RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog ainda está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, Katokutai, Pinóquio de Osamu Tezuka, Danger 3, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Ataque dos Titãs como metáfora para a volta do militarismo japonês

Ataque dos Titãs: Uma inspiradora aventura pós-apocalíptica
ou um reflexo da situação política e econômica do Japão?

Um dos recentes sucessos do mangá é Ataque dos Titãs, publicado no Brasil pela Panini. De grande repercussão no Japão, o título já foi transformado em animê e agora ganha versão com atores. Com rumores sobre uma possível versão hollywoodiana, é a bola da vez entre as franquias da cultura pop japonesa.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

ZETMAN - A jornada de um herói sombrio


Atenção: Revista desaconselhável para menores de 18 anos.

No Japão moderno, Jin Kanzaki é um menino de rua que vive com seu avô e alguns mendigos em meio à opulência de Tokyo. Aparentando 8 ou 9 anos, ele tem uma estranha marca circular na mão esquerda e é extremamente forte e ágil, praticamente um super-humano. Jin usa suas habilidades para ajudar pessoas em apuros na esperança de ganhar recompensas em dinheiro, no que é repreendido por seu avô. O sábio homem tenta transmitir conhecimento e valores para o menino, que se mostra de uma ingenuidade inversamente proporcional à sua força bruta. 

terça-feira, 23 de junho de 2015

Bate-papo: Crise criativa nos quadrinhos japoneses

Os protagonistas de Bakuman e o desafio de criar
boas histórias e que também tenham apelo comercial
Gostaria que você falasse um pouco sobre os quadrinhos japoneses da atualidade, que pelo que eu vejo se rendem cada vez mais à mesmice e falta de bom-senso dos fãs mais alucinados. Nesse ponto, você acha que a coisa vai melhorar daqui a alguns anos ou vai decair de vez?
- Gabriel Silva

Olá! Bom, primeiro eu preciso deixar claro que não acompanho muito o que está saindo atualmente no Japão. E mesmo que estivesse, não há como acompanhar tudo, em todos os segmentos. Corremos o risco de ficar tomando como base somente títulos mais famosos e material mais ou menos recente que saiu por aqui. Ainda assim, dá pra tecer alguns comentários. 

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Chobits - Um mangá sob medida para a polêmica

Sucesso do grupo CLAMP volta
em edição para colecionadores
Atenção: Título desaconselhável para menores de 16 anos.

Em um futuro indeterminado, uma criação revoluciona a vida das pessoas, mudando drasticamente relacionamentos e formas de encarar o mundo. São os persocom, potentes computadores pessoais com uma grande diferença em relação aos tradicionais: são humanizados. E não fosse pelas orelhas enormes, seriam idênticos a pessoas reais, como andróides de última geração. 

Robôs extremamente avançados, os persocoms funcionam como companheiros, secretários ou servos de seus donos, assumindo funções de computador pessoal, o que inclui acesso à internet e a administração de rotinas domésticas. Há persocoms masculinos e femininos, alguns em miniatura e nem todos são humanizados, mas o grande destaque vai para as máquinas que emulam jovens e atraentes garotas. 

sábado, 13 de junho de 2015

Bate-papo: Influências americanas nos super-heróis japoneses

Super Giants (1957) e sua inspiração
mais óbvia: o Superman de George Reeves (1951).
Como você analisa o nível de influência dos super-heróis americanos nas séries japonesas? 
Bruno Seidel

Bom, uma coisa pra se ter em mente é que o gênero "super-herói" surgiu no Japão como decorrência direta do que acontecia nos EUA. O Superman foi criado em 1938 e começou a virar ícone mundial graças à sofisticada série animada de 1940, anterior à famosa série com George Reeves entre 1951 e 58.

No Japão, o primeiro super-herói propriamente dito apareceu em 1957 numa série feita para cinema chamada Super Giants

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Otome Road - O paraíso das garotas otaku


Em Tokyo, no Japão, existe um bairro que é considerado a "meca" do público otaku: Akihabara. Recheado de lojas de produtos eletrônicos, mangás, animês, garage kits, games, modelismo, pornografia e tudo o mais que os solitários buscam como hobby, é um local onde o público masculino é predominante. Mas há um lugar, ou melhor, uma rua com lojas repletas de mangás, games, animês, light novels e merchandising voltados ao público feminino. É a Otome Road

terça-feira, 9 de junho de 2015

Enigma - Mistério e suspense em mangá

Jovens com superpoderes
em um desafio mortal
Sumio Haiba é um estudante colegial com um dom especial. Ele é capaz de prever o futuro ao entrar em um tipo de transe onde adormece e sua mão se movimenta de maneira autônoma, fazendo anotações e rabiscos com visões de um futuro provável em um caderno. Sumio vive apenas com sua jovem mãe, uma hostess cheia de mistérios e segredos desde que seu pai desapareceu anos atrás em circunstâncias misteriosas. Logo, o mesmo destino acomete sua mãe e ela desaparece, deixando apenas uma mancha num elevador. 

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Ultraman X - O novo herói do Universo Ultra

Ultraman X: Visual arrojado
em uma nova aposta da
Tsuburaya Pro
O público japonês fã da longeva franquia Ultra está prestes a acompanhar as aventuras de Ultraman X, o mais novo defensor da Terra. 

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Gandhi - Uma biografia em mangá


“Os fracos jamais podem perdoar. O perdão é um atributo dos fortes”
- Mahatma Gandhi

Na primeira metada do século XX, um dos homens mais influentes no mundo ficou conhecido como Mahatma Gandhi. Líder político e espiritual (mas não religioso), Gandhi sempre pautou sua vida por ideais de igualdade, liberdade e, acima de tudo, a não-violência, com um pacifismo irrestrito e intocável. 

terça-feira, 2 de junho de 2015

Bate-papo: Séries japonesas pra ver no computador - Expansão do mercado?

GARO: Pegando carona em uma onda de
nostalgia, uma série japonesa de ponta será
apresentada oficialmente ao público brasileiro
Recentemente, tivemos a notícia sobre a vinda das séries clássicas de tokusatsu (Jaspion, Changeman, Jiraiya, etc), que fizeram sucesso na extinta Rede Manchete, e também a aquisição das séries National Kid e Garo para a Netflix, através da Sato Company. Pra você, qual a importância destas novas mídias de streaming/ on demand para a difusão da cultura pop japonesa (incluindo também os animês) no Brasil? Um forte abraço e sucesso!


César Filho 

Olá, César! Ainda não aderi aos sites de streaming, mas já assisti algumas coisas por esse sistema. A tendência desses sites é crescer cada vez mais, pela comodidade que oferecem, com a possibilidade de assistir séries do jeito que quiser, sem depender de horários em programação. Isso tem alterado a própria percepção do público sobre TV, e deve trazer mudanças a médio e longo prazo nas TVs por assinatura. 

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Steins; Gate

A jovem superdotada
Kurisu Makise, na capa de
Steins; Gate, com a arte
de Yomi Sarachi
A ideia de viajar no tempo é um tema fascinante que já inspirou grandes obras de ficção científica e fantasia, em todas as mídias. Criações tão distintas entre si como o livro A Máquina do Tempo, de H.G. Wells e a trilogia cinematográfica De Volta Para o Futuro. O assunto envolve tanto complicados conceitos científicos quando igualmente complexas questões filosóficas. Supondo que a viagem no tempo seja realidade um dia, quais os limites, por exemplo, de viajar ao passado para alterá-lo em benefício próprio? E a realidade na qual a pessoa vive, seria alterada de fato ou o ponto de mudança criaria um mundo paralelo divergente? E se, no final, tudo caminhasse para ter o mesmo fim, tornando inúteis quaisquer alterações sutis? Abordando essas questões de modo ágil e vibrante, chega ao Brasil o mangá Steins; Gate