RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog ainda está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, Katokutai, Pinóquio de Osamu Tezuka, Danger 3, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Shin Godzilla - A volta do Rei dos Monstros, segundo os japoneses

"O Japão contra Godzilla", diz
a frase no topo do cartaz.
O novo Godzilla japonês está
pronto para assombrar o mundo.
Godzilla, o mais famoso monstro do cinema japonês é um ícone pop mundial. Seu mais recente filme americano foi um sucesso e iniciou uma cronologia que ainda irá render filmes de grande impacto, como a continuação anunciada para 2018. Porém, isso não quer dizer que os japoneses não fariam mais releituras de seu lendário personagem cinematográfico. 



Seguindo em paralelo com a cronologia da Legendary Pictures, a Toho retomou a produção de Godzilla, encerrada em 2004 com o apocalíptico filme Godzilla Final Wars (disponível em DVD). O título internacional é Godzilla Resurgence, enquanto o título local é Shin Gojira (シン・ゴジラgrafado no modo silabário katakaná ao invés de um ideograma em kanji. Com isso, deixa-se em aberto o significado de "Shin", podendo ser "Novo", "Verdadeiro" ou até "Deus"

A aventura irá incorporar o senso de desespero e destruição que o país sentiu com a tragédia de 11 de março de 2011, o tsunami seguido de desastre nuclear. Com isso, a tentativa é a de recuperar o clima sombrio do filme original, dirigido em 1954 por Ishiro Honda, com efeitos especiais de Eiji Tsuburaya e produção de Tomoyuki Tanaka

O estúdio Toho Eiga irá combinar a tradicional técnica de maquetes e fantasias com muita computação gráfica, pois sabe que as comparações com o filme americano de 2014 serão inevitáveis. O teaser trailer não mostra se a icônica música-tema composta por Akira Ifukube para o filme original do monstro será aproveitada. 
O novo Godzilla tem a missão de ser visto como um
filme de ficção científica e terror, como foi o original de 1954.
A direção é de Shinji Higuchi, que esteve à frente dos filmes live-action de Ataque dos Titãs e também fez storyboards para animês como Evangelion, Giant Robo e outros. O roteirista e diretor-chefe é Hideaki Anno, de Evangelion. Higuchi e Anno já trabalharam juntos no aclamado curta-metragem O Deus Guerreiro Gigante Surge em Tokyo

Com Shin Godzilla, a Toho espera ganhar mais prestígio internacional. O visual do monstro é realmente assustador, mas os braços pequenos, no estilo tiranossauro rex, parecem estáticos e a figura parece "dura" se comparada com a versão de 2014. Mas as imagens de destruição parecem trazer um realismo sem precedentes no cinema japonês. 

A nova aventura irá estrear no Japão em 29 de julho, nos sistemas IMAX, MX4D e 4DX.
Fonte: Anime News Network

20 comentários:

Aniki disse...

Acredito que tem potencial para ser um bom filme, principalmente resgatando a característica de força da natureza. E também pode ser um bom exemplo onde pode se conciliar técnicas tradicionais de produção com CGI, desde que bem dosados.

Já vi gente imaginando que o filme venha para o Brasil, mas caso isso se realize creio que será via Netflix. E teria que encarar um possível novo vilão: limite de franquia de dados, tanto em fibra ótica como em conexão ADSL.

Usys 222 disse...

Hideaki Anno vai realizar um de seus sonhos!

O trailer ficou legal e mostra que vão usar bastante o 3D. Ia ser bom se passassem nos cinemas daqui também, para vê-lo com todo o seu potencial.

É impressionante o número de pessoas no elenco, publicado no site oficial. Entre os nomes, figura o de Seikou Senoo, o Metalder, provavelmente como figurante (4ª coluna da esquerda para a direita, 12ªlinha).

Mas nessa eu temo por mais uma polarização, como se já não tivéssemos o bastante. Desta vez "Godzilla Americano Vs Godzilla Japonês" com gente discutindo (brigando) sobre qual é o melhor. Não sei quanto a vocês, mas já estou saturado desse tipo de coisa...

Bruno Seidel disse...

Tomara que seja um baita filme mesmo! E é claro que as comparações com a versão estadunidense de 2014 (que me agradou bastante, diga-se) serão inevitáveis. A duabilidade do termo "shin" me parece interessante. Ambos os significados ("novo" e "verdadeiro") são apropriados.

Fiquei curioso também pra saber se o clássico tema do Akira Ifukube será reutilizada (ou adaptada) nessa produção. Seria bem legal e compatível com a "fidelidade" que os japoneses insistem em manter com Godzilla.

Já ouvi dizer que vem por aí um reboot do clássico crossover entre Godzilla e King Kong (made in USA, provavelmente).

Ahh! E sobre as chances do filme ser exibido no Brasil, concordo com o Aniki e até torço para que o Netflix faça as honras. Mas lógico que isso inevitavelmente esbarra nessa discussão sobre a limitação de dados pra acessar a internet. Se essa piada de mau gosto realmente for séria, eu quero mais é que um Godzilla da vida real venha dar umas bandas por aqui.

Rogério disse...

Boa noite Nagado,

Poxa, faz tempo que não comento.

Este trailer ficou muito bom mesmo.

Sobre o visual do monstro: é difícil competir com o foto-realismo dos efeitos em CGI das produções americanas, mas o visual do monstro ficou interessante.

Ale Nagado disse...

Fala, Aniki!

Eu não tenho muita esperança de que o filme venha passar em cinema em circuito comercial, mas não descarto que entre em algum festival. Acho que antes de Netflix deve sair em DVD/Blu-ray. Público pra isso tem.

A mistura de técnicas deve dar o tom, mas certamente vai pender mais para o CGI. Vamos ver, estou bem curioso pra ver o resultado, até pelos nomes envolvidos.

Abraço!

Ale Nagado disse...

E aí, Usys!

Então, poderemos ter uma ponta do Seiko Senoo. Não achava ele um bom ator quando assistia Metalder, era mais a simpatia pelo personagem e conjunto da obra do seriado.

Sobre essa rivalidade, com certeza vai aflorar de modo intenso. Já deve ter começado, aliás, pois até o Omelete postou o trailer. Vivemos uma era de polarização e intolerância, tanto na política quanto no entretenimento.

As torcidas Marvel e DC ficam se alfinetando de modo infantil e interminável. E deve rolar algo assim entre os Godzillas. Vão falar que o japonês parece monstro de borracha de Power Rangers e por aí vai. Esse tipo de discussão já encheu o saco das pessoas sensatas. Porque os insensatos - maioria absoluta na internet - adoram brigar por bobagem e ofender o gosto ou opinião alheia. Melhor fugir disso tudo.

Ainda bem que os leitores aqui primam pelo respeito e sensatez.

Abraço!

Ale Nagado disse...

Olá, Bruno!

Godzilla japonês sem a música clássica do Ifukube ia ser decepcionante. Mas eles querem dar uma renovada geral, então talvez não usem mesmo.

E estou com o pé atrás com esse papo de King Kong vs Godzilla. As proporções não batem, vão ter que dar um mega-upgrade no Kong para que ele possa ser páreo para qualquer Godzilla. Mesmo no filme clássico em que os gigantes se enfrentaram, os militares deram uma força para o King Kong. E vale lembrar que na versão exibida nos EUA, o Kong venceu. Na versão original japonesa, depois que o Kong vai embora, ouve-se o rugido de Godzilla, provando que ele estava vivo ainda.

Mas voltando ao filme, espero que venha para o Brasil, seja em qual formato for, pois estou bem curioso para assistir.

Abraço!

Ale Nagado disse...

Rogério, anda sumido mesmo!

Os Godzillas americanos (o atual e o de 1998) foram concebidos para parecerem críveis, orgânicos, com um senso de realismo. Os japoneses não têm essa preocupação, focando mais no design. Esse novo Godzilla japonês é muito mais um demônio saído de um pesadelo nuclear do que um animal de proporções colossais. De cara, já é bem mais assustador.

E com isso temos outro aguardado filme de tokusatsu ainda no primeiro semestre. 2016 está sendo realmente um ano especial para os fãs de tokusatsu.

Abraços!

Adelmo Veloso disse...

Mestre Nagado!

Não sou o cara mais indicado pra falar de Godzila, tendo em vista o fato de eu ter sido um dos quase ninguém que gostou daquele filme tosco de 1999! Essa versão de Holywood também não foi tanto assim de meu agrado, ainda mais sabendo que se trata de uma criação japonesa adaptada pelos americanos segundo o ponto de vista deles...

Não cheguei a assistir ao filme de Ataque dos Titãs, porque dei apenas uma olhada por cima e também não me agradei (ô cara chato). Mas farei um esforço pra assistir. Espero que essa nova versão seja show de bola!

Ah, comprei o Livro sobre a Revista Herói e tá muito bacana.

Até a próxima!

Bul mah disse...

Lembro que nos bons tempos os filmes do monstrão passava à tarde no Cinema em Casa. Eu vi todos. Esse sim é o verdadeiro Godzilla, aquele de 1998 era muito tosco, e o outro que saiu eu não vi, mas também não deve ser grande coisa. Realmente os bracinhos dele ficou um tanto travadão! Hahahahah ;)

Eduardo disse...

Apesar de gostar de tokusatsu, admito que eu sou bem ignorante quanto ao Godzilla. Ainda não assisti nenhum filme da franquia, mas pretendo fazê-lo em breve. De qualquer forma é bem legal ver o monstro voltando à ativa, ainda mais tendo na direção um nome importante como o Hideaki Anno. Quando eu assistir os filmes anteriores, eu vou ver esse novo filme.

Ale Nagado disse...

Olá Adelmo. Talvez Godzilla não seja algo pra você, mas recomendo que tente ver slgum filme da franquia. Mas há diferentes estilos, assim como em qualquer franquia.

Abraços!

Ale Nagado disse...

Oi Bul mah! Realmente, o SBT exibiu alguns longas do Godzilla. São divertido e previsíveis, sendo parte fundamental da cultura pop japonesa. Esse filme americano de 2014 eu ainda preciso conferir, pois parece bom.

Abraço!

Ale Nagado disse...

Olá Eduardo.

Da safra mais moderna do Godzilla, eu recomendo que tente ver o sério e grandioso Godzilla vs Biollante (de 1989) e o violento e insano Godzilla Final Wars (de 2004), até então o último filme do monstro feito pela Toho.

Abraço!

Ale Nagado disse...

Olá Eduardo.

Da safra mais moderna do Godzilla, eu recomendo que tente ver o sério e grandioso Godzilla vs Biollante (de 1989) e o violento e insano Godzilla Final Wars (de 2004), até então o último filme do monstro feito pela Toho.

Abraço!

Ale Nagado disse...

Olá Adelmo. Talvez Godzilla não seja algo pra você, mas recomendo que tente ver slgum filme da franquia. Mas há diferentes estilos, assim como em qualquer franquia.

Abraços!

Anônimo disse...

Olá Nagado.
Acompanho você desde a época da Herói (sim, sou velho). Descobri seu site agora e gostei bastante do seu trabalho. Siga em frente!!!
Então, vamos lá, quanto ao assunto "Shin Gojira nos cinemas brasileiros".
A Sato Company distribuiu o filme "O Mordomo de Preto" (Black Butler) a partir de março deste ano nacionalmente. Lógico que a distribuição ficou restrita a algumas salas e houve um espaço de semanas ou meses para a exibição entre um estado e outro. Mesmo assim, após dois anos da exibição em território japonês, o filme chegou aos nossos cinemas.
A Imovision está sempre trazendo os filmes de Hirokazu Koreeda para cá. "Depois da Tempestade" terá estreia nacional em 17/11 (felizmente minha cidade está inclusa), porém em salas fora do grande circuito comercial.
Por fim, há um filme coreano sobre zumbis estreando entre este mês e dezembro no grande circuito comercial (esta foi a notícia que mais me entristeceu, uma vez que poderia vir algumas das muitas adaptações de mangá para live actions "blockbusters" do Japão deste ano) por ter sido elogiado em Cannes.
Este último não tenho o mínimo interesse de assistir.
Com tantos (nem tantos assim) filmes asiáticos chegando aos nossos cinemas fora de festivais, será que não há ao menos uma possibilidade de o Grande G original de fábrica dar o ar de sua graça por aqui?

Ale Nagado disse...

Olá, Mr. Anônimo (qual seu nome mesmo?):

Fico sempre contente quando um leitor "clássico" aparece, pois me orgulha ter feito parte da revista Herói e dos primórdios do Omelete. Bom, eu diria que o Shin Godzilla tem chances enormes de sair direto em DVD/Blu-ray. Muitos filmes de Godzilla estão disponíveis em DVD no Brasil, inclusive o Final Wars, um dos meus favoritos. Para cinema, existe a chance de aparecer em algum festival, mas não creio muito que entre em circuito comercial. Há um público cativo para esse tipo de filme, mas a maioria do público vai ter preconceito contra a produção, não vai se sentir motivado a ver um filme só com atores japoneses e por aí vai. Por isso não creio que saia comercialmente, mas sim em algum festival.

Vamos aguardar e torcer, pois eu também quero muito ver esse filme.

Abraço! E apareça mais por aqui!

Anônimo disse...

Olá de novo, Nagado.
Grato por responder meu comentário.
Ah! Meu nome é Marcos, desculpe não ter mencionado (rs).
É, de fato, o grande problema do Brasil são os "haters" e o público que acha que cinema é somente Hollywood ou Europa.
Apesar de gostar de animes, tokusatsus, mangás e (alguns) doramas, com o passar dos anos fui cativado de fato pelo cinema japonês que não está restrito somente a adaptações dessas obras.
Por isso seria maravilhoso ver o Japão concorrendo em terras tupiniquins com Hollywood e Europa. É algo sadio, inclusive para variar o gosto do público jovem.
Um abraço e até a próxima!

Ale Nagado disse...

Olá, Marcos!

O cinema japonês é rico em estilos e abordagens e eu confesso conhecer pouco do cinema adulto japonês, não ligado à cultura pop. Sem dúvida, seria bom ver filmes japoneses chegando mais frequentemente ao Brasil, mas ainda bem que sempre aparecem filmes exibidos em festivais e no mercado de home video.

Abraço!