RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Boletim 70 - Fãs querem Scarlett Johansson fora de Ghost in The Shell

Petição on-line quer a Viúva Negra
longe de Ghost In The Shell
A Dreamworks anunciou a produção de uma versão live-action para o famoso mangá/ animê Ghost In The Shell, criação de Masamune Shirow. Para a personagem central, a Coronel Motoko Kusanagi, foi contratada a atriz Scarlett Johansson, a Viúva Negra da franquia Os Vingadores. Mas se por um lado a escolha da musa é sinônimo de boas bilheterias, por outro causou uma reação negativa por parte de muitos fãs do trabalho original. 



Em uma petição on-line publicada recentemente, um grupo de fãs pede que o estúdio reconsidere a escolha de Scarlett e opte por uma atriz nipo-americana ou oriental. Eles argumentam que, como a história é ambientada no Japão e a maior parte do elenco é oriental, eles não deveriam ter escolhido uma atriz branca caucasiana para o papel principal. 


Capa de uma edição americana
de Ghost In The Shell, com
a exuberante arte de
Masamune Shirow
O texto da petição aponta que a indústria do cinema americano já discrimina o biotipo asiático para papéis importantes e argumenta que Ghost In The Shell poderia mudar isso. Apesar de mais de 35 mil pessoas terem assinado a petição, não deverá ter efeito nenhum. A Dreamworks vai gastar milhões com esse filme e precisa ter um grande nome, que seja jovem e de corpo escultural, para puxar a bilheteria. Com o dinheiro envolvido, não parecem dispostos a arriscar com uma novata ou rosto desconhecido. 

A questão aqui parece totalmente financeira, e não ligada a uma postura supostamente racista, como sugere a petição. A chamada no site, aliás, tem a frase "Dreamworks: Pare de branquear personagens asiáticos". 

Nos EUA já fizeram esse tal "branquemento" com Dragon Ball, Speed Racer, No Limite do Amanhã (All You Need Is Kill) e não parece possível que petição alguma vá mudar isso. 

No entanto, a questão já apareceu com força na mídia dos EUA, como quando o ator George Takei (da série clássica de Star Trek) comentou sobre uma possível adaptação do cultuado mangá e animê AKIRA nos EUA com uma série de adaptações para ocidentalizar trama e elenco. 


Ghost In The Shell (ou Kôukaku Kidôutai - Polícia Blindada Móvel Antidistúrbios) estreou em 1989 e rendeu 8 volumes encadernados pela Editora Kodansha. Deu origem a animês para cinema, TV e DVD, sendo que o primeiro longa, de 1996, foi dirigido por Mamoru Oshii e foi exibido no Brasil durante a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo daquele ano. Esse longa está disponível no Brasil em DVD e Blu-ray com o título Ghost In The Shell - O Fantasma do Futuro, da distribuidora Focus/ Flashstar. A série é muito prestigiada e possui fãs ardorosos em várias partes do mundo, o que explica em parte a movimentação criada, lembrando que é comum fãs de quadrinhos e afins reclamarem da escolha de um ator para viver um personagem famoso. E já erraram muitas vezes, como quando muitas pessoas reclamaram de Hugh Jackman como Wolverine só porque ele não tem 1,50m de altura como o personagem dos quadrinhos. 

Mas com ou sem pressão de fãs, é certo que histórias originais japonesas estão conquistando cada vez mais espaço na indústria cinematográfica americana, mesmo que para isso, muitos de seus elementos tenham que ser adaptados. E vem mais por aí, pois Sailor Moon e Patrulha Estelar irão ganhar versão hollywoodiana - e leia-se também ocidentalizada - em um futuro próximo. A web vai ficar pequena pra tanta reclamação. 

Leia também:
Sobre Akira, Power Rangers e a xenofobia americana 

7 comentários:

Anônimo disse...

Sem nem pesquisar muito a respeito, já me vem o nome de Ming-Na Wen e Lucy Liu pro papel.
Deve ter mais possíveis candidatas com fama maior ou menor, mas isso já prova como não é difícil quando se quer.

Renato Urameshi disse...

Também concordo com a maioria. Eles deviam ter escolhido alguma atriz mais nipônica. Mas acredito que essa petição vai acabar levando a nada, pois existem contratos a serem quebrados, e provavelmente a produtora não vai querer quebra-los.

Ale Nagado disse...

Fala, Renato! Eu não tenho nada contra a escolha de Scarlett Johansson. Como Kusanagi é uma andróide, não vejo problema em mudarem o nome dela e usarem uma atriz branca. Mas é claro que seria interessante ver uma oriental estrelando um grande blockbuster. Só acho que não vai ser dessa vez.

Caro anônimo, você lembrou de dois nomes que talvez até tenham sido cogitados. Ambas são boas atrizes e capazes de protagonizar boas cenas de ação. Talvez tenha pesado a idade. Sim, elas são muito bonitas e batem um bolão, mas para o que pode ser o início de uma série cinematográfica, talvez tenham considerado melhor uma atriz mais jovem. Ming Na já tem 51 anos e Lucy Liu, 46. Scarlett tem apenas 30 anos e parece ter um apelo maior junto ao grande público, seja por seus atributos físicos, seja por ser do primeiro escalão de Hollywood.

Agora, se me perguntassem quem eu gostaria de ver como a agente Kusanagi, eu tenho uma sugestão:

Meisa Kuroki, que estrelou a versão live-action do Yamato e já provou que, além de linda, pode interpretar mulheres fortes e duronas. Ela sim, eu acho que ficaria sensacional nesse filme. Claro, é só minha opinião.

Abraços!

Bruno Seidel disse...

Ihhh, mais um filme que já começa a causar polêmica antes mesmo de ser filmado. E olha que eu até gosto da Scarlett Johansson. Recentemente vi um filme dela que até lembra o universo anime no que diz respeito a "ficção científica hardcore": o tal do Lucy (2014). Mas não tiro a razão dos fãs revoltados que preferiam ver uma atriz "nativa" fazendo o papel de uma japonesa. São raras as produções de cinema estadunidenses inspiradas em algum game/anime que me agradam ou que acertam na escolha dos atores. Sou traumatizado pelas aberrações que fizeram com Super Mario Bros e com Street Fighter (aquela versão do Van Damme). Me recusei a assistir o filme do Dragon Ball e também não tive ânimo pra conferir o Speed Racer. O Godzilla de 2014 até que me agradou, mas aquele de 1998 foi difícil de engolir. E como todo fã de Super Sentais, claro, acho doloroso ver as adaptações by Saban. Me parece que essa lista de desafetos vai ficar ainda maior.

Ale Nagado disse...

Fala, Bruno. Olha, com Street Fighter eu acho que o problema não foi com o elenco, foi a direção e roteiro mesmo.

E certamente vai ter mais reclamação quando anunciarem os elencos de Sailor Moon e Star Blazers. Vamos ver o que vai rolar.

Abraço!

Stefano disse...

Hollywood adaptando animes ??
Argh !! Sem comentários !

Rogério disse...

Boa noite Nagado,

Eu não sei porque, mas realmente as mudanças nesta adaptação não me incomodam apesar de ser um fã de Ghost in the Shell.

Gosto da Scarlett Johanson, ótima atriz que é umas das poucas capaz de carregar um filme de ação sozinha atualmente.

E não vejo problemas em mudar a trama para um cenário ocidental ou ocidentalizar outros elementos, como veria com AKIRA ou Yamato.

Aliás, já que eles vão adaptar de qualquer jeito, eu prefiro que um bom diretor aborde o material com identidade própria e faça seu filme.

Também concordo que a decisão do estúdio não é baseada em questões raciais mas sim econômicas. Infelizmente a outra única mulher estrela de ação atualmente é a Milla Jovovich que está longe do talento da Scarlett Johanson. Vamos torcer para a Gal Gadot entrar nesta lista.

Sempre teremos o mangá e as versões em animes para apreciar, o filme sendo um sucesso ou não.