RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Tokyo Ghoul

Horror e suspense em uma
narrativa emocionante
Ghouls são demônios mitológicos árabes temidos por serem devoradores de pessoas. Uma variação dessas criaturas vive oculta na sociedade japonesa, especificamente em Tokyo, onde macabros ataques deixam com medo as pessoas que circulam à noite pelas ruas. 

Uma onda de assassinatos onde as vítimas são desmembradas e parcialmente devoradas é atribuída aos ghouls, que se alimentam de carne humana e fazem suas caçadas noturnas tanto para se alimentar como, em alguns casos, para se divertir. 


Ken Kaneki é um jovem universitário tímido e intelectualizado que está vivendo um momento emocionante em sua vida. Ele consegue marcar um encontro com a garota de seus sonhos, mas sua alegria é interrompida quando uma sequência de eventos desastrosos o deixa à beira da morte. Sua vida acaba sendo salva quando ele recebe um transplante de órgãos de uma pessoa que era, secretamente, da raça Ghoul. A partir daí, a vida de Kaneki muda drasticamente e ele passa a lutar contra instintos assassinos e uma fome que ameaça enlouquecê-lo. Ele não quer se tornar um ghoul por completo, mas já não é um simples humano. 

Esses seres de grande força e poder ficam com as pupilas vermelhas quando mostram sua verdadeira face, e Kaneki, no começo, fica com um olho vermelho o tempo todo, sendo obrigado a usar um tapa-olho para disfarçar sua condição. Mas voltando à faculdade, ele descobre que o perigo está em toda parte e passa a temer pela vida de Hide, seu melhor amigo e a única pessoa que o conhece de verdade.
As primeiras 10 capas de Tokyo Ghoul,
com o traço expressivo de Sui Ishida
Aos poucos, o jovem tem contato com outros ghouls que se revelam para ele e vai descobrindo que existem diferentes tipos deles, com códigos de conduta e até demarcações territoriais, além de ser acolhido por ghouls que procuram ajudá-lo. Aos poucos, vai aprendendo sobre sua nova natureza e os assustadores poderes que terá que aprender a controlar.  


Kaneki e sua forma Ghoul (versão animê):
Vivendo entre dois mundos
A saga Tokyo Ghoul (no original, Tokyo Kushu - 東京喰種estreou na revista para jovens adultos Young Jump (Ed. Shueisha) em 2011, gerando 14 volumes encadernados. Em 2013, teve o especial derivado Tokyo Ghoul: Jack. Sua continuação veio logo após o final da série original em 2014 e é intitulada Tokyo Ghoul: re, que já conta com dois volumes. 

No campo das light novels, os livros de leitura rápida ilustrados em estilo mangá, houve três títulos escritos por Shin Towada com artes de Sui Ishida. Já em animê, teve duas séries de TV de 12 episódios e dois especiais lançados diretamente para DVD/Blu-ray. Em 2015, Tokyo Ghoul também virou peça de teatro, com Kaneki sendo interpretado pelo jovem astro Yuuki Ogoe

O autor Sui Ishida tem um traço bem econômico que é extremamente eficiente tanto para ambientações quanto para caracterizações de personagens. Sua narrativa é muito boa, com uma dose de tensão e suspense que prendem a atenção do início ao fim. E as cenas de cotidiano do início passam a tranquilidade necessária para que o clima seja destroçado com o banho de sangue que surge nas páginas, praticamente pegando o leitor pelo pescoço. Sem dúvida, uma grande demonstração de técnica narrativa do autor, ainda que algumas cenas de ação fiquem confusas, mas nada que atrapalhe a experiência de leitura. 

Tokyo Ghoul é para pessoas de estômago forte, está na categoria do terror com muito sangue e desmembramentos, mas também é uma história sobre amizade e solidariedade. Tudo em meio a intensas batalhas e difíceis escolhas. Se você gosta de uma sangrenta história de terror que valorize o suspense, eis uma boa sugestão. 

Tokyo Ghoul
Autor: Sui Ishida
Editora: Panini Comics [Planet Manga]
Formato: 13,7 cm x 20 cm, com 224 páginas por edição
Total de volumes: 14
Lançamento: Julho de 2015 (Distribuição nacional)

Periodicidade: bimestral
Preço de capa: R$ 12,90
Classificação indicativa - Para maiores de 18 anos.

4 comentários:

Usys 222 disse...

Pelo visto esse mangá segue direitinho o manual da estética "chuunibyou": tapa-olho, força incontrolável, sendo que o personagem tem que se conter...

Sei que essa obra tem uma legião de fãs e ela me lembra um pouco Devilman. Especialmente a parte do protagonista ser um cara pacato, mas ficar mais agressivo depois de se tornar um Ghoul.

Fico realmente admirado com sua habilidade de contar a trama sem dar as surpresas. Tem uma que provavelmente vai pegar o pessoal desprevenido mesmo depois de ler a resenha.

Ale Nagado disse...

Fala, Usys!

Eu já fui mestre em dar spoiler. Quando eu falava de uma série na Herói, já dizia como acabava. Acho que em todas que eu fiz isso, ou já tinha passado em várias reprises, ou provavelmente nunca ia passar no Brasil. Mas hoje eu evito de todo jeito estragar surpresas que o autor arquitetou com tanto esmero.

Por ser também roteirista, acabei optando, ao longo dos anos, por fazer resenhas que fossem mais instigantes, que despertassem interesse na leitura (quando vale a pena, claro) sem estragar as surpresas. Acho que tenho conseguido.

Abraço!

Mauricio disse...

Olha, quando eu li a respeito da série, pensei: Ah, não! Mais uma série de vampiro? Passo.
(Pra mim, não tem muita diferença entre ghouls e vampiros)
Mas comprei no impulso um dia desses e não é que acabei gostando?
Pra mim, o manga tem um ritmo mais lento, mais intimista, de descobrimento desse mundo diferente, o que o diferencia de muitos mangas no mercado, meio corridos demais pro meu gosto.

Ale Nagado disse...

Fala, Mauricio!

Não sou lá muito fã de terror e passo longe de histórias muito sangrentas. Achei Tokyo Ghoul bem equilibrado, mas não sei se teria estômago pra ver o animê. A narrativa é muito boa e a atmosfera me agradou. Achei diferenciado entre outros de terror que andei vendo.

Abraço!