RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Ultraman Ace e a arte de educar filhos (Ou quase isso)



Em 2008, a Tsuburaya Pro lançou o filme Super Herói Ultraman - 8 Irmãos (Dai Kessen! Chou Ultra 8 Kyodai), um grande sucesso de bilheteria no Japão que reuniu diferentes gerações de personagens e seus atores. O vídeo aqui mostrado foi feito nessa época por uma equipe de TV havaiana, que entrevistou 4 dos atores, o novato Shunji Igarashi (Mirai/ Ultraman Möebius) e os veteranos Susumu Kurobe (Hayata/ Ultraman), Koji Moritsugu (Dan Moroboshi/ Ultraseven) e Keiji Takamine (Seiji Hokuto/ Ultraman Ace). A entrevista é bem curta e amadora e não valeria muito registro se não fosse por uma história impagável contada por Keiji Takamine. 


Ultraman Ace, herói vivido por
Keiji Takamine desde 1972
O ator estrelou a série Ultraman Ace em 1972, uma produção que nunca foi exibida no Brasil, mas que fez sucesso no Japão e é do conhecimento dos fãs da franquia no mundo todo. No Brasil, foram lançados alguns longas recentes dos Ultras e Ace aparece com algum destaque em dois deles. 

Ele conta que seu filho mais velho nasceu no ano em que ele filmou Ultraman Ace. Logo, não assistiu o pai atuando naquela produção. Para o ator, por mais que tenha sido significativo o papel, foi apenas mais um trabalho. 

Quando seu filho era um pouco mais velho, mas ainda bem criança (ele não especifica a idade ou ano), Ultraman Ace estava sendo reprisado na TV. Keiji, que nunca havia contado ao filho que havia interpretado um Ultraman, não deixava a TV ligada no canal que exibia a reprise. Ele explica que não queria que o filho ficasse convencido por ser filho de um Ultraman. 

O problema é que o filho chegava da escola falando que os colegas ficavam tentando convencê-lo de que seu pai era o Ultraman. Imagino que situação hilária deve ter sido, o pai preocupado indo buscar o filho na escola e as crianças gritando "Olha o Ultraman!". Depois, ele conta que quando o filho tinha 20 e poucos anos, levou-o para comer no restaurante cujo proprietário era um amigo, o ator Koji Moritsugu, o Ultraseven em pessoa. Acontece que o filho dele já frequentava o restaurante há anos, e achava fantástico ir no "restaurante do Ultraseven", sem saber que o pai também era conhecido (em menor grau) por ter vivido um Ultra. E provavelmente Moritsugu também não devia saber que o rapaz era filho de Keiji Takamine até eles entrarem juntos no estabelecimento.

Keiji Takamine parece, obviamente, um pai que sempre foi preocupado com a educação e valores a transmitir. Mas sua capacidade de comunicação e conhecimento do filho é inversamente proporcional ao poder de seu personagem nas telas. 
Keiji Takamine e Mitsuko Hoshi
em um evento

A história é muito divertida, mas todos os outros contam casos bem humorados no vídeo. Como Susumu Kurobe, que brinca com a falta de memória decorrente da idade. Mas é bom lembrar que, no ano seguinte, ele não só voltaria a viver Hayata, como o faria em grande estilo, em A Lenda da Galáxia Ultra - O Filme

Gosto muito desse tipo de material, que destaca o lado mais humano e cotidiano dos artistas. E por isso, quis compartilhar com os leitores deste blog. 

Ultraman Ace - Foi a quarta série de um herói Ultra, feita logo após o sucesso de O Regresso de Ultraman. Inovou ao apresentar um casal humano sendo hospedeiro do herói, que só aparecia quando ambos uniam os anéis especiais. 

A ideia foi deixada de lado na metade da série, quando a garota alienígena Yuko Minami (vivida pela atriz Mitsuko Hoshi) parte para viver com seu povo na Lua. Ela voltaria a aparecer outras vezes, mas Seiji seguiria como único hospedeiro. 

O tom da série oscilava entre o humor e o drama e alguns de seus episódios principais foram assinados pelo aclamado escritor Shinichi Ichikawa, falecido em 2011. Até hoje, Ultraman Ace é um dos personagens mais populares do Universo Ultra. 

3 comentários:

ॐ HAKAIDER - 人造人間ハカイダー disse...

Mais uma grande matéria Nagado! Muito curiosa esta história. Interessante citar também a estranha semelhança entre os hospedeiros de Ultraman Ace e, anos mais tarde, surgir os Supergêmeos no desenho animado dos Superamigos, uma vez que os personagens tinham feições orientais e ativavam seus poderes com a união de seus anéis... Pode ser apenas coincidência, mas é algo a citar. Um forte abraço! :)

Ale Nagado disse...

Hakaider, só um reparo: Os Supergêmeos não usavam anéis. Eles apenas uniam as mãos fechadas. Quem usava anéis era o casal que invocava o gênio Shazzan. Aliás, o Shazzan foi produzido pela Hanna-Barbera em 1967 sendo, portanto, anterior ao Ace. A Tsuburaya pode ter pego a ideia do Shazzan e unido ao conceito de hospedeiro humano dos Ultras.

Convém lembrar que, diferente do Ultraman Jack, cujo intelecto dominante era a parte humana, em Ace era bem clara a separação de personalidades. Nos filmes mais recentes, isso já não fica claro.

Abraço!

Bruno Seidel disse...

Considero boa parte das produções Ultras como verdadeiras lições de vida. O filme "Dai Kessen! Chou Ultra 8 Kyodai", por exemplo, passa uma mensagem muito interessante sobre o cultivo dos sonhos de infância. É uma questão que certamente merece reflexão. Nesse ponto, não tenho nenhuma dúvida em afirmar que a Tsuburaya "cuida" muito melhor de seus personagens do que a Toei, que costuma requentar heróis clássicos só pra dar o ar da graça. Nesses filmes recentes dos Ultras, nota-se que existe um cuidado todo especial para manter a essência dos personagens.

Ah! E vale lembrar ainda que o Ace foi um Ultra que tinha tudo pra ser triturado pelos fãs da época, já que inovou bastante o conceito inicial estabelecido pelo Eiji Tsuburaya em Ultraman (66) e Seven (67) e foi o sucessor direto do Jack (71), outro grande sucesso da franquia.