RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Limit - Amizade em situação extrema

Mizuki Konno, a protagonista
de Limit, uma história
dramática e repleta de tensão.
Um tema relativamente comum em mangás é o da sobrevivência em situações extremas e desafiadoras. Seja por uma ameaça externa, como em Enigma, ou interna, como em Doubt, não é novidade a ideia de jogar um grupo de adolescentes em um ambiente hostil onde ninguém tem a garantia de sobrevivência. Esse clichê, como qualquer outro, pode ser bem explorado ou não, dependendo do talento do autor. 

Tendo lido o primeiro volume de Limit, a avaliação é positiva. A autora Keiko Suenobu, que também assinou o polêmico mangá Vitamin (que aborda o bullyng), mostra um trabalho para ser lido num fôlego só, com uma narrativa envolvente. 

Capa da antologia Friend,
com destaque para Limit
A história começa apresentando o cotidiano de uma escola, onde um grupo de colegas se prepara para uma viagem a um acampamento distante. 

A protagonista, Mizuki Konno, é uma garota comum, que apenas quer fazer parte do grupo, ser uma pessoa normal e ir para uma boa faculdade. Tem sensibilidade, mas também tem uma personalidade contida e não é do tipo de pessoa que tem grande iniciativa. Tem enorme admiração pela bela e inteligente Sakura Himezawa, de quem disputa atenção com Haru Ichinose, que guarda vários ressentimentos em seu coração. No meio delas, a misteriosa Arisa Morishige é normalmente alvo de provocações e olhares de desprezo, e sonha em se vingar. Outra colega que merece destaque é Chieko Kamiya que é pragmática e representa a voz da razão, apesar de ser um tanto fria e insensível. O grupo que se reúne para o acampamento é bastante heterogêneo e suas personalidades logo serão testadas em situações extremas.

O motorista do ônibus de excursão não estava bem e acontece um terrível acidente em uma área florestal, onde a maioria morre. As garotas sobreviventes aos poucos se reagrupam, apenas para constatar que o resgate poderá demorar dias e elas precisam se ajudar se quiserem sobreviver. Mas é nesse momento que os rancores criados na escola afloram, com resultados tensos e perigosos. 

Para piorar, a desequilibrada Arisa encontra uma foice e usa isso para assumir a liderança forçada do grupo, com resultados catastróficos. Os limites da amizade serão colocados à prova quando se constata que não haverá modo de todas saírem com vida da floresta onde se acidentaram. 

Limit foi publicada entre 2009 e 2011 na revista feminina mensal Bessatsu Friend, da editora Kodansha. Em 2013, foi adaptada como série de TV com 12 episódios na TV Tokyo, tendo a estrela Nanami Sakuraba no papel de Mizuki. 

Com Limit, Keiko Suenobu confirma ser um dos grandes nomes do cenário contemporâneo do mangá, criando histórias que extrapolam rótulos demográficos. Ela faz shojo mangá (mangá para garotas), mas seu trabalho tem um apelo universal e uma qualidade narrativa para agradar os leitores mais exigentes. 

LIMIT
Autora: Keiko Suenobu
Editora: JBC
Formato: 13,5 cm x 20,5 cm, com cerca de 190 páginas por edição
Total: 6 volumes
Lançamento: Julho de 2015 (Distribuição setorizada)
Preço de capa: R$ 13,90
- Classificação indicativa: Para maiores de 16 anos.



Nanami Sakuraba como Mizuki Konno
*****************************

Extra: Confira o preview do vol. 1:

3 comentários:

Usys 222 disse...

A premissa desse mangá é interessante, mas é difícil dizer se ele vai despertar interesse no grande público. Eu mesmo não sei se compraria. Prefiro coisas mais irreais, Mais fantasiosas, como por exemplo Gakkou Gurashi!, que também mostra meninas isoladas em uma situação limite. Mas pelo menos nesse caso elas são mais unidas, embora cada uma delas tenha algum tipo de psicose ou trauma.

Nem sabia que a Bessatsu Friend ainda existia. Nos anos 1990 eu colecionava a principal, a Shoujo Friend, que era lançada duas vezes por mês até se tornar mensal e depois acabar. O chamado "Shoujo Manga" não se limita apenas a romances. Ela também mostra esse tipo de drama psicológico e até histórias de terror. Percebi isso lendo essa revista. Achava até irônico saber que uma história dura como Sukeban Deka era publicada em uma revista chamada "Hana to Yume" (Flores e sonhos).

Ale Nagado disse...

Salve, Mr. Usys!

Eu me lembro quando tive em mãos um shojo mangá pela primeira vez. Foi na casa de uma tia, que havia comprado pra minha prima. Não lembro qual era, pois eu era bem garoto na época. E o que me chamava a atenção é que a revista, além de um monte de historinhas tipo "Candy Candy", tinha uma história de terror, com uma boneca assombrada. Aquilo me impressionou demais e me deu, muito cedo, a noção de que gibis pra meninas podiam ser perturbadores. Pena que a revista sumiu e nunca mais a vi.

E uma parte de mim gosta de histórias bem pé no chão, com um teor psicológico forte. Limit conseguiu me interessar, mas acho que espero a série concluir pra ler tudo de uma vez.

Abraço!

Bruno Seidel disse...

Eu tinha a impressão de que o tema "amizade" era mais recorrente em mangás shonen. Inclusive, é uma das principais marcas desse tipo de publicação (assim como "coragem", "perseverança" e "superação das adversidades"). Se bem que algumas obras shoujo também exploram isso muito bem.

Confesso que, assim como o Usys, tenho uma preferência assumida por histórias mais fantasiosas e menos realistas. Se bem que, de uns anos pra cá, venho apreciando muita coisa mais "pé no chão", inclusive releituras de algumas obras de ficção que se adaptaram muito bem a uma versão mais real. Será que isso é coisa da idade?? Hehehehehehe