, mas está longe de ser um grande ilustrador. Talvez ciente de suas limitações técnicas, não arrisca composições muito complexas e, dessa forma, mantém a obra com um nível técnico bem razoável. E há uma evolução natural ao longo da série, com o amadurecimento do traço. 

Um ponto positivo é que sua narrativa visual é muito boa e as personalidades são bem definidas, com seus dilemas éticos e morais bem colocados no contexto da trama. O autor reuniu elementos de diversos cenários de Fate e deu sua interpretação, criando uma versão com identidade própria. 

Fate/stay night é uma leitura rápida e divertida. O primeiro volume esboça situações de relacionamento que serão exploradas durante a série e o potencial dos personagens é grande. Para uma franquia relativamente recente, já tem a honrosa marca de ter sido lançada no Brasil em três mídias diferentes: primeiro em animê, depois em light novel e agora na versão mangá. Para os que já conheciam a saga, é leitura obrigatória. Para quem não conhecia ainda (meu caso), uma boa introdução a um universo bastante interessante e repleto de possibilidades. 

Fate/stay night

Roteiro e Arte: Dat Nishiwaki
Obra original: Type-Moon (empresa)

Editora: Panini Comics - Planet Mangá
Formato: 13,6 x 20cm, com 194 páginas
Total de volumes: 20
Lançamento: dezembro de 2015 (Distribuição nacional)

Periodicidade: bimestral
Preço de capa: R$ 12,90
- Classificação indicativa: Para maiores de 12 anos.


Extra:
Confira um deslumbrante vídeo promocional de Fate/stay night [Unlimited Blade Works]

4 comentários:

Usys 222 disse...

Fate... Uma daquelas séries que tenho medo de gostar. Principalmente sabendo quantas figuras articuladas dessa série existem e provavelmente iria querer todas se gostasse.

Até li várias matérias sobre Fate e vi que essa série tem um monte de termos de tradução extremamente difícil. Um exemplo seria "Mahou" e "Majutsu", que a grosso modo significariam "Magia", mas que aparentemente são conceitos distintos no mundo de Fate. Fico curioso em saber como fizeram a versão brasileira.

De qualquer jeito, adorei a resenha! Fico realmente impressionado com a forma como ela foi escrita. Um resumo da série Fate, que tem um monte de variantes, e opiniões bem ponderadas sobre a arte e a narrativa do mangá. E tudo isso sem dar muitos detalhes, o que é bom já que ele é vendido por aqui. Admirável mesmo!

Mas de novo eu digo: tenho medo de gostar.

Ale Nagado disse...

Ah ah ah, boa, Usys!

Olha, aconselho então a olhar Fate com cautela. O material tem grande potencial pra ser viciante. É despretensioso e com personagens simpáticos. Eu gostei do que vi. E uma action figure da Saber deve ser legal mesmo.

Abraço!

Lucas Mendes disse...

Então, Fate/Zero não é adaptação em Light Novel do Stay Night, é uma história original que se passa antes dos eventos de Stay Night. E é bem melhor que o mangá que adapta o jogo SN, falando a sério. É o material original que deu origem a animação e a qualidade da NewPOP nele ficou muito boa. Bem podia rolar uma resenha também, né?!

Ale Nagado disse...

Fala, Lucas! Valeu o toque. Você tem razão, o próprio título indica que é outra história. Inclusive, tirei a palavra "adaptação" do texto, por ser mesmo incorreta.

Nunca li uma light novel, sei que muitos criticam e outros amam esse formato, mas não tenho ideias pré-concebidas a respeito. De qualquer forma, sugestão anotada.

Apareça mais vezes. Abraço!!