domingo, 11 de dezembro de 2016

Concurso internacional de mangá premia talentos brasileiros

Cartaz com os principais vencedores. Os meninos desenhados
no topo são do maior vencedor, o brasileiro Yos.
O Silent Manga Audition é um concurso internacional de mangá sediado no Japão que parte de uma premissa interessante: criar histórias sem diálogos ou texto. Isso elimina a barreira de idioma e celebra a habilidade artística de se narrar bem uma história sem o uso de palavras, apenas usando imagens em sequência. As partes explicativas do site do SMA estão em inglês e com uma linguagem bem acessível. Quem tiver nível intermediário já consegue navegar e se virar bem. A ideia é facilitar o acesso de autores de várias partes do mundo. 

Em edições anteriores (veja matéria aqui), autores brasileiros já foram premiados e a mais recente lista de vencedores, divulgada no último dia 10, repetiu a dose.

O SMA é uma prova de que o mangá
é uma linguagem visual que extrapola
as fronteiras de seu país.
O tema desta vez foi "Childhood" ("Infância") e os autores foram desafiados e mostrar toda sua técnica e sensibilidade. "Forbidden" ("Proibido"), do autor brasileiro que assina YOS - pseudônimo de Clayton Silva, conquistou o Gran Prix - Runner Up, equivalente ao vice-campeonato, com uma deliciosa narrativa acerca de inocentes e marotas descobertas da sexualidade. E com um desfecho muito inspirado e divertido. Segundo os organizadores, acharam mais justo desta vez não eleger um campeão, um vencedor absoluto. Ainda assim, é de YOS a mais alta indicação dentre os selecionados.

Outros trabalhos publicados no site do concurso vieram da Itália, Espanha, Rússia, China, Argentina, Vietnã e Indonésia, entre vários outros países. As escolhas foram justificadas pelo júri, composto por nomes respeitados do mercado de quadrinhos no Japão, como Tsukasa Hojo (de City Hunter e Angel Heart) e Tetsuo Hara (de Hokuto no Ken).


Página de "Forbidden": As inocentes
descobertas da infância.
Em outra categoria, chamada Menção Honrosa, foi selecionado o trabalho "The Choice" ("A Escolha") do brasileiro Marcel Ibaldo, junto com Elton Keller. Nessa história, uma inocente caçada terá impacto na vida de um intrépido garotinho. 

Na categoria Prêmio dos Editores foi indicada a aventura de ação "Wanna Be a Legend!!!" ("Quero ser uma lenda!!!"), de Max Andrade. Anteriormente, Max já teve seu trabalho Múltipla Escolha, parceria com Marcel Ibaldo, divulgado aqui no Sushi POP. Na mesma categoria, brilha outra obra brasileira, a singela e trágica "The Ignorance is a Blessing", do autor WMachado.

The Choice: Uma caçada
decidindo o futuro
de uma criança.
Finalmente, na categoria Prêmio dos Candidatos, oito mangás nacionais escolhidos na primeira seletiva aparecem: "A Child Adventure", de Bruno Batista, "Forgive me Please", de Fabiano Ferreira, "Geist", de Felipe Sanz, "The Precious Childhood", de Juloyola, "Time and Love", de Masakiro, "Above and beyond", de melody+luan, "Smile Again", de Pablo Jesus Dias e "Trust", de Rhafael Porto. Todos com uma execução competente e uma narrativa clara e envolvente. O mais interessante é que, mesmo com a variedade de estilos gráficos, é perceptível a influência narrativa dos bons mangás. 

Os autores, especialmente os brasileiros, merecem os parabéns e a torcida por um futuro profissional de reconhecimento, pois suas qualidades técnicas e artísticas foram celebradas por um júri de especialistas do país do mangá. Vários talentos nossos foram aclamados, mostrando que os editores daqui precisam dar espaço e condições para que esses talentos sejam reconhecidos no próprio país. Qualidade não falta. 

É possível acessar todos os trabalhos vencedores no link abaixo: 
Sequência de "Wanna be a Legend!!!", de
Max Andrade. Nem tudo é o que aparenta ser.

O concurso oferece prêmios em dinheiro que chegam a cerca de R$ 17.000,00 e até viagens ao Japão. Mas de todas as honrarias, a principal é o projeto Master Class, que leva anualmente um grupo de 10 autores para fazer um curso no Japão e receber toda a assessoria para publicar na pátria do mangá. No grupo atual, que receberá sua premiação em Tokyo no dia 30 de janeiro de 2017, estão Max Andrade e YOS. 

Os autores que tiverem interesse em participar, a próxima edição irá encerrar inscrições em 31 de março de 2017. O tema desta vez é "Unforgettable Taste" ("Sabor inesquecível"). Em paralelo, já está correndo o prazo de inscrições do SMA EX2, o "concurso extra" do Silent Manga Audition, com encerramento em 15 de fevereiro de 2017. O tema é sobre a região de Kumamoto, bastante castigada por terremotos em abril de 2016. 

Pra quem vai participar, boa sorte! 


::: Regulamento e regras do SMA7 :::

::: Regulamento e regras do SMA EX2 :::

::: Guidelines for SMA Events :::
(Todos os textos estão em inglês.)

6 comentários:

Usys 222 disse...

Mais uma vez, quase eu me perco, de tão compenetrado que fico ao ver as obras. Todas são bem sofisticadas e desta vez existe bastante ação.

A Forbidden foi bem engraçada, com vários elementos do cotidiano que acontecem de fato. O desfecho foi hilário.

Como dá para imaginar, me comovi com Hero Box. Pois me lembrou bastante de minha infância em dois lados. É bem assim mesmo.

Fazer uma história sem falas pode parecer fácil, mas na verdade é um enorme desafio. Quem quiser participar tem que ter isso em mente. E o próximo tema tem um nível de dificuldade bem grande. Como expressar aquilo só com desenhos? Se bem que "taste" tem muitos significados.

Anônimo disse...

Olá Nagado, quem escreve é o Marcos.
Muito interessante este concurso.
É uma pena que não seja divulgado por nossas bandas pela "mídia de massa".
Os brasileiros estão arrebentando no mangá, hein?
E não é só no mangá que os brasileiros estão chamando a atenção dos japoneses em território nipônico. Assisti a uma reportagem pela Record (faz um tempinho) sobre um brasileiro que havia vencido, em primeiro lugar, uma competição de como montar um belo prato de sushi.
O Brasil tem que começar a olhar mais para estes talentos...

Estou até pensando em participar, mas não agora.

Até a próxima!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Usys!

As histórias trazem uma carga de sensibilidade muito grande. E os comentários são encorajadores, com alguns apontando coisas a melhorar, mas sempre de modo construtivo, positivo.

O número de brasileiros concorrendo deve ter sido bem maior que o de premiados, o que é um sinal de que tem muita gente boa fazendo mangá e buscando seu espaço para mostrar o trabalho.

Que um dia o nosso mercado editorial comporte dar espaço e remuneração digna para autores de quadrinhos, seja de que estilo for.

Abração!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Marcos!

Acho que, aos poucos, o SMA vai ficando mais conhecido pelo público brasileiro. Eu estou fazendo a minha parte, bem como o pessoal que tem divulgado este post. Temos que apoiar iniciativas assim!

Grande abraço!

RAFAEL HQ disse...

Obrigado nagado por sempre postar noticias sobre o sma e os brasileiros, é muito importante pra nos autores essa divulgação, mesmo que ainda existão pessoas dizendo que o que fazemos não é mangá de verdade pois o verdadeiro mangá é feito no japão por japoneses.

Alexandre Nagado disse...

Olá, Rafael. Fico contente por estar ajudando a tornar essa iniciativa mais conhecida em nosso país. É um trabalho de formiguinha, que aos poucos vai sendo notado.

E o mangá brasileiro é uma realidade. O Brasil foi o primeiro país a publicar influências do mangá em seus quadrinhos locais, ainda nos anos 1960. Tem tradição, embora nunca perpetrada devido às dificuldades de publicação constante.

Se fosse como os fanáticos pregam, futebol só poderia ser jogado por ingleses, jazz só poderia ser feito por americanos e por aí vai. E olha, falando em música, o Japão tem muitos bons músicos que fazem jazz e também a nossa brasileiríssima bossa-nova. A arte é universal.

Abraço!!