quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Green Blood - A violenta Nova York das gangues

O assassino profissional
Grim Reaper, o terror para
quem entra em sua mira
Na segunda metade do século XIX, a cidade de Nova York era um lugar hostil, decadente e dominado por gangues. Roubos e assassinatos em plena luz do dia eram comuns e a polícia era dominada pela corrupção. 

Nesse mundo sombrio, na favela Five Points, vivem dois irmãos diferentes e unidos. O mais jovem é Luke Burns, um rapaz confiante e sonhador, capaz de sorrir em meio à adversidade, movido por altruísmo e esperança. Seu irmão mais velho, Brad, que o protegeu na infância, tornou-se aparentemente um sujeito acomodado, sem emprego e vivendo às suas custas. Mas nem tudo é o que parece. 



O que Luke não sabe é que Brad é secretamente um frio assassino profissional, o Grim Reaper, que trabalha a serviço da gangue Grave Diggers. Armado com uma baioneta (no caso, um revólver com um facão acoplado), Brad executa pessoas em troca de dinheiro, juntando quantias que ele destina para pagar detetives. Seu objetivo com isso é que seu pai seja encontrado depois de tantos anos desaparecido. Mas não há nada de fraterno nessa busca, pois o desejo de Brad é matar seu pai, movido por um profundo ódio e ressentimento. 

Os irmãos são imigrantes irlandeses que, por serem quase sempre católicos, sofriam muita discriminação por parte da maioria de religião protestante. Em meio a tudo isso, Luke e Brad sobrevivem com objetivos bem opostos; um quer sair de lá para uma vida melhor, enquanto o outro vive em harmonia com a degradação e a violência enquanto prepara sua vingança. 


Grim Reaper e seu rival, o
igualmente sanguinário
 Raymond Fitzgerald
Com roteiro e arte primorosos de Masasumi Kanzaki, Green Blood começou a ser publicado em junho de 2011 na revista para jovens adultos Young Magazine (Ed. Kodansha) e terminou em maio de 2013, com alguns hiatos em sua publicação semanal. Foram 49 capítulos, compilados em 5 volumes com cerca de 190 páginas cada. 

Dono de um traço rico em detalhes, o autor fez um extenso trabalho de pesquisa, tanto no aspecto visual de roupas, cenários e objetos, quanto no aspecto histórico. Referências e contextualizações aparecem várias vezes, mas sem prejudicar a fluência do texto, adaptado para o português pela experiente tradutora Drik Sada

O termo Green Blood é uma alusão aos irlandeses (que tem o verde como cor nacional) e a abordagem geral é similar à do filme Gangues de Nova York, de 2002. 

Leitura ágil e ao mesmo tempo densa, repleta de imagens fortes e impactantes, é material adulto no melhor sentido da palavra. 

- Green Blood tem formato 13,5 x 20,5 cm, com cerca de 190 páginas. 
- Total: 5 volumes. Preço: R$ 14,50 cada.
- Lançamento: Editora JBC
- Classificação etária: 18 anos.

- Distribuição setorizada: Em dezembro, nas lojas especializadas, e em janeiro nas bancas.

Nenhum comentário: