quarta-feira, 12 de junho de 2013

Kayoukyoku - O pop japonês clássico

Akina Nakamori: Uma das cantoras mais
representativas da explosão da música pop japonesa

na década de 1980.
The Checkers: injetando rock
na música popular japonesa
Kayoukyoku é um termo definido como "canção popular" e é como a música pop em geral era chamada no Japão até o fim da década de 1980. Mais livre e ocidentalizada em termos de arranjo do que as tradicionais formas da música enka, o kayoukyoku prosperou no gosto popular entre as décadas de 1950 e 80. Antes, já existiam canções de apelo mais juvenil nas letras, melodias, interpretação e arranjos desde os anos 1920, o chamado gênero ryuukouka

A música enka exige, além de apurada técnica vocal, uma postura mais solene, dramática. No kayoukyoku, buscava-se uma interpretação mais natural, ritmos variados (em geral, influenciado pelo rock e folk americanos, além dos Beatles) e temas mais próximos da juventude. É do kayoukyoku dos anos 1960 que veio uma canção icônica, a popular "Ue wo muite arukou", de Kyu Sakamoto, famosa no mundo inteiro com o título aleatório que ganhou na Inglaterra, "Sukiyaki". 

"Ue wo muite arukou" - Kyu Sakamoto em 1984, cantando seu maior hit. 
Ele faleceria em 1985, no fatídico acidente do Voo 123 da Japan Airlines, um dos maiores da História.

A década de 60 também viu nomes como The Peanuts, a dupla feminina que pode se considerada como as ancestrais das idols japonesas estilo AKB48. E ainda eram produzidas por ninguém menos que Hiroshi Miyagawa, autor dos temas do clássico animê Patrulha Estelar. Formada pelas gêmeas Emi (falecida em 2012) e Yumi Itô, a dupla também atuou no filme de tokusatsu Mothra (de 1961) e até se apresentou nos EUA nos anos 60, ficando na ativa até a metade da década seguinte. 




"Lover Come Back to Me" - The Peanuts nos EUA, se apresentando no programa Ed Sullivan Showsimplesmente o mesmo que projetou os Beatles ao mundo. 

Nos anos 1980, houve uma grande explosão de música jovem, programas de TV apareceram dedicados ao pop e a mídia abriu cada vez mais espaço ao segmento. 

Entre os grandes nomes da época, havia The Checkers, Masahiko Kondô - "Matchy", (que até esteve no Brasil nos anos 80)Akina Nakamori, Anzen Chitai, Seiko Matsuda, Hideki Saijo, Chage and AskaHikaru Genji, Princess Princess, Anri, Takako Okamura, Hidemi IshikawaTM Network, Mami Ayukawa, Hiromi Ota, Kahoru Kohiruimaki, Go Hiromi, Yuki Katsuragi, Wink... A lista de nomes consagrados na época é enorme, com vários em atividade até hoje. 

Em 1982, a cantora Mari Iijima estourou na paradas com o sucesso "Ai oboeteimasu ka?", tema do animê de robôs Macross (adaptado nos EUA como Robotech), espalhando o kayoukyoku/pop suave no campo das  anime songs, tradicionalmente formado por marchas heróicas e canções dramáticas. 

Nos anos 1990, houve uma ocidentalização mais intensa, uma forte entrada do pop americano, do rock britânico e música eletrônica ocidental e o kayoukyouku ganhou um rótulo mais moderno, o J-pop. Convém lembrar que o termo era mais usado no ocidente para se referir ao pop-rock nipônico, já que lá, muita gente usava apenas "pop" ou "pops" já nos anos 1980. 
Seiko Matsuda: Sensação dos anos
1980, continuou relevante nos anos 90
e está na ativa até hoje. 

Não há um ponto exato de mudança (até porque seria bobagem rotular de forma tão precisa) e muitos artistas kayoukyoku foram reclassificados como J-pop. Na verdade, são rótulos mercadológicos somente. 

O que é perceptível é que no kayoukyoku havia um clima mais ingênuo e arranjos tipicamente japoneses, com orquestrações mais tradicionais (com sopros e metais) combinadas com guitarra, baixo, violão, bateria e tímidos sintetizadores. Com o advento da geração J-pop, a orquestração deu lugar, cada vez mais, a sons eletrônicos, palavras em inglês (nem sempre correto) e pronúncia mais estilizada, com os cantores às vezes pronunciando palavras japonesas como se fossem estrangeiras. Exemplo: "futari" ("duas pessoas" ou mesmo "nós dois" no sentido de casal) é muitas vezes pronunciado "futali", só pra usar uma letra que não existe no Japão e dar um ar "ocidental" (ao menos é assim que acreditam). Nos anos 2000 o processo de ocidentalização e emulação da estrutura do pop americano se intensificou, mas ainda há espaço para os artistas vindos do kayoukyoku e outros que se inspiram neles. 

O que pode ser considerada a música pop japonesa mais autêntica e com sonoridades mais características, é realmente a da fase kayoukyoku. Abaixo, algumas faixas representativas do período mais brilhante do kayoukyoku, a década de 1980. 

"Ai - Oboeteimasu ka?" - Mari Iijima (tema romântico de Macross)



________________________________

"Saraba Siberia Tetsudou" - Hiromi Ota
Eis uma estrela dos anos 80 relembrando um de seus grandes sucessos em 2012. O tempo foi generoso e ela continua graciosa como sempre. 


________________________________

"Second love" - Akina Nakamori 
Uma idol que soube envelhecer e continua na ativa até hoje. 


________________________________

"Julia ni heartbreak" - The Checkers 
Jeitão de boys band, mas um conjunto vocal e instrumental de primeira linha. Esqueça o figurino brega e as dancinhas meio toscas. O som é de 1984, com muito rockabilly de qualidade evocando os anos 50, mas eles tinham muitas outras influências. 



Bom, vou ficando por aqui. Se bobear, posto 50 vídeos e aí o blog trava... Espero ter dado uma boa geral sobre o kayoukyoku. O assunto é bastante extenso e profundo, mas meu conhecimento é superficial, mais de apreciador do que de pesquisador. O post indica vários nomes, tem links aqui do blog e você pode descobrir muita coisa legal por conta própria navegando no YouTube. É isso. Divirta-se e até a próxima.

9 comentários:

Rogério disse...

Boa noite Nagado.

Ótima postagem. Bom saber as origens do chamado J-POP.

É curioso notar como o POP japonês (talvez assim como o ocidental) seguiu uma linha de simplificação (dentro da própria "simplicidade" da cultura de massas).

Partindo de uma música com influências ocidentais filtradas pela cultura local para algo industrial e em muitos casos mais pobre de espírito.

Mas acho que esta é em boa parte uma trajetória padrão na industria cultural.

Neste aspecto acho o fenômeno das vocaloids, estes ídolos pops sintéticos, interessante porque elas escancaram a construção do artistas como um produto da industria.

Nosso mundo já está cheio de cantoras POPs "reais" de vozes artificiais e sex appeal calculado que são construções de produtores.

Pelo menos a vocaloid tira a máscara do processo.

Rogério disse...

Ótimos vídeos. E estes figurinos anos 80 são o máximo. :D

Ale Nagado disse...

Você resumiu bem esse lance das vocaloids. São o ápice do conceito de idol pré-fabricada. E não correm o risco de dar uma escapadinha que vire escândalo sexual ou de cometer suicídio por não aguentar a pressão.

Abraço!

Kauê disse...

Da cultura pop japonesa, a música é meu calcanhar de Aquiles, é sempre bom aprender com quem entende mais do que a gente.

Gostei particularmente da música da Mari Iijima, até fui buscar a cena de Macross. Som e estética bem nostálgicos. http://www.youtube.com/watch?v=rKlkwvrLNMw

Você desistiu do Twitter ou só deu um tempo?

Ale Nagado disse...

Fala, Kauê, legal você aparecer por aqui. Macross foi, independente de qualidades da história e do design, uma grande jogada de marketing. E seus efeitos são sentidos até hoje. Sharon Apple, de Macross Plus (se não me engano), antecedeu em anos o fenômeno das vocaloids.

Sobre o Twitter, bem... ainda não decidi. Só sei que estou numa fase complicada demais e achei melhor me afastar de redes sociais. O Twitter eu posso reativar em até 30 dias. Até lá, verei o que faço.

Valeu por perguntar.
Abraço!

Leonardo Miyamoto disse...

Alexandre, quer dizer então que artistas como Momoe Yamaguchi ou Junko Sakurada também são kayou kyoku ou são simplesmente POP? Abraços, texto esclarecedor!

Ale Nagado disse...

Olá, Leonardo.

Elas estão na fase kayokyoku, mas também não é errado dizer que eram cantoras pop. Lembre que J-pop é uma definição que veio do ocidente pra rotular o pop japonês e que isso começou nos anos 1990. Em solo japonês, muitos já usavam o termo "pop" ou mesmo "pops" pra definir a música jovem, mais influenciada pelo ocidente.

E rótulos são mesmo complicados. Se pegar a banda Checkers, eles seriam kayokyoku, mas a influência deles era rockabilly, Beach Boys (banda americana pop dos anos 60) e reggae. Ou seja, nada oriental. Eu mesmo penso neles como uma banda J-pop ou, genericamente, uma boa banda de rock.

Abraço!

Victor Izidorio disse...

Ota Hiromi continua sendo uma das mais belas vozes do Japão. Não apenas com "Saraba Siberia Tetsudou" (de autoria do recentemente falecido Otaki Eiichi, que também gravou a música) mas em todo o seu repertório (composto em sua vasta maioria pelos hitmakers Matsumoto Takashi e Tsutsumi Kyouhei). A qualidade de suas interpretações não ficou apenas na década de 70.

Ale Nagado disse...

Tem toda a razão, Victor. Hiromi Ota continua sendo um dos grandes talentos vivos da música japonesa. Infelizmente, o visual de juventude é o que vende a música e por isso nomes como o dela não têm apelo para o público atual.

Obrigado pela participação.