domingo, 9 de abril de 2017

Dicas J-pop: Girl Power!!

Yuko Suzuhana, Polkadots Stingray, Emi Sonne, Split end e Regal Lily.
Do mainstream ao alternativo, vamos dar um giro pelo cenário musical japonês, focando em jovens e talentosas cantoras. Sons de alta qualidade, do pop ao rock. Confira!

YUKO SUZUHANA (Wagakki Band)
Yuko Suzuhana: Além da Wagakki Band, um
trabalho intenso em carreira solo.
A vocalista da performática Wagakki Band tem uma carreira solo onde ela faz um som mais ocidental e mostra sua versatilidade vocal. Yuko é cantora, compositora e pianista. É professora de shigin, um tipo de poema cantado que é uma arte tradicional japonesa. 

Na Wagakki Band, ela usa sua técnica a serviço do grupo. Em sua carreira solo, canta de modo mais solto, mostrando muita versatilidade e sua já conhecida potência vocal.

Yuko Suzahana - Uma das novas
divas do pop japonês. E com uma voz
que dispensa efeitos digitais.

Site oficial: yuko-suzuhana.jp

Canção: Cradle of Eternity (2016) ~ amostra

Esta é a canção que dá nome a seu primeiro mini-álbum, lançado em novembro de 2016. A produção já mostra que ela é tratada como uma das grandes estrelas da gravadora Avex.




Canção: Tenkuu no Saki e (天空の先へ, ou "Em frente, rumo ao céu") (2017)

Aqui, confira o trecho de uma canção lançada no último dia 5 de março. É o tema do animê Mobile Suit Gundam - Tekketsu no Orphans. O vídeo mostra somente um preview da canção, mas pelo menos é vídeo oficial da gravadora e não corre o risco de ser tirado do ar por violação de direitos autorais. 



*****************************
Polkadot Stingray [ ポルカドットスティングレイ ]
Polkadot Stingray:
Da esq. p/ dir.: Shizuku, Harushi, Yuuki e Kazuma
Banda ainda novata vinda de Fukuoka (terra natal de grandes nomes do j-pop), começou a divulgar seu trabalho há pouco mais de um ano. O vídeo da canção abaixo está promovendo seu primeiro mini-álbum, intitulado Dai Masayoshi, que será lançado em 26/04/2017. A formação traz Shizuku (voz e guitarra), Harushi Ejima (guitarra), Yuuki Uemura (baixo) e Mitsuyasu Kazuma (bateria)



Canção: Electric Public (2017)



*****************************
Split end 
Split end
Da esq. p/ dir.: Ionazun, Nanami, Misakii e Mii-chan
- Uma banda feminina que aposta no rock. O Japão tem uma longa tradição de bandas femininas, como Princess Princess, Shonen Knife e Scandal. Lost sea é o segundo single do grupo, lançado em agosto de 2016. 

O grupo é formado por Nanami (voz e guitarra), Ionazun (guitarra), Mii-chan (baixo e coro) e Misakii Nyosu (bateria e coro). Estão na batalha desde 2009 e ainda não tiveram sua grande chance. No clip de Lost Sea, a formação ainda era um trio, sem a segunda guitarrista. 


Site oficial: splitendnara.web.fc2.com

Canção: Lost Sea (2016)


*****************************
Regal Lily
Regal Lily (ou Reagal Lily)
- Da esq. p/ dir.:  Yukiyama, Honoka e Haruka
Eis um simpático trio feminino que faz um rock básico e animado. Se reuniram ainda adolescentes, em 2014, e parecem garotas bem comuns e desencanadas, além de fazer um som bem bacana. É formado por Honoka Takahashi (vocal e guitarra), Haruka Shiraishi (baixo) e Yukiyama (bateria). São muito jovens ainda, sendo que a baixista tem apenas 18 anos, e suas colegas, 19. A julgar pelo potencial demonstrado, ainda podem almejar o grande mercado.


Site oficial: regallily.jimdo.com

Canção: Rickenbacker (2016)




*****************************
Emi Sonne (Katokutai) with G-Summits 

Emi Sonne, ou Emi Okamoto: Quase coadjuvante na
Katokutai, ela brilha em carreira solo com um pop sofisticado.
- A graciosa Emi Sonne (ou Emi Okamoto, como é mais conhecida) é a tecladista da Katokutai, a banda que está dando o que falar com suas versões de temas da franquia Ultraman. Na Katokutai, ela canta eventualmente, mas tem um trabalho solo desde 2015. Aqui, mostra uma canção bem simpática, dentro do segmento J-pop alternativo, sendo acompanhada pelos parceiros do G-Summits

Os estilos pelos quais que ela transita são incompatíveis, mas esperamos que consiga conciliar os trabalhos. A música abaixo foi escrita por seu companheiro da Katokutai, o líder Hyouri Takahashi (que também mostra ter muito talento para o pop), junto com Madoka Aizawa


Canal oficial: Emi Okamoto

Canção: Koi no Shock Anchor Ai no G Crusher恋のショックアンカー愛のGクラッシャー」, ou "Âncora de choque do amor - Triturador G do amor" versão curta (2016)



E tem mais!
- Quer curtir mais vozes femininas de qualidade? Confira essas indicações que já rolaram aqui no Sushi POP:


4 comentários:

Usys 222 disse...

Boas indicações! E são de grupos que nunca vi, mas que têm bastante potencial.

Até dá para notar uns traços de shigin nas canções da Yuko Suzuhana, especialmente nos tons mais altos. Isso é bem aparente em Cradle of Eternity, embora nem tanto no Tenkuu no Saki e.

O bom é que os artistas e também as gravadoras estão cada vez mais apostando em vídeos pela internet, como canais no YouTube. E até com clipes inteiros para canções mais antigas. Pena que alguns têm trava de região. Tomara que seja um sinal de que as coisas estão mudando no Japão. Não dá mais para contar só com o mercado interno.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Mr. Usys!

Bem observado sobre o uso do shigin. A Yuko Suzuhana conseguiu a reputação e os fãs que tem na Wagakki Band, usando sua técnica tradicional. Não tem muito como deixar isso de lado. Ela também tem muito ataque na voz e isso é importante para cantar bem rock, sendo uma das artistas japonesas mais impressionantes a surgir nos últimos tempos. Espero que ela consiga lidar bem com as pressões do mainstream.

E eu sou daqueles que criticam muito a posição das gravadoras japonesas em sua visão de ficar proibindo vídeos. Espero que as coisas estejam melhorando. É o que barra o avanço do j-pop no ocidente. Nesse aspecto, o k-pop soube usar a internet a seu favor.

Valeu! Abração!

Bruno Seidel disse...

Opa! Quanta novidade bacana!

Eu já conhecia o trabalho da Yuko Suzuhana na Wagakki Band (onde ela divide a atenção com outros sete integrantes), mas não conhecia esse seu lado "independente" como compositora (as músicas da Wagakki também são composições dela)?

Curti a pegada divertida e animada da Polkadot Stingray, principalmente a performance da Shizuku no clipe Eletric Public. Ela aparentemente se destaca muito mais do que os demais integrantes do grupo (talvez pelo fato de cantar, tocar guitarra e encenar).
Também gostei do estilo rock 'n' roll da Regal Lily e me impressiona a idade das moças para tamanha qualidade! )0_0

A Emi Okamoto é mesmo uma joia rara! Um talento especial que merece todo apoio e admiração. E de pensar que na Katokutai ela é "só" a tecladista (mas que já ouviu ela cantando sabe do seu potencial). Mais um motivo para acreditar no sucesso exponencial e meteórico da banda, que vai muuuuuuito além do fan service.
Esse clipe dela com o G-Summit parece bem legal. Uma pena que a versão é curta e interrompida.

Eu concordo 100% com o que foi dito nos comentários acima e acho que contar somente com o mercado interno mais atrapalha do que ajuda, apesar da indústria fonográfica japonesa ser, como sabemos, a segunda maior do mundo.

Acho que os artistas japoneses têm muito potencial para arrebatar uma quantidade maior de fãs no ocidente. Os nomes indicados nesse post são ótimos exemplos para isso, além de outras cantoras talentosas que eu conheci aqui no blog, como a inconfundível chay, o quarteto Scandal (cujos vídeos foram removidos do post original) e a própria Wagakki Band.

Abraço!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Bruno.

Olha, a Wagakki Band começou a se projetar fazendo covers de canções criadas especialmente para vocaloids. Já vi algumas que são composições da Yuko, mas outros da banda também são compositores. E todos trabalham os arranjos. A voz da Yuko Suzuhana se presta a canções épicas e grandiosas. Acho que ainda veremos muitas coisas bacanas dela.

E a mentalidade japonesa com relação à divulgação de vídeos é um grande empecilho. Alguns são mais desencanados, enquanto outros têm gravadoras que ficam constantemente caçando vídeos postados no YouTube para pedir pra tirar. A Scandal é um caso desses. Desisti de ficar repondo vídeos deletados. Se a gravadora é contra promover elas fora do Japão, só temos a lamentar.

Que bom que gostou das indicações. Outra ocasião, farei mais.
Abraço!