segunda-feira, 22 de setembro de 2014

O Cão que Guarda as Estrelas

Happy, um cãozinho que 
simboliza uma amizade
verdadeira e sincera
Uma bela história de amizade, sacrifício e companheirismo entre um homem e seu cão é o tema de um lindo mangá de volume único, que foi lançado recentemente pela Editora JBC



"Hoshi mamoru inu", ou "O Cão que Guarda as Estrelas" é uma obra dramática e repleta de poesia e encantamento. Conta a história do cãozinho Happy e seu dono (a quem ele chama de "Papai"), um homem rude, mas de bom coração, que se esforça para manter sua família, mas não consegue acompanhar a evolução dos tempos e mudanças nas pessoas. 

Quando se vê desempregado, doente e rejeitado pela esposa, o homem parte com Happy em uma viagem pelo interior do Japão, unindo e selando o destino dos dois para sempre. Pelo caminho, dificuldades não faltam, mas sobra otimismo ao dono de Happy. No ponto final da jornada, o céu de estrelas é o teto para o qual olham longamente.  

A expressão "cão que guarda as estrelas" é uma alusão às pessoas que sonham com algo que nunca irão alcançar. A trama principal se encerra rapidamente até, ocupando cerca de dois terços do livro. A segunda parte, "Girassóis" conta a trajetória de um assistente social que fica sabendo do triste destino de um homem e seu fiel cachorro e se lança ao desafio de tentar entender o que aconteceu com eles. A busca, aparentemente infrutífera, o leva a rever sua própria vida e confrontar seus arrependimentos. A segunda história presta homenagem à primeira e é tão boa quanto, formando um conjunto harmonioso.


Amigos sinceros e inseparáveis até o fim

Toda a narrativa da história principal é conduzida sob o olhar do cachorrinho e, mesmo com seu envelhecimento acelerado em relação aos humanos, o que se percebe é que ele vive, até o fim, com a mesma percepção inocente da vida, alheio à maldade e indiferença dos humanos. A trágica história de Happy e seu dono foi lançada no Japão em 2008 pela editora Futabasha, tendo vendido cerca de 400 mil exemplares, uma ótima marca para títulos adultos. Também virou filme live-action em 2011. Em diversos países onde foi publicado, ganhou elogios e prêmios merecidos. 

Takashi Murakami (não confundir com o famoso artista plástico de mesmo nome) se mostra um autor de mangá com amplo domínio da narrativa visual e com um desenho simples e eficiente, que se torna poderoso ao transmitir emoção e envolver o leitor. 

Ao final da leitura de Hoshi Mamoru Inu, experimentamos uma sensação de perda mas, ao mesmo tempo, percebemos que todos nós temos, em maior ou menor grau, um pouco de Happy e seu dono dentro de nossos corações. No fundo, somos todos cães que guardam as estrelas.


O Cão que Guarda as Estrelas
Autor: Takashi Murakami
Editora: JBC
Formato: 14,8 cm x 21 cm, com 132 páginas
Volume único
Lançamento: Setembro de 2014 (Distribuição nacional)

- Classificação indicativa: Livre

4 comentários:

Natália Maria disse...

Olá!!

Uma pena que esse título tenha saído somente para as grandes livrarias e lojas especializadas, restringindo assim o seu alcance (me incluo nessa).

Um cliente leu e disse ter se emocionado durante a leitura. Histórias envolvendo cachorros são sempre emocionantes. Ç_Ç

Percebi que o formato é o mesmo de Love in Socrates (que eu tenho mais não li ainda).

Quem sabe eu não compro ele em alguma ocasião?

Até mais

Ale Nagado disse...

ala, Naty!

Olha, eu na verdade fujo um pouco de histórias tristes (pois de tristeza já chega as da vida real), mas esse mangá me fisgou. De uma ternura desconcertante, os aspectos trágicos são balanceados com visões otimistas e uma condução que levam o leitor a reflexões profundas.

Leitura mais do que recomendada.

Abraço!

Bruno Seidel disse...

Quanto tempo você levou pra ler esse mangá?

Ale Nagado disse...

Fala, Bruno!

Sabe que eu não sei com certeza? Eu li a história principal de uma só vez. Depois fui fazer outras coisas e só mais tarde li a história complementar.

Acho que, juntando tudo, devo ter levado umas duas horas. Mas depois eu fico relendo trechos, revendo passagens... Mas é uma leitura rápida, direta e boa para quem quer uma história fechada e consistente.

Abraço!