sábado, 28 de novembro de 2015

Bate-papo: Nostalgia e a questão "Passado vs. Presente"

Comparando gerações: Os dois volumes da coleção
Ultraman Hit Song History apresentaram
músicas e cenas dos Ultras de várias gerações.
Ás vezes me pergunto se estou ficando já cansado e chato pois não consigo acompanhar com entusiasmo as séries tokusatsu mais novas! Sempre vejo algo que me faz perder o interesse, seja a computação gráfica absurda, roteiros fracos, atores sem graça e etc... Mas quando assisto uma série mais antiga, por exemplo: UltramanUltraseven e outros dessa época, me empolgo muito e acabo por valorizar mais essas do passado do que as do presente. Até tento ver alguma série atual, mas desanimo... Muitos acham que isso é viver de passado, mente fechada etc... 

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Ismael dos Santos, Mestre dos Quadrinhos

Mestre Ismael e eu, em algum ponto do início dos anos 2000,
no Núcleo de Arte, minha segunda casa.
Olá, saudações! Peço licença aos leitores habituais deste blog para uma postagem extremamente pessoal. Na semana passada, perdi uma pessoa muito importante em minha vida. Seu nome era Ismael dos Santos. Cartunista, quadrinhista, artista plástico, escritor e, acima de tudo, um professor na mais pura e completa definição. Um mestre. E é sobre ele que falarei agora.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

CoCo - Idols com alma e talento

CoCo: Delicadas harmonias vocais e um pop singelo e honesto
Conheça a história do grupo CoCo, um grupo idol do final dos anos 80, com garotas talentosas e carismáticas. Sua trajetória foi típica para um grupo idol, mas fizeram um trabalho que tinha qualidade musical, com integrantes que se mostraram boas intérpretes. De quebra, saiba um pouco sobre o funcionamento dessa indústria de entretenimento das idols, um fenômeno cultural japonês.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Rei Arthur - O clássico animê

O mítico Rei Arthur, herói de um animê
clássico exibido no Brasil nos anos 80, no SBT. 
Um dos personagens mais conhecidos da literatura ocidental é o lendário Rei Arthur de Camelot. Unificador da Grã-Bretanha e líder da elite de cavaleiros da Távola Redonda, Arthur teve seu mais famoso registro literário no romance A Morte de Arthur, publicado em 1485. Foi escrito por Sir Thomas Mallory alguns anos antes, inspirado em relatos que datam do século XIII. Por sua história reunir vagas referências a fatos reais, misturados com criatividade, misticismo e lendas regionais, Arthur é uma figura mítica poderosa e que rendeu inúmeras interpretações, versões e adaptações para outras mídias, sendo um ícone da cultura pop mundial.

Entre as adaptações mais cultuadas, está o clássico desenho da Disney A Espada Era a Lei (1963), o filme Camelot (1981) do diretor John Boorman, e a ousada HQ americana Camelot 3000 (1982), da DC Comics. A lista é enorme e não podemos deixar de incluir nela a clássica versão em animê do Rei Arthur.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Recado aos leitores: Almanaque da Cultura Pop Japonesa ganha nova edição!


O Almanaque da Cultura Pop Japonesa é uma coletânea de matérias escritas por mim para a revista Herói, o portal Omelete e vários outros veículos de comunicação. O livro foi lançado em 2007 pela editora Via Lettera e chegou a ser indicado ao HQ Mix 2008 como Melhor Obra Teórica. Em 2010, passou por uma revisão geral, mas não chegou a ser reimpresso. Até agora. 

sábado, 7 de novembro de 2015

60 anos da revista de mangá feminino Nakayoshi

Capa da edição de novembro de
2015 da Nakayoshi: Mais
de 60 anos levando sonho e aventura
para meninas pré-adolescentes
Quadrinhos voltados ao público feminino formam uma importante parcela do mercado de quadrinhos no Japão. Já no início do século XX existiam títulos para meninas, e isso se consolidou na década de 1950, sendo que existem várias publicações para cada subdivisão desse nicho. Os mais populares são os shojo mangá, os quadrinhos voltados para meninas entre 12 e 18 anos.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Reflexões sobre o fandom da cultura pop japonesa

Olá, saudações. Este é daqueles posts mais pessoais e eu começo pedindo desculpas pela fala de atualização recente no blog. O tempo nem sempre colabora, mas vamos lá.

Não é muito do meu feitio entrar em polêmicas no reino dos fãs, o popular fandom, mas vira e mexe me pego incomodado com algumas coisas que leio. Então, reuni alguns itens pra dar um desabafo geral, listando, na ordem em que eu lembrava, de coisas que me incomodam ou preocupam no meio dos fãs de cultura pop japonesa. Na verdade, a maioria dos itens abaixo são coisas que existem em todo tipo ou categoria de fandom, mas vou me ater ao foco principal deste blog.

Cultura pop é entretenimento.
Tem que relaxar e curtir.
1) Autoafirmação

Adolescente (ou gente nem tão jovem) se autoafirmando com cultura pop é deprimente. É irritante ver certos otakus arrotando que "Pokémon e Naruto são formas de lixo comercial pra crianças". Aí, ficam exaltando as qualidades de seus títulos favoritos e se achando de uma raça intelectualmente superior e madura perante a vida. Menos, menos. Cultura pop é entretenimento, não tem que levar a ferro e fogo. E patrulhamento ideológico, cultural ou do gosto alheio é algo muito desagradável. 


Dá pra gostar de mangás seinen (p/ jovens adultos), de clássicos do Studio Ghibli e achar a Equipe Rocket (de Pokémon) o máximo. Eu, inclusive, adoro eles.