RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog ainda está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, Katokutai, Pinóquio de Osamu Tezuka, Danger 3, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

O Outro Cão que Guarda as Estrelas

Um pequeno e inocente animal pode fazer
a diferença na vida de muitas pessoas
O Cão que Guarda as Estrelas é o título de um mangá de volume único lançado no Brasil em 2014 pela Editora JBC. Publicado originalmente no Japão em 2008 pelo autor Takashi Murakami, conta a singela e trágica história de amizade entre um homem e seu fiel cachorro, chamado de Happy. Fez sucesso, vendendo mais de 400 mil exemplares, ganhando prêmios e até inspirou uma versão live-action para cinema. Tudo isso incentivou a criação de uma continuação, produzida para a editora Futabasha Publishers em 2011, que chega agora ao Brasil pela JBC. Na verdade, não é bem uma continuação, mas sim um spin-off, uma obra derivada e produzida com grande sentimento. 

Assim, O Outro Cão que Guarda as Estrelas (ou "Zoku Hoshi Mamoru Inu") conta a história do cãozinho gêmeo do protagonista da narrativa original. Fraco e doente, esse outro animal é deixado para trás na mesma caixa onde Happy foi encontrado pela menina que o levou para casa. 
Uma idosa disposta a morrer encontra
alguém que precisa dela
O moribundo animal é encontrado por uma amargurada senhora. Ao ver que o filhote não deve viver muito, ela decide que a morte dele será o "sinal" para que ela também morra, cometendo suicídio. Mas as coisas não saem como o esperado e aquele valente cãozinho, cheio de amor e vontade de viver, inspira não só sua velha dona, mas também a outros, despertando solidariedade e aproximando as pessoas, numa corrente de energia positiva. 

A história do irmão de Happy divide espaço com outra, ainda mais tocante, que envolve um personagem coadjuvante do volume anterior. 

Em "O Cão que Guarda as Estrelas", Happy e seu dono, por um breve período de tempo, tiveram contato com um triste menino andarilho que dizia estar indo encontrar seu avô. Pois é a história desse menino, chamado Tetsuo, que ocupa a maior parte do volume. Filho de uma mulher egoísta e irresponsável, sua infância de abandono é de cortar o coração. 

Quando ele decide ir em busca de seu avô, de quem guarda calorosas lembranças, acaba encontrando a companhia de um cãozinho que estava rejeitado na loja de animais e iria ser sacrificado. Esse terceiro cãozinho é tão inocente e adorável quanto Happy e seu irmão, cujo nome só será revelado ao leitor no final do volume.


Tetsuo e seu companheiro de jornada.
Duras lições de vida.
A comovente história de Tetsuo é fortemente ligada ao enredo do mangá original, e Happy e seu dono fazem uma participação em flash back, dando um nó na garganta do leitor. Tetsuo, seu cão e seu avô acabam se encontrando com a senhora e o cão da história anterior, mostrando o que aconteceu com eles. Bem no final, um outro encontro com alguém do mangá original pode oferecer um gancho para um terceiro volume. Ou não, visto que do jeito como ficou, os dois volumes se complementam de forma brilhante. 

Takashi Murakami, homônimo de um famoso artista plástico japonês, é um autor de traço simples e muito eficiente. Mestre em contar emocionantes dramas humanos em narrativas curtas para depois interligá-los com maestria, Murakami é uma pessoa iluminada. Não apenas seus quadrinhos, mas suas mensagens de agradecimento mostram sensibilidade e nobreza. 

Os dramas apresentados em "O Outro Cão que Guarda as Estrelas" são fortes e intensos, o que poderia dispensar a leitura da obra original, mas muitas passagens, incluindo o final, perderiam todo o sentido. 

Então, se você ainda não leu "O Cão que Guarda as Estrelas", faça isso como um favor a si mesmo. E se já leu, prepare o coração para uma história cheia de ternura, drama e uma incontestável valorização de cada pequena vida. 

O Outro Cão que Guarda as Estrelas
Autor: Takashi Murakami
Editora: JBC
Formato: 14,8 cm x 21 cm, com 178 páginas
Volume único
Lançamento: Setembro de 2015 (Distribuição nacional)

Preço de capa: R$ 24,90
- Classificação indicativa - Livre

5 comentários:

Usys 222 disse...

Eis um mangá que parece ser fascinante. Tenho um tremendo fraco por animais. Será que ainda dá para conseguir o anterior? De qualquer jeito vou dar uma procurada.

Gosto dessas histórias que fazem chorar. É o tipo de coisa que me faz sentir humano. Percebo que ainda existe muita resistência por parte das pessoas a se deixar levar por esse tipo de emoção. Como se chorar fosse vergonha. Não deveria ser assim.

Ale Nagado disse...

Fala, Usys!

Sabe, eu meio que fujo de histórias tristes. De drama, já chega a da vida real. Porém, gosto de histórias escritas com sensibilidade sobre gente comum, seus sonhos e frustrações. É essa busca pela humanidade, tão esquecida hoje em dia. Então, quando me deparo com histórias como essas que formam a obra de Takashi Murakami, fico realmente tocado.

Há poucos autores como ele no mundo, capazes de tornar tão interessante histórias sobre "criaturas invisíveis" para a sociedade. A velha rabugenta, o menor infrator, o cãozinho que ninguém quer tomar conta...

Por isso recomendo a leitura dos dois volumes a qualquer pessoa, de qualquer idade.

Abraço!

Ale Nagado disse...

Ah, faltou comentar uma coisa, sobre o nome do irmão do Happy. A justificativa para o nome que ele recebeu foi a mesma de uma cachorra que eu tive. E isso me fez lembrar dela, que nos deixou já há alguns anos. Realmente, quem já teve animais de estimação e gosta de animais em geral, vai ler essa obra com outros olhos.

Até mais!

Mauricio disse...

Comprei os dois e achei excelentes, são obras muito sensíveis.
Não recomendado, claro, para chorões inveterados.

Ale Nagado disse...

Ah ah, boa, Mauricio.

Eu não sou do tipo chorão, mas fiquei com um nó na garganta quando li cada um dos volumes. O segundo tem um aspecto redentor e acabei gostando mais.

Abraço!