RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Kamen Rider - 40 anos!

Kamen Riders: 40 anos de ação.
2011 é um ano festivo para o mercado de super-heróis no Japão. Além dos 45 anos de Ultraman, que comentei na postagem anterior, há os 40 anos de seu maior concorrente, o Kamen Rider. Atualmente em exibição no Japão, a série Kamen Rider OOO (leia “Oozu”) mostra mais um herói da linhagem lutando contra ameaças à humanidade.

O primeiro Kamen Rider.
Personagem de Shotaro Ishinomori, autor de Cyborg 009 e muitos outros personagens, Kamen Rider nasceu como um projeto feito para concorrer diretamente com os heróis gigantes de então, sob a coordenação do produtor Toru Hirayama.

Um ciborgue criado pela organização maligna Shocker, o motoqueiro Takeshi Hongo se volta contra seus criadores e luta pela própria sobrevivência e pela salvação do mundo. Sem raios ou poderes exagerados, usava socos e chutes contra monstros de tamanho humano. A fórmula agradou em cheio, bem como o carisma do ator Hiroshi Fujioka.

Em 1971, concorreu diretamente com O Regresso de Ultraman e Spectreman, levando em geral a melhor em termos de repercussão e audiência. De tamanho humano e com histórias cheias de drama – a começar pela origem do herói – o Kamen Rider estabeleceu novos parâmetros de ação no tokusatsu e fez escola. Sua série teve 98 episódios e ganhou derivadas, como o Kamen Rider V3, X, Stronger, Super-1 e outros. 


No Brasil, Kamen Rider Black (de 1987, lançado equivocademente aqui como "Blackman") e sua continuação Kamen Rider Black RX (88) embalaram a “geração Manchete” que se formou na esteira do sucesso de Jaspion e Changeman, que se destacaram na extinta Rede Manchete no final dos anos 1980.
Kamen Rider Black e Black RX: Duas fases
distintas de um mesmo personagem.
Grande sucesso no Japão, RX decretou também o fim de uma era dos Riders na TV. Ishinomori acompanhou a produção de uma série de especiais. Em 1992, o sombrio Shin Kamen Rider era um filme de ficção científica e terror para adultos feito direto para home video e não agradou. Em 1993 e 94, foram produzidos médias-metragens de cinema para o Hero Festival do estúdio Toei Company, Kamen Rider ZO (leia "Zettou") e Kamen Rider J, que mantiveram a chama acesa. 


A morte de Ishinomori em 1998, aos 60 anos, fez parecer que era o fim dos guerreiros motorizados, mas a Toei resolveu investir na marca e renová-la para uma nova geração. Em janeiro de 2000, estreou Kamen Rider Kuuga, que trouxe uma ambientação diferente, misturando investigação de sobrenatural em um clima sombrio e cheio de ação. Era o início da era dos Heisei Riders, de acordo com o costume japonês de designar eras de acordo com o reinado do imperador. A era Heisei na verdade começou em 1989, mas o espírito da nova era só foi considerado mesmo a partir de Kuuga. Daí, começaram a vir novas séries repletas de Kamen Riders em sequência, além de especiais de cinema.

Sem compromisso com os conceitos originais e em alguns casos usando só o nome Kamen Rider como gancho de marketing, a franquia renasceu e ganhou novos adeptos. Desde Kuuga, as séries Rider vão sendo produzidas uma após a outra, sem descanso e com vários filmes para cinema. Ainda assim, o Rider original foi refilmado para cinema com novo elenco em 2005. Kamen Rider The First atualizou o herói e seu sucessor direto (o segundo Rider, que dividiu com ele a série original de 1971) e ainda teve a sequência Kamen Rider The Next, com a origem recontada do Kamen Rider V3.
A renovação dos Heisei Riders: Sem
compromisso com o trabalho de Ishinomori.
Em 2009, Kamen Rider Decade nasceu para homenagear os 10 anos dos Heisei Riders. Numa trama envolvendo viagens dimensionais, o herói – capaz de emular forma e poderes dos seus antecessores – se encontra com versões alternativas (e vividas por outros atores) dos Heisei Kamen Riders. O sucesso da empreitada e a pressão dos fãs fez com que a trama fosse alterada no decorrer da produção e o herói visitasse mundos dos Showa Riders (os Riders da era imperial anterior, até 1988). Para isso, o veterano Tetsuo Kurata (Black e RX) voltou a viver seu papel mais famoso em dois episódios antológicos de Decade.

No longa Kamen Rider Decade - All Rider vs Dai Shocker, novos e antigos heróis se enfrentaram em grande batalhas para salvar as múltiplas Terras paralelas. Foi um sucesso de bilheteria, arrecadando mais de 20 milhões de dólares em 2010.

O sucesso da franquia atraiu a Saban Entertainment, responsável por adaptar outra franquia de sucesso para o ocidente, os grupos Super Sentai, na forma de Power Rangers. As duas tentativas, Masked Rider (adaptação de K. R. Black RX) e Kamen Rider – O Cavaleiro Dragão (K. R. Ryuuki) não vingaram. No Japão, porém, eles reinam absolutos e a badalação em torno deles está ofuscando até o aniversário da franquia Ultra.

A agitação em torno da marca não se restringe a filmes e seriados. Em uma parceria com a gravadora Avex Trax, a Toei Company, TV Asahi e a Ishimori Pro montaram uma estonteante girls band chamada Kamen Rider Girls. Com cada uma das cinco beldades representando um Rider da era Heisei (a saber: Kiva, Den-O, Ryuuki, OOO e Blade), o grupo chega com seu J-pop dançante homenageando os famosos personagens e atraindo mais atenção da mídia local.
As Kamen Rider Girls: J-Pop
pré-fabricado para atrair marmanjos.
Para o dia primeiro de abril (aniversário de estréia do herói na TV), está anunciado um grandioso filme para cinema, intitulado OOO – Den-O – All Rider: Let´s Go Kamen Riders, focado no primeiro Kamen Rider (também chamado Kamen Rider Ichi-Gô), Kamen Rider Den-O e Kamen Rider OOO. Diversas participações de atores originais são aguardadas, para esse filme que promete agitar as bilheterias, marcando também os 60 anos da Toei Company.

Muito longe da essência original, a marca Kamen Rider se tornou uma grande mina de ouro e vive um período de grande efervescência. Ao menos, tem servido para manter em evidência o nome do autor, que possui um impressionante currículo de grandes criações, sendo reverenciado como o Rei do Mangá. Inclusive por ter criado, nos quadrinhos, um certo motoqueiro mascarado que vem socando monstros há 40 anos.


5 comentários:

Douglas disse...

Que clareza hein
haviam informações aqui que nem sabia...

ótima materia.

Bruno Seidel disse...

Graaaande post hein!!

O que mais chama a minha atenção nisso tudo é a insistência da Toei com o tal do Den-O. Considero este rider um fenômeno do gênero, pois "nunca antes na história desse país" (nem mesmo na era Showa) um rider manteve-se por tanto tempo em evidência: já é o quinto ano desde a estreia da série (2007) que ele mantem-se na ativa, além de ser o recordista no número de especiais (como protagonista): este vai ser o 9º (NONO)!! O curioso é q, em termos de audiência, Den-O nem fez tanto sucesso assim no Japão. Tudo leva a crer que a série deve ter vendido rios de brinquedos e produtos relacionados para motivar tanto assim a Toei a mantê-lo em destaque. Outro ponto fundamental para o sucesso de Den-O também acredito ser o Momotaros, que durante a série roubou a cena e até mesmo nos especiais seguintes.

Michel disse...

Ótima iniciativa, Nagado! 2011 promete ser um ano especial para as três franquias, Ultraman-Kamen Rider-Super Sentai, cada uma com suas datas comemorativas. Não estou criando expectativas para esse novo filme, já que ultimamente, a Toei tem feito uma salada de obras caça-níqueis. Mas espero que todos os Riders sejam bem aproveitados, e que apareçam alguns dos atores antigos. O Takeshi Sasaki (Hayato Ichimonji/Rider 2-Gô) já confirmou a sua participação, mas apenas na dublagem. Agora, seria uma “catástrofe” se o Hiroshi Fujioka não fosse relacionado. Mais um filme fanservice, não!
Com relação a separação Showa/Heisei Rider, lembro-me de uma discussão inútil no Tokubrasil, de fã considerando a classificação errada, levando-se em consideração apenas às datas. Serve apenas para separar as obras antes e pós Ishinomori. Curiosamente, Black RX não seria a última série da era Showa. Uma terceira série estava em projeto, mas acabou não se concretizando.

Alexandre Nagado disse...

Michel, acredito que o Takeshi Sasaki não tenha sido escalado como ator porque o tempo foi cruel com ele, pela foto que vi de 2009. Mas espero ver, além do Fujioka, também o Hiroshi Miyauchi e o Tetsuo Kurata. Vamos aguardar mais notícias oficiais.

Sobre o Black RX, acredito que muita gente tenha se decepcionado com a mudança de tom nas histórias. E também acredito que RX deveria ter sido uma série isolada de Black, e virou continuação para aproveitarem o sucesso do ator principal. Um dia gostaria de ler algo sobre isso, pois sempre tive essa impressão.

Abraços.

Stark disse...

Gosto da franquia dos Riders mas
só do Black em diante! Já por diversas vezes tentei assistir
as séries mais antigas dos Riders
mas desistia achava muito sonso
(Talvez pelo fato de ter sido fã
dos Ultras primeiro!)Comparando
as franquias dos Riders Sentais
e Ultras pra mim a mais fraca
sem dúvida é a dos Riders mas
gosto é gosto!