sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Miki Matsubara - Estrela eterna

Uma vida breve, intensa e produtiva
As décadas de 1970 e 80 viram uma explosão de artistas de música pop no Japão. Era a época de ouro da chamada kayoukyoku (canção popular), a música jovem que antecedeu o pop mais ocidentalizado que se tornou o J-pop nos anos 1990. 

Tendo o Japão o segundo maior mercado fonográfico do mundo (perdendo apenas para os EUA), muitos artistas são testados e lançados no mercado, mas poucos conseguem durar além de alguns lançamentos. Essa indústria praticamente se formou na década de 1970 e havia muito espaço para novos talentos. Entre os artistas que apareceram naquela época, um nome de destaque foi o de Miki Matsubara, um grande talento que viveu pouco, mas com muito brilho e intensidade.



Uma cantora e compositora
como poucas de sua geração

Nascida em 28 de novembro de 1959, Miki Matsubara iniciou sua carreira musical em conjuntos obscuros, como Gurei e Yoshika Band. Como artista solo, estreou cantando "Mayonaka no door~Stay with me" (ou "A porta da meia-noite~Fique comigo"), em 1979, canção que se tornaria um grande sucesso. 

Com o tempo, seu lado mais autoral foi se desenvolvendo, e ela se tornou uma excelente compositora de melodias, criando sucessos para vários artistas. Em 1991, decidiu se afastar dos holofotes para trabalhar nos bastidores, destacando-se como uma autora bastante versátil. Além da música pop, ela fincou o pé no terreno das anisongs (os temas de animê e seriados). Tendo antes cantado músicas para os animês Dirty Pair e Gundam criadas por outros compositores, ela deixou sua marca autoral com canções poderosas, feitas para vozes fortes. 

Em Gundam 0083~Stardust Memory, escreveu a abertura Men of Destiny, cantada por MIO. Em 1998, assinou o tema de Ultraman Gaia, cantada por Kazuya Daimon e Masayuki Tanaka, com seu vozeirão operístico. Ambas as canções são tipicamente heróicas, com uma pegada roqueira empolgante. Infelizmente, uma grave doença impediria que ela continuasse criando sua arte por mais tempo. 

Miki Matsubara morreu aos 45 anos, vítima de câncer cervical, em 2004. Até hoje, suas canções são lembradas e interpretadas em grandes festivais, mantendo viva sua memória. 

Mayonaka no door ~ Stay with me (áudio)



In the room



 
The Winner (tema de Gundam 0083)



Confira um pouco do trabalho de Miki Matsubara como compositora:

Men of Destiny (MIO) [ao vivo]

Ultraman Gaia (Masayuki Tanaka e Kazuya Daimon) [ao vivo]

5 comentários:

Bruno Seidel disse...

Putz! Tão jovem e talentosa morrendo aos 45 anos?? Uma pena mesmo.

Ale Nagado disse...

Eu resolvi escrever sobre ela quando me dei conta que duas das minhas anisongs favoritas ("Men of Destiny" e "Ultraman Gaia") eram criações da mesma compositora. Daí, fui atrás de material dela e descobri muita coisa legal. Foi realmente uma grande perda. Mesmo vindo do pop e do jazz, ela sabia criar temas heróicos como poucos.

É isso, valeu por sempre participar aqui.

Abração!

JJ Marreiro disse...

Ainda bem que existem registros do trabalho vocal dela, canções são obras de arte que também eternizam seus artistas.

É muito triste quando a gente vê artistas com grande potencial e que nunca conseguem seu lugar ao sol. Brilhar como uma supernova é para poucos.

Ale Nagado disse...

Miki Matsubara deixou um grande legado, tanto como cantora quanto como compositora. Existem coletâneas no Japão de seus maiores sucessos. Mas como ela compôs para duas das maiores franquias do entretenimento japonês (Gundam e Ultraman), o público atual a reconhece mais como tendo sido compositora de anisongs. Mas não foi pouca coisa que ela conquistou como cantora, até resolver se afastar dos holofotes pra se dedicar à composição. Ainda acho que vou descobrir muito material bacana dela.

Abraço!

medgi agcur disse...

Não conheço sobre o cenário musical japonês, li esse post e achei a voz dela muito bonita! Triste saber que uma bela voz se calou tão cedo.