RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Clássicos do pop japonês: O folk de Betsy and Chris

Conheça uma dupla de cantoras americanas que fez sucesso no Japão nos anos 1970. 
Betsy and Chris na capa de um de seus discos.
O vasto mercado musical japonês não é formado somente por artistas locais, e não se trata aqui de mencionar os lançamentos de astros internacionais. Diversos artistas, notadamente sul-coreanos (entre outros asiáticos), já fizeram nome na indústria musical nipônica, cantando no idioma local. Mas certamente chama bem mais a atenção quando surgem artistas ocidentais dominando o idioma e fazendo bonito entre os artistas nativos. 

Atualmente, o americano Chris Hart e o brasileiro Ricardo Cruz (do JAM Project) cantam em japonês com perfeição e se integraram ao mercado musical de lá. Mas muito antes deles, uma dupla feminina formada por belas loiras americanas ganhou projeção no Japão, cantando em japonês. Era uma época de efervescência do gênero folk, que possui numerosos fãs até hoje na Terra do Sol Nascente.

Em 1970, a dupla Betsy and Chris ganhou a atenção do público japonês cantando a belíssima "Shiroi iro wa koibito no iro ~ 白い色は恋人の色", ou "Branco é a cor dos namorados". 
As primeiras ocidentais
a fazer sucesso no Japão,
cantando em japonês
As duas jovens de apenas 18 anos haviam ido ao Japão no ano anterior, como integrantes do Kailua High School Madrigals e acabaram ficando por lá para tentar a vida. Mostrando grande talento musical, foram contratadas pela gravadora Columbia. Seu primeiro lançamento, que foi um grande sucesso e ganhou muitas regravações, foi composto por Osamu Kitayama (letra) e Kazuhiko Kato (melodia), da banda Folk Crusaders




Nas vozes de Elisabeth Wagner (sempre à esquerda nas fotos e vídeos) e Christine Rolseth, a canção virou um hit e chegou ao numero 2 da parada de sucessos do país, verificada pela empresa Oricon. Outra canção, "Hana no you ni", chegou ao número 9 do mesmo ranking. Algumas outras canções foram lançadas, bem como alguns álbuns, mas sem a mesma repercussão, o que abreviou a carreira delas em território japonês. 

Betsy and Chris
Durante 5 anos, elas fizeram gravações, shows e se apresentaram em diversos programas de TV no Japão, cantando em japonês e inglês. A dupla se separou ainda nos anos 70 e saiu dos holofotes, mas Betsy continuou cantando no Hawaii, sua terra natal. 

Em 2006, Betsy retornou ao Japão cantando ao lado de sua filha para participar de um especial de TV. Apresentando-se como Betsy and Emma, cantaram o grande sucesso da dupla original, entre outras canções. 


De certa forma, Betsy and Chris se encaixam na categoria de artistas chamados de "one hit wonder", ou "maravilha de um sucesso". É um rótulo um tanto pejorativo e que leva em conta apenas o sucesso comercial, não a qualidade. O trabalho delas sempre mostrou talento e sensibilidade e por isso merece ser divulgado. Com "Shiroi iro wa koibito no iro", elas romperam fronteiras e deixaram sua marca na história da música pop japonesa. 

Hana no you ni ("Como uma flor") O segundo grande sucesso de Betsy and Chris cantando em japonês.



Betsy - Site oficial: www.betsyhawaii.com

Kazuhiko Kato: Talento
de sobra e um fim trágico. 
O lendário Kazuhiko Kato e seu legado

Artista reconhecido internacionalmente, Kazuhiko Kato também se tornou célebre por ter composto a melodia da canção "Ai oboeteimasu ka" (ou "Você se lembra do amor?"), o tema romântico do famoso animê Macross, em 1984. 

Macross é um título icônico na história da animação japonesa e detonou o segundo Anime Boom, um grande fenômeno de popularidade. Nesse processo, a música de Kazuhiko Kato, cantada por Mari Iijima, teve peso considerável. 

Entre vários sucessos, "Shiroi iro wa koibito no iro" permanece como uma das canções mais famosas de Kazuhiko Kato. Contribuiu para isso a inspirada interpretação de Betsy and Chris, que tiveram com essa música o ponto alto de suas carreiras. 

Kazuhiko Kato fundou nos anos 1960 a lendária banda Folk Crusaders, que atuou em um filme do cultuado cineasta Nagisa Oshima chamado Kaettekita Yopparai, de 1968, inspirado em canção homônima do grupo. O filme foi exibido no Brasil como "O Regresso dos Três Bêbados". Depois dos Folk Crusaders, ele ainda criou o grupo Sadistic Mika Band, grande ícone do rock psicodélico japonês durante a década de 1970. O músico fez história nos anos 60 e permaneceu relevante nas décadas seguintes, seja compondo rock, folk ou anime songs. 

Infelizmente, Kazuhiko Kato cometeu suicídio em 2009, aos 62 anos. Deixou uma carta, que nunca foi publicamente divulgada. 

- Abaixo, uma versão do clássico eternizado por Betsy and Chris interpretada pelo compositor Kazuhiko Kato ao lado de seu amigo Konosuke Sakazaki, vocal e violão da banda The Alfee




::: EXTRAS ::: 

Shiroi iro wa koibito no iro - Em 2004, a dupla W (Double U) gravou uma nova versão da música, bastante respeitosa em relação à original. 



Folk Album - Agora, ouça na íntegra (antes que tirem do ar) um álbum de covers em inglês de Betsy and Chris, lançado no auge de seu sucesso no Japão:

4 comentários:

Usys 222 disse...

Essa matéria me fez perceber uma coisa: eu gosto mesmo de Folk!

Não conhecia essa dupla, mas as músicas são muito bonitas. Na voz delas ficam mais lindas ainda. A harmonização das vozes é perfeita! Acabei ouvindo toda a coletânea de áudio que começa com "Hana no you ni" (embora haja algumas "covers" no meio). A Sound of Silence também teve uma performance excelente. Shiroi iro wa koibito no iro nas vozes do compositor e do Konosuke Sakazaki também ficou maravilhosa.

Uma pena que elas acabaram se separando. Alguma informação sobre as circunstâncias?

De qualquer jeito, um belo achado! Gostei muito!

Ale Nagado disse...

Fala, Usys! Eu gostava de folk mesmo antes de saber o nome desse estilo. Tanto Chage and Aska quanto The Alfee eu descobri como astros do pop-rock, mas depois fui atrás de material de início de carreira e era predominantemente folk com influência de Simon and Garfunkel.

Sobre Betsy and Chris, não encontrei muita informação, mas parece que apenas Betsy capitalizou a fama. No site dele, fala-se muito da vida dela após a carreira no Japão, sem esclarecer o paradeiro da antiga parceira. Mas talvez tenham apenas resolvido perseguir outros interesses depois que a "fase japonesa" passou. Lembrando que a dupla foi formada por convite de uma gravadora, então não era um projeto pessoal delas, e sim uma oportunidade que elas agarraram com todo o talento que tinham individualmente.

Que bom que gostou. Música assim dá gosto divulgar.

Abraço!

Rogério disse...

Boa noite Alexandre,

Feliz Ano Novo!

Ótimo post para começar o ano.

Que história fascinante a desta dupla.

Eu também gosto muito de folk. Há algo que soa irresistivelmente sincero nestas canções absurdamente melódicas.

Ale Nagado disse...

Fala, Rogério! Feliz ano-novo pra você também!

O folk é uma das bases da música pop japonesa e acho que vou postar mais algumas coisas relacionadas por aqui. Fico chateado quando fãs e pessoas da mídia rotulam o pop japonês como sendo algo restrito a girls e boys bands ou só de música dançante. Espero corrigir um pouco essa distorção, ao menos para os leitores deste blog.

Abraço!!