RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog ainda está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, Katokutai, Pinóquio de Osamu Tezuka, Danger 3, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

terça-feira, 12 de julho de 2016

Gesuotome e seu Hip Hop Progressivo

Gesuotome (Da esq. p/ dir.): Hona Ikoka, Chan Mari, Enon Kawatani e
Kyûjitsu Kachô: Hip hop progressivo
O cenário alternativo japonês é rico em som e estilos e as gravadoras estão sempre em busca de novidades. Existem selos de grandes corporações especializados em descobrir e investir em novos talentos. São os criadores de tendências, que não se preocupam com rostinhos bonitos e batidas fáceis. Uma das recentes apostas de uma grande gravadora - no caso, a Warner Music - atende pelo exótico nome de Gesu no Kiwami Otome (ゲスの極み乙女), ou "Donzela no limite do desrespeito".

A banda é formada por Enon Kawatani (voz e guitarra), Hona Ikoka (bateria e vocais), Chan Mari (teclado e vocais) e Kyūjitsu Kachō (baixo). Músicos habilidosos, criaram uma combinação meio maluca de rock, jazz e hip hop, que eles mesmo definem como "hip hop progressivo".

Gesuotome (leia "Guêssu otome"), como é apelidada, foi formada em 2012 como um projeto paralelo do cantor e compositor Enon, que também participa da banda Indigo La End. Para esse projeto, Kawatani convocou o ex-baixista da Indigo, o fera Kachô, além das garotas Chan Mari (banda Crimson) e Hona Ikoka (banda Microcosm). 
Gesuotome ゲス乙女: Do circuito alternativo para
uma grande gravadora, sem perder o estilo.
Os quatro se conheceram tocando na noite e criaram o projeto da Gesuotome como mera diversão. A dinâmica entre eles deu tão certo que lançaram um EP (de "Extend Play", geralmente com 3 ou 4 canções) em 2013. Depois, vieram mais 2 EPs, 4 singles e 2 álbuns. 

A banda já coleciona prêmios na indústria musical e integra o cast do selo Unborde, da poderosa Warner Music. Compositor talentoso, Kawatani conseguiu que sua outra banda, a Indigo La End, também fosse contratada na mesma época. 

No início de 2016, Enon Kawatani foi alvo de noticiários, quando saiu a fofoca de que ele - que era casado - estava tendo um caso com a cantora e apresentadora de TV Becky. Foi um escândalo na sociedade japonesa e, como é comum acontecer por lá, apenas a garota recebeu a culpa e a condenação da sociedade. Enon foi poupado de maiores constrangimentos, mas a vida de Becky virou um inferno, a ponto dela ter que pedir perdão à sociedade e ir às lágrimas na TV. 

A cultura japonesa é muito mais machista do que a ocidental e quando há um adultério, a culpa perante a mídia e a população, é quase sempre da mulher. Mas nesse caso, também não saiu barato para Enon. A Gesuotome estava escalada para fazer o tema musical de um animê de longa-metragem do personagem Crayon Shin-Chan, mas o contrato foi cancelado depois do escândalo. 


Hona e Enon, em cena do clipe de "Romance ga ariamaru".
Ruídos à parte, a Gesuotome ainda tem muito chão pela frente. Aparentemente, não buscam se promover perante o público ocidental (a começar pelo nome hermético), mas seu trabalho chama a atenção por serem músicos criativos e de alto nível. 

Os quatro possuem personalidades fortes e seu som único injetou novos ares no mundo do pop japonês, o J-pop. Nada mau para um projeto que começou como uma brincadeira entre amigos. 

"Killer Ball" (2013)


"Parallel spec" (2014)



"Romance ga ariamaru" (ou "Romance is to spare") (2015)




"Otonatic" (2015)



Site oficial: gesuotome.com

4 comentários:

Bruno Seidel disse...

Achei os clipes muito bem feitos!! Uma banda que esbanja talento mesmo.

Mas que loucura essa polêmica de bastidores, ein? Será que, no fim das contas, esse burburinho todo não ajudou a projetar ainda mais o grupo?

Uma pena que esse escândalo tenha acabado com os planos de colocá-los no rol de temas de anime, com o filme do Shin-Chan. Já pensou que legal seria. Fico até imaginando esse estilo musical como tema do anime, que combina perfeitamente com esse estilo "extrovertido" e até "brincalhão", com uma pitada de "algazarra".

Mas, pontos de vista à parte, essa discussão sobre escândalos de bastidores interferindo na carreira do(s) artistas(s) não é recente. O "caso do Aska", que já foi abordado aqui, é um dos mais memoráveis.

Ale Nagado disse...

Fala, Bruno!

A mídia japonesa, quando divulga um escândalo, o faz em grande estilo e o efeito muitas vezes é o fim da carreira dos artistas envolvidos. Acho muito desproporcional a forma como acontece lá, mas é outra cultura e os valores machistas ainda estão muito fortes na sociedade. Desta vez, o homem também foi penalizado e jamais saberemos como teria sido a entrada da Gesuotome no campo das anime songs. Mas certamente não faltarão convites para que eles trabalhem na trilha de alguma produção. Alguns de seus singles já venderam bem e o grupo tem um trabalho sólido e bem estruturado. Ainda vão longe, espero.

Abraço!

Usys 222 disse...

Eis um grupo bem irreverente, a começar pelo nome e usando palavras como "kuso". Mas as melodias são bem agradáveis, até com certa suavidade.

Os nomes artísticos dos membros são bem engraçados. Kyujitsu Kacho ("Chefe de Fim de Semana") ou Hona Ikoka ("Vamos lá", no dialeto de Kansai)... Isso mostra bem o clima de "brincadeira".

Foi uma boa indicação. Diferente do que estava acostumado a ouvir na música japonesa, embora conhecesse, por exemplo, os Bubblegum Brothers.

Ale Nagado disse...

"Vamos lá?" Que garota usaria um nome artístico desse? Ah ah, essa tinha passado batido, valeu o toque. Realmente, bem irreverentes. E eu acho bacana eles manterem isso. Virtuosismo instrumental, temas irreverentes, postura desencanada... Eis uma banda bem autoral e divertida.

A próxima dica terá uma pegada mais... épica. Espero que o pessoal goste.
Valeu, Usys!

Abraço!