segunda-feira, 15 de julho de 2019

Mangá da Patrulha Estelar no Brasil

A obra mais famosa do autor Leiji Matsumoto chega ao Brasil, décadas depois de sua versão em animê.
Capa de edição completa da série
em inglês, que deve servir de modelo
para a edição nacional da NewPOP.
Durante o evento Anime Friends, no último fim de semana, em São Paulo, as editoras brasileiras de mangá fizeram diversos anúncios, já amplamente repercutidos na imprensa e blogosfera especializadas. De todos esses, o que mais chamou minha atenção foi a NewPOP ter anunciado que vai publicar o mangá original de Space Battleship Yamato - Patrulha Estelar.

O animê foi um divisor de águas na História da animação no Japão, pois suas versões para cinema detonaram o primeiro Anime Boom, fenômeno de popularidade que impulsionou muito a produção japonesa de desenhos animados no final da década de 1970. No Brasil, duas séries da franquia foram exibidas na antiga TV Manchete, nos anos 1980. E finalmente, a versão live-action de 2010 já foi exibida na HBO

O público brasileiro atual não conhece ou dá muito valor à essa série, mas o Yamato original teve continuação em longa em 2009 e depois foi reformulado em duas séries bastante aclamadas: Yamato 2199 e Yamato 2202. A adaptação em mangá de Yamato 2199 já fora anunciada pela NewPOP desde o ano passado. Por isso, chega a ser surpreendente a decisão de lançar também o mangá clássico, visto que ainda nem foi testado o potencial do Yamato para a geração atual de leitores.
A arte de Leiji Matsumoto.
Originalmente, o Yamato clássico foi publicado no Japão na revista mensal Bouken Oh (ou "Adventure King", da Editora Akita Shoten) entre novembro de 1974 e abril de 1975 e gerou três volumes encadernados. A NewPOP vai publicar tudo em um único volume, com centenas de páginas. É o primeiro mangá lançado oficialmente no Brasil do autor Leiji Matsumoto, criador de Capitão Harlock e Galaxy Express 999

Seu traço é uma mistura de mangá shojo para figuras femininas e traços bem caricatos para figuras masculinas. Isso, mais seu desenho de máquinas que influenciou quase tudo o que foi feito depois e uma diagramação arrojada, fazem de Matsumoto um autor diferenciado. 


Ainda não há previsão para o lançamento dos mangás do Yamato (clássico e 2199), apenas foi divulgado que a editora já tem os direitos de publicação. 

A NewPOP também havia anunciado em maio vai publicar os mangás de Devilman e Cutie Honey, de outro autor clássico que permanecia inédito no Brasil: o polêmico Go Nagai

A editora, que tem em seu catálogo vários trabalhos obscuros de Osamu Tezuka, como Faculdade de Mangá, Crime e Castigo e Pinóquio, firma-se com um acervo repleto de obras de referência de autores que deixaram marcas profundas tanto na História do mangá quanto na própria cultura pop japonesa. 
Starsha, do planeta Iskandar, a
salvadora da Terra.
::: Leia também :::

Anime Boom - O impacto na sociedade japonesa e na indústria de animação

Sinfonia estelar - A trilha sonora do Yamato


Leiji Matsumoto e o Yamato - Bastidores da criação da Patrulha Estelar


Memórias da Patrulha Estelar

Playasia - Buy Games & Codes for PS4, PS3, Xbox 360, Xbox One, Wii U and PC / Mac.

8 comentários:

Diego Larievilo disse...

No aguardo da estreia de Shotaro Ishinomori por aqui.

Ricardo Cerdeira disse...

Aí está um anúncio que me deixou na expectativa. Sempre tive curiosidade de ler o mangá de Yamato. Lembro que o mangá foi anunciado há um bom tempo no Brasil, mas teve o lançamento suspenso alguns meses depois.

Estive na loja da New Pop do Anime Friends no último sábado. Não sou um consumidor ávido de mangás, por isso fiquei surpreso quando vi tantos títulos clássicos à venda no stand da editora, como Kimba, Don Drácula e Speed Racer.

Lendo agora em seu post sobre os lançamentos prometidos de Devilman e Cutie Honey, fico com a esperança de que a New Pop continue explorando esse nicho de mangás clássicos, o que proporcionará aos leitores brasileiros uma gama variada de opções.

E, assim como o Diego acima, também continuo na eterna torcida para enfim ver o trabalho do Ishinomori no Brasil. Não sei o valor dos direitos de licenciamento das obras do Shotaro, mas sinceramente duvido muito que o mangá de Kamen Rider Black vendesse menos no Brasil que um Pinóquio ou mesmo um Don Drácula da vida...

Alexandre Nagado disse...

Olá, Diego!

Muito bem lembrado. Com a chegada ao Brasil de trabalhos de Leiji Matsumoto e Go Nagai, o grande Shotato Ishinomori será o maior dos grandes mestres a permanecer inédito por aqui. Minha esperança repousa na NewPOP, com seu olhar especial aos clássicos. E falando em Ishinomori, você viu a biografia dele aqui no Sushi POP? Se não, confira: http://nagado.blogspot.com/2018/01/shotaro-ishinomori-rei-do-manga.html

Valeu! Abraço!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Ricardo!

Eu já vi um volume do Yamato e o traço pode espantar a garotada mais nova, mas espero que não. A narrativa é incrível, o senso de design, a dramaticidade das imagens... Espero que o Yamato dê certo e abra caminho para Galaxy Express 999 ou o Capitão Harlock.

Sobre o mangá do BLACK, tenho um volume avulso. É radicalmente diferente da série de TV e acredito que não atraia a atenção dos fãs da "geração Manchete", mas é um material de alta qualidade. Acho que é o material do Ishinomori com mais potencial para que alguma editora faça a experiência de publicar algo dele. Espero que a NewPOP ou alguma outra ainda se interesse.

Valeu! Abraço!

Diego Larievilo disse...

Simplesmente Genial Nagado, como n tinha lido antes? Vlw pela dica.

Alexandre Nagado disse...

Obrigado, Diego. Gosto de escrever biografias. Se tiver interesse, aqui no Sushi POP também tem as bios dos mangakás Ryoichi Ikegami e Kazuo Koike, dos roteiristas Shozo Uehara e Tetsuo Kinjô, do produtor Toru Hirayama e dos diretores Eiji Tsuburaya e Ishiro Honda. Ainda espero escreve outras futuramente.

Valeu! Abraço!

Diogo Almeida disse...

Fala, Nagado! Desculpe o atraso mas só soube da notícia agora.
Tomara que a versão nacional do mangá do Yamato não fique só na promessa. A New Pop fez um ótimo trabalho com o mangá do Don Drácula (a propósito caí pra trás quando vi que a mãe da Sangria aparece nessa versão).
Mas eu queria mesmo é que o 2199 fosse lançado em streaming por aqui...

Alexandre Nagado disse...

Fala, Diogo.

Ainda não li o Don Drácula, e com essa informação, aumentou a curiosidade com o material.

E sobre o Yamato, sim, quero tanto o mangá clássico quanto o novo e também assistir o Yamato 2199 e o 2202. Esses parecem atualizações dignas e fieis às obras originais.

Valeu! Abraço!