quarta-feira, 23 de maio de 2018

Mistério e Justiça: Temas clássicos do tokusatsu em versão rock!

Um álbum de rock que celebra as criações do estúdio Tsuburaya! De quebra, conheça cada série homenageada.
A capa do novo álbum da banda
Kagaku Tokusoutai, uma alusão
à vinheta de abertura da série
Operação Mistério.
Kaiki to Seigi ~ 怪奇と正義, ou "Mistério e Justiça", é o nome do segundo álbum da banda Kagaku Tokusoutai a ser lançado por uma grande gravadora, no caso a Tokuma Japan Communications.

Dando sequência ao excelente Ultraman The Rocks (2017), o quinteto resolveu revirar o baú da Tsuburaya Pro, que está comemorando 55 anos de fundação, para celebrar seu passado de grande diversidade de produções além do Universo Ultra. O resultado foi um disco que tem músicas dos mais variados estilos, tudo com muita unidade e bom gosto.

A faixa que abre o disco e gerou um belo clipe é "Kyôfu no Machi" (ou "Cidade do Terror") e celebra o clássico Kaiki Daisakusen, de 1968. Há peso nas guitarras e a voz rascante de Hyouri Takahashi, um autêntico cantor de rock, cheio de personalidade e presença. 

Outro destaque, a canção de Redman (faixa 4), já fora vista em um divertido clipe de 2016. Guitarras pesadas e um clima de loucura e agressividade, bem a cara do personagem. Até mesmo o tema do seriado infantil do monstrinho Buusuka foi lembrado. Bem "marchinha infantil", o tema de Buusuka é a única canção do álbum em que a tecladista Emi Sonne (que tem carreira solo assinando como Emi Okamoto) faz a voz principal. 


Da esq. p/ dir.: Hayata Mori, Moroboshi Deen,
Hyouri Takahashi, um certo cara de vermelho,
Ryou Nakamura e Emi Sonne. 

A faixa 9, é "Ultra 7" (grafada normalmente como "ULTRA SEVEN"), é uma canção incidental tirada da série original do herói. Tem uma melodia marcante e foi escrita em um inglês de ensino fundamental, o que na época foi um charme e tanto. Cantada originalmente por The Echoes, ganhou uma versão cheia de ritmo marcado pelas guitarras da banda. Nessa faixa, entra em cena, com um piano jazzístico, o convidado Yasuhiko Fukuda, que já participou do álbum anterior e tocou algumas vezes com a banda ao vivo. O resultado é uma pauleira só, um rock ágil de apenas dois minutos. De tão rápido e eletrizante, dá vontade de ouvir repetidas vezes. Outro convidado do álbum foi o baixista Hiroyuki Deguchi, que participa das faixas 2 e 5, com os temas dos heróis Aizenborg e Andromelos, respectivamente. 

A "Canção do TAC" começa com uma das inúmeras variantes do "Wanda badabada" que tocava em cenas de ação do G.A.M. em O Regresso de Ultraman, mas vai muito além. Encerrando o álbum, o tema da série Mighty Jack, que tinha uma pegada de surf music. Isso foi mantido e valorizado com um belo solo de guitarra. Da escolha de repertório à instrumentação e arranjos, o trabalho tem unidade e muito bom gosto. 
  
A Katokutai é formada por Hyouri Takahashi (vocal solo, guitarra, violão e coro), Moroboshi Deen (baixo e coro), Hideki Ryo (guitarra, teclados e coro), Emi Sonne (vocal solo, teclados e coro) e Hayata Mori (bateria). 

O álbum chegou às lojas japonesas em 28 de março e, desde 3 de maio, está disponível no acervo da plataforma Spotify.


TRACKLIST:

1) Kyôfu no machi ("Cidade do Terror"), de Kaiki Daisakusen
Letra: Tetsuo Kinjô / Melodia: Naozumi Yamamoto
2) Tatakae! Aizenborg ("Lute! Aizenborg"), de Aizenborg
Letra: Akira Ootsu  / Melodia: Toshiaki Tsushima
3) Yume no Hero ("Herói dos sonhos"), de Gridman
Letra: Akira Ootsu / Melodia: Kisaburou Suzuki
4) Redman 
Letra: Kounosuke Fuji / Melodia: Takeo Yamashita
5) Andromelos
Letra: Noboru Tsuburaya / Melodia: Shunsuke Kikuchi
6) Kaiju Buusuka ("Monstro Buusuka")
Letra: Sanshi Funabashi  / Melodia: Kunio Miyauchi
7) Mirrorman no Utá ("Canção de Mirrorman")
Letra: Kyoichi Azuma (*) / Melodia: Toru Fuyuki
8) Fireman
Letra: Yuu Aku / Melodia: Asei Kobayashi
9) ULTRA 7 
Letra: Kyoichi Azuma / Melodia: Toru Fuyuki
10) TAC no Utá ("Canção do TAC"), de Ultraman Ace
Letra: Kyoichi Azuma / Melodia: Toru Fuyuki
11) Mighty Jack no Utá ("Canção do Mighty Jack")
Letra: Kazuho Mitsuta / Melodia: Isao Tomita

(*) Pseudônimo do diretor Hajime Tsuburaya.

::: AS SÉRIES :::

Segue abaixo uma breve explicação sobre cada série homenageada no álbum Kaiki to Seigi:
A equipe de agentes da SRI - Science Research Institute
1. Kaiki Daisakusen ~ 怪奇大作戦
Seriado de mistério, fantasia e terror de 1968, Kaiki Daisakusen ("Operação Mistério") trazia uma equipe de investigadores em aventuras sem super-heróis. Com violência, suspense e bons efeitos especiais, virou cult na época e ganhou algumas refilmagens e continuações. Estreou em setembro de 1968 e teve 26 episódios. 
Aizenborg, Gridman e Redman.
2. Kyoryu Daisensou Aizenborg ~ 恐竜大戦争アイゼンボーグ
Seriado que misturava animação com live-action, Kyoryu Daisensou Aizenborg ("Guerra dos Dinossauros Aizenborg") mostrava o retorno dos dinossauros, mais poderosos e inteligentes, decididos a retomar a Terra para si. A garota Zen e seu irmão Ai Tachibana se transformam no herói cibernético gigante Aizenborg. A parte do herói contra os monstros era em live-action, com os humanos sendo feitos em animação. Uma combinação curiosa, de uma época ainda experimental. Um documentário nipo-árabe chamado Kaettekita Aizenborg ("O Regresso de Aizenborg") foi feito em 2016, encerrando com uma nova sequência de ação. 

3. Denkou Chôjin Gridman ~ 電光超人グリッドマン
O "Super Homem Elétrico Gridman" era um herói do mundo digital que combatia vírus na forma de monstros. Foi adaptado nos EUA em 1994, no estilo Power Rangers, sendo rebatizado como Super Human Samurai Cyber Squad. Essa é a versão conhecida no Brasil. O seriado original estreou no Japão em abril de 1993 e teve 39 episódios. Em outubro de 2018, irá estrear a série em anime intitulada SSSS.Gridman

4. REDMAN ~ レッドマン
Um herói violento que elimina monstros que encontra vagando em um mundo estranho e inóspito. Produzido às pressas com episódios de 3 minutos e produção bem pobre, Redman é praticamente um psicopata se visto com atenção nos dias de hoje. Veja matéria aqui
Andromelos, Buusuka e Mirrorman.
5. Andromelos ~ アンドロメロス
Grupo de super-heróis inserido na continuidade do Universo Ultra (e esquecidos há décadas), a série surgiu como mangá em 1981 e foi para a TV em 1983, gerando 45 episódios de 10 minutos. Andromelos era o principal, sendo acompanhado por Andromars, Androwolf e Androflor. O seriado era mal produzido, sendo escrito de forma primária, sem grandes conflitos ou desenvolvimento de personagens. Mero veículo de divulgação de brinquedos, no entanto tem seus fãs, como o pessoal da banda. Confira, no blog Casa do Boneco Mecânico, um post cheio de informações sobre Andromelos e imagens da action figure do protagonista

6. Kaiju Buusuka 快獣ブースカ
Tendo estreado no final de 1966, a série do "Monstro Buusuka" era uma comédia voltada a crianças e mostrava uma criatura que era um iguana que sofreu mutações depois de se alimentar de uma substância experimental. Simpático e símbolo de fofura (apesar do traje meio grotesco no início), Buusuka ganhou remakes e homenagens ao longo do tempo e é bastante lembrado até hoje. Estreou em novembro de 1966 e teve 47 episódios. 

7. Mirrorman ~ ミラーマン 
Herdeiro de um poder alienígena, o jovem Kyôtarô Kagami enfrenta os alienígenas conhecidos como Invaders. Lançado no final de 1971, teve 51 episódios, alguns com direção do diretor Ishiro Honda, o mesmo do Godzilla original (1954). Uma versão modernizada, intitulada Mirrorman REFLEX, foi lançada em 2005. Depois, surgiu outra atualização dos conceitos do herói no personagem Mirror Knight, que apareceu no longa Ultraman Zero - O Filme (2010) e, desde então, fez várias participações em produções Ultra como integrante da Ultimate Force Zero

Fireman, Ultra Seven e Ultraman Ace.
8. Fireman ~ ファイヤーマン
Série do início de 1973, conta as aventuras do herói vindo de um continente perdido chamado Aban. Sob a identidade de Daisuke Misaki, arqueólogo e membro da equipe SAF (Scientific Attack Force), o gigante enfrenta dinossauros mutantes e alienígenas invasores. A série teve 30 capítulos e, junto com Ultraman Taro e Junborg Ace, celebrou os 10 anos da Tsuburaya Pro. O herói ganhou uma versão moderna chamada de Glenfire em Ultraman Zero - O Filme (2010), sendo integrante da Ultimate Force Zero

9. Ultra Seven ~ ウルトラセブン 
- Um dos mais icônicos heróis da cultura pop japonesa, dispensa apresentações para os leitores deste blog. (Confira o Especial de 50 anos do herói.)

10. Ultraman Ace ~ ウルトラマンA
TAC é a sigla para "Terrible-monster Attacking Crew", o esquadrão militar que aparece na série do Ultraman Ace, lançada em 1972 e que teve 52 episódios. Foi a quarta série dos Irmãos Ultra originais, que tinha um herói que surgia com a união dos anéis do casal Seiji Hokuto e Yuko Minami

Mighty Jack
11. Mighty Jack ~ マイティジャック
Série com as aventuras da tripulação do submarino voador Mighty Jack. A primeira temporada estreou em abril de 1968 e teve 13 episódios de uma hora, algo que seria considerado ousado para os padrões japoneses até hoje. Em seguida, a segunda temporada seguiu um formato mais tradicional, com 26 episódios de meia hora cada. 

10 comentários:

Anônimo disse...

Anderson :Eu assistia Super Human Samurai na CNT.Apesar de já estar acostumado com Power Rangers não gostava do estilo Sitcom em SHS ,mas as cenas de ação japonesas me atraiam principalmente pelo herói lembrar Ultraman que era exibido no mesmo bloco.Vamos ver como vai ficar a versão da Trigger de Gridman,e de preferência que siga o exemplo de Little Witch Academia e evite erotismo bizarro(não tenho coragem de assistir Darling in the Franxx depois de ver certas imagens da série).

Alexandre Nagado disse...

Olá, Anderson.

O Gridman eu cheguei a conhecer em fitas de vídeo antes do Super Human Samurai chegar aqui. Pra ser sincero, também não me agradava muito, mas as lutas me atraiam exatamente por lembrar Ultraman. Mas a música é bem legal mesmo.

O "balão de ensaio" do Gridman em animê surgiu como um curta metragem para o projeto "Japan Anima(Tor)´s Exhibition", que eu mostrei aqui em 2015 (https://nagado.blogspot.com.br/2015/12/japan-animators-exhibition-o-melhor-do.html).

Esse Gridman em animê tem potencial, mas espero que não deixem o fan service e a erotização tomarem conta. Eu já não tenho paciência para essas molecagens de otaku que fica nessa de fan service.

Abraço!

Usys 222 disse...

Quase que eu perdi essa do Spotify! Se não fosse seu aviso...

O pessoal da Katokutai mandando bala de novo! Desta vez com umas canções bem obscuras. Acho que muita gente não deve se lembrar de várias delas. E também tem algumas das séries Ultra.

E eles fazem arranjos muito legais! Essa versão de Mighty Jack foi muito bem pensada, já que se passa no mar. A do Buusuka manteve o espírito infantil do original e ficou bem gostosa de ouvir. Especialmente nas partes com cordas. Mirrorman virou uma balada agradável e Fireman ficou intensa. Como se uma fosse uma contraposição da outra. Colocar o "Fourth Gate Open" no ULTRA7 foi uma boa sacada. Realmente genial!

O melhor é que dá para ouvir por aqui sem qualquer tipo de bloqueio de região. Espero que isso seja um sinal de que os tempos estão finalmente mudando!

Ah, e quanto a Andromelos, o melhor é pensar que a verdadeira história é a do mangá. Via quando era menor nas revistas de amigos e adorava.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Usys!

O álbum todo é muito bem equilibrado. Que eles nunca se deixem formatar pela indústria fonográfica, pois sua empolgação é contagiante. Algumas das músicas eu não tinha muita familiaridade, mas gostei de todas.

Sobre o Andromelos, acredito que o mangá seja muito melhor, pois é trabalho do Mamoru Uchiyama, que era um mestre no que fazia. Agora, eu acharia interessante se os heróis de Andromelos fossem "resgatados" no Universo Ultra. Isso iria ampliar as possibilidades criativas, com mais uma equipe de heróis que não são Ultras na ativa, assim como temos a Ultimate Force Zero.

Poder ouvir álbuns recém-lançados e de forma oficial e acessível é algo que eu jamais imaginaria lá pelos anos 80 ou 90.

Falou! Abraços!!

Aniki disse...

Que delícia ouvir mais esse trabalho da Kagaku Tokusoutai. Tenho que aproveitar o Spotify instalado no PC e celular.

Ainda estou aguardando pra ver se a banda vai gravar algo para Ultraman R/B ou se permanecerá com seus covers. Se bem que ainda tem outras séries da Tsuburaya a ganhar versões futuramente, como Triple Fighter, Unbalance, Saru no Gundan, Born Free, Koseidon, Star Wolf...

Abraços.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Aniki!

Uma coisa legal desse álbum foi chamar a atenção para a variedade de produções que a Tsuburaya já teve. Eu adoro os Ultras, mas gostaria de ver o estúdio fazendo mais coisas, criando coisas realmente novas ou investindo em outros títulos. É o que Eiji Tsuburaya faria, certamente. A empresa não tem o gigantismo de uma Toei, então é mais prudente focar em uma coisa de cada vez. Mas seria legal ver um novo Mighty Jack ou alguma coisa diferente.

Valeu! Grande abraço!

Bruno Seidel disse...

Que saudades eu já estava da Katokutai!! O CD Ultraman The Rocks já rodou algumas centenas de vezes no som do meu carro e eu há tempos já estava esperando com um álbum novo. Dessas novas versões aí, algumas eu já conhecia, como essa do Fireman que, inclusive, é uma das minhas preferidas!

Vida longa à Patrulha Científica dos animesongs!!!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Bruno!

Ficou bom demais mesmo! E o legal é que os dois álbuns deles estão inteiros no Spotify. Já ouvi centenas de vezes a "Ultra 7", mas todas estão muito boas.

Abraço!

Venancio Souza disse...

Excelente matéria!

Acompanho o trabalho da Kagaku Tokusoutai já a algum tempo e acho maravilhosa essa homenagem que eles vem prestando ás séries da Tsuburaya! O álbum Ultraman The Rocks foi muito bom, mas sinceramente este novo trabalho conseguiu superar pelo fato de estarem homenageando séries até então um pouco ''esquecidas''do público. Adorei como abordaram a melodia de ambas as músicas. Amei todas as faixas em especial á ''Yume no Hero'' e ''Redman'' a versão de Ultra 7 também está ótima!

Ao que parece evoluíram e muito como músicos. Simplesmente sensacional! Continue falando sobre a banda em seu blog e parabéns pelo excelente trabalho sempre. Abraços Nagado!

Alexandre Nagado disse...

Olá, Venâncio.

A Katokutai é uma banda que realmente me encantou. São artistas de grande talento e fico contente em poder divulgar um pouco o trabalho deles por aqui.

Sinceramente, não sei qual dos álbuns me agradou mais, pois ambos conseguem ser empolgantes.

Valeu, apareça mais vezes.
Abraço