quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Boletim 62 - Guardiões do mangá e do animê

Personagens de mangá e animê unidos
na batalha contra a pirataria
No último dia 28 de julho, teve início a mais ambiciosa investida japonesa contra a pirataria de mangá e animê pelo mundo. É o M.A.G. - Manga-Anime Guardians, que faz parte do portal Manga-Anime Here. O projeto M.A.G. consiste em uma campanha global de conscientização sobre os problemas da pirataria, especialmente na internet. 





Segundo seus organizadores, a grande perda de arrecadação devido à pirataria leva a uma diminuição nos investimentos na área de quadrinhos e animação e, consequentemente inibindo cada vez mais o surgimento de novos talentos. O Japão tem leis bastante duras contra a pirataria e ações esporádicas acontecem, o que já incluiu até a prisão de pessoas que haviam postado episódios de animês no YouTube, por exemplo. Na verdade, até o download de material pirata já pode levar alguém à prisão em terras japonesas. 

Antes do anúncio do projeto M.A.G., vários sites de download de mangás e animês, bem como sites com streaming de animês não-licenciados foram notificados para retirar todo o conteúdo que não esteja devidamente licenciado. Estima-se que o prejuízo causado ao Japão pela pirataria on-line esteja na casa dos 20 bilhões de dólares. Com as dificuldades pelas quais o país tem passado e com o reconhecimento de que o mangá e o animê são importantes para a economia japonesa, a ação tem apoio governamental e reúne quase todos os principais estúdios e editoras locais.
O lema da campanha:
Para todos que amam
mangá e animê

O projeto oferece, como incentivo ao produto legalizado, vários links onde se pode encontrar mangás e animês devidamente licenciados.

Para o início da campanha, foi produzido um vídeo de 2 minutos, onde inúmeros personagens aparecem agradecendo aos fãs que adquirem produtos originais. O projeto foi implementado pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão, que resolveu se envolver diretamente na questão. A consultoria é do Manga-Anime Anti-Piracy Committee, formado pelas empresas Aniplex, Studio Ghibli, Tezuka Productions, Toei Animation, Kadokawa, Good Smile Company, Kodansha, Sunrise, Shueisha, Shogakukan, ShoPro, TMS Entertainment, Bandai Namco Games, Pierrot e Bushiroad.

A ação, por enquanto, se foca em mangás e animês, mas é questão de tempo até que também atinja os sites que oferecem downloads não-oficiais de música japonesa (especialmente J-pop, J-rock e anisongs), doramas e produções tokusatsu

Site oficial: manga-anime-here.com 

Para saber mais:
Sobre pirataria, direitos autorais e a cultura pop japonesa (artigo)

13 comentários:

Bruno Seidel disse...

Não sei como funciona a legislação japonesa nesse quesito envolvendo pirataria, logo fico impossibilitado de tecer qualquer comentário sobre o assunto, pra não correr o risco de falar bobagem. Mas aqui no Brasil, sempre me posicionei a favor do livre acesso a qualquer tipo de conteúdo via internet e downloads clandestinos. Já baixei muito Tokusatsu e anime por debaixo dos panos e sem dor na consciência. Acho meio injusta essa lei que protege mais as empresas do que os verdadeiros pais dos personagens, que são os autores. Mas essa é uma discussão que iria acabar nos levando a temas ainda mais abrangentes como propriedade intelectual, abundância X escassez de recursos, interpretação da legislação, realidade de mercado, capitalismo...... Enfim, acho que não tenho direito de dizer "dou itashi mashite" pra esses personagens todos né?

Stefano disse...

Are-san.... há 1 problema... O Japão não sabe comercializar mangas e animes no ocidente....
Deixa nas mãos de 3ºs. Curiosamente a pirataria ajuda a divulgar muito mangás e animês.

Natália Maria disse...

Ok. Pirataria é sério mesmo e essa quantia não é baixa. Infelizmente, assim como outras pessoas eu acabo apelando para o produto pirata (fazendo downloads da ainda não questão deles a música) justamente por conta de não encontrar o produto com facilidade, tanto financeira como territorial. Ter o CD legalmente só em eventos que os artistas se apresentam (como fazer com vocaloid?)ou exportando (o que está mais caro do que se o produto fosse comercializado por aqui.

Eu sei que o foco ainda é animes e mangás (e felizmente já temos o meio legal de assisti-los online). Mas como você disse, é questão de tempo e eu, como apreciadora da música irei passar por maus momentos.

(ps: tenho alguns CD's originais)

Até mais

Ale Nagado disse...

Bruno e Stefano:

O que eu tenho certeza é que quem produz, quem cria, deve receber por isso. Artista não vive de vento e, se quer fazer disso uma profissão, tem que batalhar por boa remuneração. Todos querem consumir de graça, mas almoço grátis não existe.

Por outro lado, é lamentável que o Japão nunca tenha facilitado muito a distribuição internacional. A pirataria supre essa necessidade do mercado.

Espero que a longo prazo, iniciativas juridicamente e moralmente legais consigam levar ao grande público ocidental grande quantidade de títulos em diferentes mídias.

Por enquanto, quem sai perdendo é o público, mas torço para que algo bom saia disso tudo. E que o Japão realmente se empenhe em popularizar sua cultura pop.

Abraços!

Stefano disse...

"Por outro lado, é lamentável que o Japão nunca tenha facilitado muito a distribuição internacional. A pirataria supre essa necessidade do mercado. "
pois é... o Japão tá pisando na bola ! por falar em pirataria... nunca vi camelô vender DVD de animê...

"E que o Japão realmente se empenhe em popularizar sua cultura pop."

de fato... essa cultura pop é galinha dos ovos de ouro do Japão.

Ale Nagado disse...

Natália, a questão da música japonesa é ainda pior do que com mangá e animê. Quase nada sai oficialmente no Brasil. Que eu me lembre, só a trilha do Hi Hi Puffy AmiYumi e o cd da Tsubasa. E importar é caríssimo. Um CD saía por mais de 120 reais há uns 5 anos atrás. Hoje nem sei mais quanto ficaria. Ainda assim, em épocas de maior fartura, comprei dezenas e dezenas de CDs e singles originais. Hoje é impraticável.

Proibir o alternativo sem oferecer uma opção viável para o produto oficial é lamentável, mas não vejo melhoras pra essa situação. Sendo assim, espero que demore muito para que voltem seus olhos para o mercado musical. Que é muito, mas muito mais coeso (são poucas grandes gravadoras e todas filiadas à JASRAC) que o de mangá e animê e possui muito mais poder, controlando a vida de seus grandes artistas com mão de ferro.

Veremos os rumos das ações do MAG para ver como o mercado vai reagir.

Abração!

Stefano disse...

Are-san, li 1 livro sobre a história da 9ª arte ... dizendo que nos anos 90.. a explosão do mangá no ocidente tornou o mangá um rival dos comics em popularidade.

Ale Nagado disse...

Fala, Stefano!

O mangá realmente tomou o lugar dos comics na maior parte do mundo. Mesmo nos EUA, disputam o mercado palmo a palmo com Marvel e DC.

E eu já vi muitos DVDs piratas de animê, sim. Em galerias de grandes cidades, há inúmeros lugares que vendem DVDs piratas de animês para todos os gostos.

Abraço!

Stefano disse...

normal... os comics só querem viver de marvel e dc... aí se queimam... (clichê)... jpa o mangpa não se prende 1 tema.. por isso ganha público...
soube que os europeus consomem mais mangás que os brasileiros !

sobre DVD... aqui quase não vejo camelô vender dvd de anime...

Ale Nagado disse...

Stefano, sobre o sucesso do mangá na Europa, não saberia dizer em volume de vendas. Mas a Itália tem uma longa tradição em consumir mangá, animê e seriados tokusatsu. A França também tem grande espaço para personagens japoneses e já soube também que na Alemanha, Espanha e Inglaterra há muitos fãs de mangá. Mas não sei em termos de Europa em geral.

Abraço!

Stefano disse...

soube que italianos ganharam concursos de cosplay !

Stefano disse...

"O mangá realmente tomou o lugar dos comics na maior parte do mundo. Mesmo nos EUA, disputam o mercado palmo a palmo com Marvel e DC."

tem algum site que toca nesse assunto ????

Anônimo disse...

Velho porque vocês tão falando como se fossem tão ruins a Marvel e a DC, pois os desenhos orientais,você não podem comparar os dois, primeiro que os desenhos orientais ganharam fama pela diversidade e seus desenhos, já marcas como Marvel e DC a maioria dos personagens tem mais de 50 anos, e além disso a Marvel e a DC tiveram um mercado de maior lucro com series e filmes, diferente dos orientais que tiveram por causa do desenhos. Tudo bem, não gosto dos desenhos orientais e nem assisto mais, porém nunca neguei a popularidade de tal ou só mencionei defeitos.