sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Turma da Tribo: Um gibi brasileiro em estilo europeu

HQ brasileira com sabor europeu
A linguagem das histórias em quadrinhos não representa apenas uma fonte de entretenimento, mas uma ilimitada ferramenta educacional e de comunicação. Isso tem sido reconhecido cada vez mais nos últimos anos, conforme vão aparecendo iniciativas governamentais para fomentar a produção nacional. Em Macapá/AP, um edital de literatura chamado Simãozinho Sonhador, da Secretaria de Estado da Cultura, selecionou um trabalho que deu origem a um gibi educativo. 

O projeto vencedor foi Turma da Tribo, uma produção de Gian Danton (roteiro) e Ricardo Manhães (arte).

Ambientado na floresta amazônica, o enredo mostra as valentes crianças de uma tribo indígena tentando proteger a mata das garras de um serralheiro inescrupuloso e seus ajudantes. Eles já derrubaram muitas árvores e estão decididos a derrubar ainda mais para aumentar seus lucros. Poti, Apoema, Toró e Baquara terão que usar toda a sua esperteza para tentar vencer os invasores de suas terras. Para ajudá-los na missão, uma figura do folclore nacional terá importância fundamental. 

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Toru Hirayama: Gestor de super-heróis

O Homem Aranha japonês e Kamen Rider V3:
Heróis com o toque de Hirayama, em
foto promocional da década de 1970.
Poucas pessoas sabem o que faz um produtor em um filme ou programa de TV. A função tem variáveis que dependem do profissional e das empresas envolvidas mas, em geral, um produtor age como um coordenador-geral, um gestor de produção. Ele estará envolvido com a escolha da equipe criativa (os responsáveis por roteiro, direção, trilha sonora, filmagens, etc) e também com o elenco. E muitos produtores criam personagens ou séries inteiras, ou então dão orientações sobre o que querem ver colocado em prática, mudando rumos durante a realização da obra (no caso da TV) para alavancar audiência. 

No caso dos heróis japoneses, também precisam, mais do que suas contrapartes ocidentais, equacionar os roteiros com a necessidade de apresentar veículos, personagens e acessórios que irão virar brinquedos. 


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Seleção musical: JAM Project e os heróis do tokusatsu

Fã cria tributo aos super-heróis
e monstros japoneses
JAM Project: Canções heroicas
Navegando nesta semana, descobri uma página no YouTube de um fã de tokusatsu chamado Đoàn minh Phát (parece que é do Vietnã, mas não sei como se lê o nome). O que me chamou a atenção foi a qualidade dos clipes que ele posta lá. 

Reunindo cenas de produções como Ultraman, Godzilla, Gavan, Flashman, Kamen Rider, Garo, Gokaiger e inúmeros outros, ele criou belos vídeos. Os primeiros e mais bacanas foram ao som do JAM Project, uma banda criada para resgatar o apelo de canções heroicas e vibrantes.

O resultado é empolgante. Confira: 

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Miki Matsubara - Estrela eterna

Uma vida breve, intensa e produtiva
As décadas de 1970 e 80 viram uma explosão de artistas de música pop no Japão. Era a época de ouro da chamada kayoukyoku (canção popular), a música jovem que antecedeu o pop mais ocidentalizado que se tornou o J-pop nos anos 1990. 

Tendo o Japão o segundo maior mercado fonográfico do mundo (perdendo apenas para os EUA), muitos artistas são testados e lançados no mercado, mas poucos conseguem durar além de alguns lançamentos. Essa indústria praticamente se formou na década de 1970 e havia muito espaço para novos talentos. Entre os artistas que apareceram naquela época, um nome de destaque foi o de Miki Matsubara, um grande talento que viveu pouco, mas com muito brilho e intensidade.


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Sensibilidade artística, cultura otaku e a polêmica de Miyazaki

Sketch de Hayao Miyazaki, um mestre na arte de contar
histórias fantásticas com gente real e sentimentos reais.
(Estudo para A Viagem de Chihiro, 2001)
Hayao Miyazaki é, provavelmente, o mais importante diretor de animê de todos os tempos. Famoso no mundo inteiro, seus trabalhos possuem um senso de encantamento que já o fizeram ser comparado a Walt Disney. Na verdade não há comparação, pois eles trilharam caminhos diferentes, sendo que Miyazaki é um artista genial, não um empresário e produtor visionário como foi Disney. Mas a comparação entre eles faz sentido se pensarmos que os nomes de ambos soam como uma grife de qualidade em animação.