segunda-feira, 31 de outubro de 2011

LEDD - HQ VIRTUAL GANHA VERSÃO IMPRESSA

Ledd: Da web para o papel
A série de HQ nacional Ledd, de J.M. Trevisan (roteiro) e Lobo Borges (arte), vem sendo publicada on-line desde 9 de julho e agora vai ganhar sua versão impressa, pela editora Jambô. Será uma encadernação com os primeiros quatro capítulos da saga, com 9 páginas coloridas especialmente para o impresso e 20 páginas de extras inéditos, com esboços, comentários e estudos. A iniciativa é louvável.

Sempre que posso ou sou solicitado, comento sobre a situação do mercado de quadrinhos no Brasil, que curiosamente parece bom para uns e ruim para outros, conforme comentei num texto polêmico para o site Ambrosia.

HQs on-line, ou webcomics, têm sido uma boa alternativa para publicação, mas não para se ganhar dinheiro. Por isso, o passo real no sentido de tornar Ledd um negócio sustentável economicamente é a versão em álbum. Afinal, nem o mais obstinado e apaixonado autor trabalha tanto de graça por muito tempo. E apesar das histórias já terem sido publicadas, o grande incentivo para os compradores é o prazer de ter o álbum na estante (pois os desenhos são melhor apreciados em papel do que na tela, sem sombra de dúvida) e poder curtir os interessantes extras, além das páginas colorizadas.

A aposta é ousada, o material tem qualidade e Ledd representa um novo sopro de vitalidade no sempre incerto mercado nacional de quadrinhos. Desejo sucesso, que os autores merecem. E estão tentando acertar, com um planejamento coerente e muito esforço.


LANÇAMENTO:
O lançamento oficial será no dia 11 de novembro, durante o evento 
FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), em Belo Horizonte/ MG. Depois, haverá uma maratona de lançamentos, que já tem confirmadas as seguintes datas e locais: Rio de Janeiro (RJ), dia 16 de novembro, às 19h, na Saraiva MegaStore do Botafogo Praia Shopping; e dia 18 de novembro em São Paulo (SP), 18h30 na loja de artes da Livraria Cultura da Av. Paulista. Outras datas ainda poderão ser confirmadas.


PARA COMPRAR AGORA:
O material está em pré-venda por R$ 19,90 e frete grátis no site da Jambô. Acesse aqui.


SITE OFICIAL: www.leddhq.com.br


EXTRA - Depoimento exclusivo:
E agora, uma cortesia para os leitores do Sushi POP. Pedi uma nota sobre bastidores para o roteirista J.M. Trevisan, que gentilmente respondeu. Confira: 



Nagado: Como é o processo de produção de LEDD? Mudou algo no método de trabalho desde o início, devido ao entrosamento entre os autores? 


J.M. Trevisan: O processo é longo, tortuoso e lento. É praticamente um milagre da internet, já que eu moro em São Paulo, o Lobo é de Recife e a editora tem sede em Porto Alegre. 

Normalmente eu faço uma outline (resumo) do roteiro do episódio em tópicos curtos, discuto com o Lobo, que faz as sugestões dele. Depois disso, escrevo o episódio, mando para o Lobo e ele esboça. Discutimos o esboço, peço alterações se for o caso e ele faz o lápis. Em cima do lápis, faço o letreiramento enquanto o Lobo artefinaliza. Acabando, ele me manda as paginas prontas e sugestões para as onomatopeias. No Photoshop eu aplico as onomatopeias e edito as imagens que tiverem necessidade. Depois fecho a diagramação, a página teaser do episódio seguinte e mando para o webmaster.

Há um entrosamento que facilita bastante, mas há também a confiança das duas partes, o que ajuda mais ainda. Não é fácil mesmo depois de quase um ano, mas ao menos é divertido. E vem dando certo!




quarta-feira, 26 de outubro de 2011

BOLETIM SUSHI POP - 12

Shonen Jump nos EUA: Migrando do papel para a web
SHONEN JUMP ALPHA – MANGÁ DIGITAL
A editora e distribuidora Viz Media irá lançar nos EUA a publicação digital Weekly Shonen Jump Alpha, trazendo Naruto, Bleach, One Piece, Bakuman, Toriko e Nura – Rise of The Yokai Clan. As séries serão lançadas em inglês com apenas duas semanas de defasagem em relação à publicação original no Japão, um recorde possível graças ao formato digital. A Jump Alpha estará disponível a partir de 30 de janeiro de 2012 em Vizmanga.com Viz Manga Apps (para iPod Touch, iPad e iPhone). Os interessados poderão se afiliar por uma taxa anual de US$ 25.99. Edições avulsas poderão ser “alugadas” por 4 semanas pelo valor de US$ 0.99.

A VIZ já anunciou que a publicação impressa da Shonen Jump nos EUA (que começou em 2003) será cancelada na edição de abril de 2012, a ser lançada em março. Na fase de transição, a empresa resolveu lançar edições de Naruto (já disponível) e Bleach no formato digital, para preparar os leitores para essa que promete ser uma grande revolução no mercado. Se a iniciativa vingar, pode apontar novos rumos para o mercado de HQs no ocidente. Fonte: SciFi Japan


GOKAIGER VERSUS GAVAN 

Gokaiger e Gavan: Encontro de
gerações e de
linhagens de super-heróis

A saga dos piratas espaciais Gokaiger, celebrada como a 35ª série de TV da franquia Super Sentai, tem feito história na Toei Company com seus muitos crossovers. Alguns, antológicos por resgatarem grandes personagens. A próxima aventura especial da equipe (direto em DVD e Blu-ray) irá trazer de volta uma outra grande linhagem de personagens, há tempos deixada de lado pelo estúdio Toei. Gokaiger vs Gavan irá unir o sexteto com o Policial do Espaço Gavan (ou Gyaban) em janeiro de 2012, época em que o herói de metal completa 30 anos de sua estreia. Gavan foi o precursor da trilogia dos Uchuu Keiji - ou "Policiais do Espaço" (completada com Sharivan Sheider) e, acima de tudo, iniciou a linhagem Metal Hero, os heróis blindados que fizeram a alegria da garotada no Japão por 15 anos. Mas oficialmente, as primeiras imagens anunciam apenas os 30 anos dos Policiais do Espaço. 



A franquia Metal Hero é especialmente querida pelo público brasileiro, que viu simplesmente 10 séries do gênero: Gavan (Space Cop), Sharivan, Sheider, Jaspion (que iniciou a invasão tokusatsu no Brasil ao lado de Changeman), Spielvan (lançado aqui como Jaspion 2), Metalder, Jiraiya, Jiban, Winspector Solbrain. O filme deverá mostrar o astro Kenji Ohba não só como Gavan, como também interpretando seus papéis em Super Sentai, o Denzi Blue (de Denziman) e o Battle Kenya (de Battle Fever J).



Boatos divulgados no blog JEFusion dão conta de que outros personagens da linhagem irão aparecer. Talvez até Jaspion apareça em algum momento, mas dificilmente na forma humana, já que o ator Seiki Kurosaki saiu do mundo artístico bastante ressentido e tem uma escola de mergulho em Okinawa, tendo deixado claro em várias ocasiões que não pretende mais ter contato com esse meio. Já Hiroshi Watari, que foi Sharivan e Spielvan (além de Boomerman em Jaspion), dificilmente ficará de fora dessa festa, já que ainda está na ativa e é muito ligado a tokusatsu. Aguarde mais informações.

AKB48 vai invadir o mundo das animações japonesas

AKB48 VIRA ANIMÊ 

O coral de modelos-cantoras-atrizes-dançarinas AKB48, uma das mais bem planejadas máquinas de fazer dinheiro da indústria pop japonesa vai invadir o mercado de animês. A série terá como chefe de direção Shoji Kawamori (Macross – Ai oboeteimasuka?, Macross Frontier, Aquarion), com design de personagens de Risa Ebata (Macross Frontier). A história irá focar em 9 integrantes, a serem escolhidas em votação. O sonho das meninas é ser uma ídolo lendária. Boa parte do público otaku já havia se rendido à sedução das garotas. Com a presença de nomes de peso do mercado de animês, a série poderá surpreender os críticos da banda.

Midori Kato e Sazae San:
42 anos fazendo
parte da vida dos japoneses

GOVERNO JAPONÊS HOMENAGEIA DUBLADORA

A dubladora Midori Kato (que completa 72 anos em 15/11) foi premiada pelo Governo Japonês através de sua Agência para Assuntos Culturais por sua contribuição na divulgação da cultura japonesa. 40 personalidades foram selecionadas e chama a atenção a escolha da dubladora.


Desde 1969, ela é a voz da simpática dona de casa Sazae-San, no animê mais popular de todos os tempos, inspirado numa tira de jornal que durou de 1946 a 1974, de autoria de Machiko Hasegawa. Sazae-San fala direto ao coração das famílias japonesas, não é um desenho tipo exportação e sua audiência é composta em grande parte por donas de casa. Com grande popularidade e longevidade, é geralmente colocada em uma categoria à parte dentro da indústria da animação japonesa e, por isso mesmo, muitas vezes esquecida e subestimada por pesquisadores e aficionados em cultura pop japonesa. Em outubro, a série (que é exibida pela TV Fuji) teve média de 19,2% de audiência, quase o dobro de One Piece (também da TV Fuji).


DICA DE BLOG:
TATISATSU

Para os aficcionados por tokusatsu, eis um blog com conteúdo bem diversificado, com vídeos, notícias e músicas relacionadas. Além disso, também reserva um espaço para divulgar produções alternativas ou independentes do Japão, ao invés de falar somente sobre as maiores franquias. E tem um grande diferencial, pois é feito por uma garota, a Tatiane Souza, grande fã e colecionadora de tokusatsu e cultura pop japonesa.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

BOLETIM SUSHI POP - 11

Concerto histórico: Em destaque (da esq. p/ dir.):
Isao 
Sasaki, Mamoru Miyano e 
Tomohiro Yamaguchi, líder do Voyager.
ULTRAMAN - CONCERTO COMEMORATIVO DOS 45 ANOS
Em 3 de dezembro, haverá em Tokyo o show Ultraman Family Concert, em comemoração pelos 45 anos da franquia. A voz poderosa de Isao Sasaki (Yamato, Metalder, Goranger, Ultraseven 99) irá abrilhantar o espetáculo de gala, que terá ainda o dublador e cantor Mamoru Miyano (a voz de Ultraman Zero), a banda Voyager e os atores Susumu Kurobe (Hayata, o Ultraman original), Koji Moritsugu (Dan Moroboshi, o Ultraseven), Ryu Manatsu (Gen Ootori, o Ultraman Leo), Shota Minami (o Rei/Reimon, de Dai Kaiju Battle) e Takeshi Tsuruno (Shin Asuka, o Ultraman Dyna).

O evento irá acontecer no luxuoso auditório da Fundação Cultural Kawaguchi Lilia. Para o público fora do Japão, resta esperar o lançamento em DVD/Blu-ray e fragmentos disso no YouTube, em algum ponto de 2012. 


A Princesa e o
Cavaleiro:
clássico absoluto
A PRINCESA E O CAVALEIRO EM DVD
Em 2012, a distribuidora Focus Filmes irá lançar em DVD, e com a dublagem brasileira original, a série A Princesa e o Cavaleiro (1967), uma das mais importantes criações de Osamu Tezuka. Serão quatro boxes de 13 episódios cada. Dos 52 que formam a saga completa, dois tiveram seu áudio em português perdidos e irão ganhar nova dublagem.

A versão brasileira original teve a direção do dublador Gilberto Baroli, que também dublou o vilão Satã e ainda, de quebra, teve que criar diálogos inéditos e de sua imaginação para justificar nada menos que 18 episódios cujos scripts se perderam quando a série foi importada. Veja algumas informações sobre esse clássico absoluto dos animês em matéria publicada em 2002 no portal OmeleteFonte: JBox.com.br



Akira a caminho de Hollywood
AKIRA EM CARNE E OSSO
Depois de abandonar oficialmente o projeto, a Warner Bros. talvez esteja retomando a ideia de desenvolver uma versão live-action do clássico mangá e animê Akira, obra máxima de Katsuhiro Otomo. Segundo a publicação estadunidense Variety, a ação será transferida de Neo Tokyo para New Manhattan, o que também implica a presença de um elenco ocidental para o filme, algo que os puristas reclamam, mas que era bastante óbvio que aconteceria.

Essa utilização de elenco ocidental, inclusive, foi duramente criticada pelo ator George Takei (o Cap. Sulu, de Star Trek), que apontou traços de racismo e preconceito na decisão recorrente de estúdios de Hollywood de colocar atores ocidentais como protagonistas de histórias originalmente protagonizadas por personagens japoneses. Outra informação da Variety dá conta de que o ator Garrett Hedlund (de Tron - O Legado) estará envolvido, mas não se sabe em que papel. Fonte: JEFusion



LOST HEROES: JOGO UNE ULTRAMAN, GUNDAM E KAMEN RIDER
A Banpresto irá lançar no Japão em 2012, o jogo Lost Heroes, que irá reunir heróis das populares franquias Ultraman, Gundam e Kamen Rider. O jogo será um RPG reunindo personagens clássicos e modernos das três linhagens unindo forças contra um inimigo comum. O jogo irá rodar, a princípio, somente na plataforma Nintendo 3DS.
Fonte: JEFusion




terça-feira, 18 de outubro de 2011

Garimpando músicas antes da internet


Por volta do final da década de 1980, encontrar músicas japonesas fora do circuito então bastante fechado da colônia japonesa, era tarefa difícil. Com a predominância do tradicional som enka entre os imigrantes e seus descendentes na época, música pop era bem difícil de se conseguir. Temas de desenhos e seriados (as anime songs ou anisongs), então, era algo quase impossível. 

Naquela época, comecei a frequentar algumas exibições de vídeo que aconteciam na escola de desenho Graphis, por conta de um grupo chamado Orcade (Organização Cultural de Animação e Desenho). Foi lá que comprei de alguns colecionadores minhas primeiras fitas cassete com músicas de animê. A maioria dessas trilhas sonoras era de produções desconhecidas para mim na época. Mas eu gostava da sonoridade (mesmo sem entender) e comprei algumas fitas.

Com o tempo, comecei a trocar material com outros colecionadores. Às vezes, era cópia de algum LP (os hoje raros e reverenciados “bolachões”) que algum parente do colecionador tinha comprado no Japão, cópia de outra fita cassete ou raramente, cópia de algum CD, lembrando que essa mídia digital começou a se espalhar somente na segunda metade da década de 1980. E eu ainda conseguia algumas coisas de um modo bastante pitoresco.

Eu tinha um velho toca-fitas que tinha um plugue que, além de ligar em vitrolas, por sorte era do tamanho da entrada de fone de ouvido que havia na TV da minha casa. Ou seja, eu conseguia gravar em fita cassete o áudio da TV. Daí eu fazia uma operação rocambolesca: alugava fitas VHS japonesas (duramente procuradas) na locadora da Casa Ono de Pinheiros (bairro da zona oeste de SP, capital, onde eu morava). Depois de plugar (hoje diríamos "conectar") os aparelhos, dava “pause” na fita quando chegava no ponto em que eu queria começar a gravar e depois clicava no “rec” do toca-fitas. Depois, tinha que dar "play" ao mesmo tempo no videocassete. E ficava atento para dar "pause" no momento exato, pra gravação cortar no ponto certo. Tudo analógico e com algum chiado, claro, mas era assim que eu gravava temas de abertura. Lembro como eu ficava contente conseguindo esse tipo de material. Depois, ainda ficava criando minhas próprias “playlists” copiando as fitas para outras.

Somente na metade da década de 1990 eu me habituaria a comprar CDs originais japoneses, que eu comprava na loja de importados Haikai, que existe até hoje no bairro da Liberdade (e faria coletâneas melhores em cassete, muito antes dos gravadores de CD). Quem só ouve música que baixa de graça na web e se entedia rápido com o que tem, jamais saberá a sensação que tínhamos naquela época de garimpar raridades. Não que fosse melhor. Era diferente, muito mais limitado, demorado e bastante ingênuo.

Quem pegou a época de ficar pausando fita no ponto pra começar a gravar e ficar torcendo pra música caber quando ia chegando no final, sabe a sensação que só posso descrever aqui. Não tenho saudades, mas é extremamente divertido relembrar essas coisas com quem viveu a época. Enfim, outro dia, logo depois que escrevi a postagem Garimpando raridades, fiquei com vontade de comentar essa passagem divertida da época em que eu tentava colecionar as coisas que gostava numa época sem internet e sem acesso à informação de modo fácil.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Sempre em frente - Uma lição de vida com Ami Sano

A cantora Ami Sano, um
exemplo de vida e otimismo
Ami Sano é uma jovem com sonhos como qualquer pessoa no mundo. Nascida em 6 de abril de 1990, veio ao mundo como uma portadora de deficiência, não tendo braços e apenas uma perna, que pouco se desenvolveu. Não foi abandonada ou renegada pelos pais. Pelo contrário, foi criada com amor e incentivo e tornou-se uma pessoa cheia de força de vontade e alegria de viver.

Ainda adolescente, foi cheerleader na escola, algo inimaginável para alguém com mobilidade tão reduzida. Sem poder dançar como as outras meninas, era incentivada a animar as demais com seu sorriso e voz. 



Em 2010, lançou seu segundo livro, Akiramenaide ("Não desista"), que tem até versão em coreano. Começando carreira como cantora, é agenciada pela gravadora Teichiku Entertainment e sua música de estreia é “Aruki tsuzukeyo”, algo como "continue caminhando", ou adaptando de modo mais coloquial: “Sempre em frente”. A canção foi lançada em junho deste ano em um single com duas canções e três versões para karaokê. A música também saiu no álbum "Akiramenaide", lançado simultaenamente. O clipe, que pode ser encontrado no Youtube, mostra cenas de sua  infância mescladas com imagens atuais, e é impossível não se emocionar com as imagens da criança sorridente que encara de frente sua difícil vida e se torna uma moça que busca ser feliz.
Todas as letras são de sua autoria, com as melodias e arranjos a cargo de Takashi Tsushimi, veterano produtor e compositor que já trabalhou com grandes nomes do cenário musical japonês, como Akina NakamoriTokio, Hironobu Kageyama, V6 e muitos outros.

Certamente, Ami Sano tem condições, ainda mais no país onde vive, de possuir próteses mecânicas ou robóticas para se locomover, ficar em pé e parecer normal. Porém, ela se mostra como é, dando uma lição de vida, de esforço e perseverança. E também de luta contra preconceitos.



Se você se sente cansado e estressado (como eu tenho ficado muitas vezes), lembre dessa pessoa tão jovem e com tanto a ensinar. Não é pieguice, muito menos piedade ou aquele sentimento de se sentir aliviado por ter gente com alguma condição pior que a nossa em algum aspecto. É questão de olhar para um grande exemplo e se inspirar nessa verdadeira heroína. 


Como ela mesmo diz: "Sempre em frente". 



Dia desses, recebi a um e-mail com uma tradução e adaptação aproximada da letra, que compartilho aqui:


Aruki Tsuzukeyou (Keep Walking)
Letra: Ami Sano / Melodia: Takashi Tsushimi



Com duas pernas, eu quero caminhar, quero correr
Com dois braços, eu quero ficar de mãos dadas e abraçar.

São coisas simples, que qualquer um consegue fazer, não é?
São coisas tão pequenas, mas que eu não consigo fazer.
Mas.... tudo bem se eu acreditar, não é?

Que a felicidade um dia certamente baterá à porta  daqueles que se esforçam....
Com meu coração, continuarei a caminhar.
Colocarei minha alma nesta caminhada.

Eu vou me esforçar, então, por favor, você não desista também.
E vamos continuar a caminhar
Com duas pernas, eu quero caminhar, quero correr

Com dois braços, eu quero ficar de mãos dadas e abraçar.
Sinto-me mortificada, meus sentimentos úmidos pelas lágrimas.
Não consigo aceitar e sinto-me mortificada com isso.

Mas... tudo bem se eu acreditar, não é?
Que aqueles que mantêm um sorriso, com certeza chegará um dia em que irão perceber que apenas o fato de estar vivo já é maravilhoso.

Com meu coração, continuarei a caminhar.
Colocarei minha alma nesta caminhada.
Eu vou me esforçar, então, por favor, você não desista também.

E vamos continuar a caminhar.



Site oficial:
www.teichiku.co.jp/artist/sano-ami/



Compre na Play-Asia: 


quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Garimpando raridades - Animage Sing Songs

Animage Sing Songs: Uma raridade
numa época de pouco
acesso a publicações japonesas
O advento da internet trouxe muitas facilidades para todo tipo de interesses. No campo da cultura pop japonesa, a oferta de material na web é gigantesca, mas antigamente tudo era mais complicado de se obter. Para quem nasceu conectado, baixa vídeos, músicas e encontra tudo o que gosta com alguns cliques, é difícil imaginar a vida de fã de alguma coisa então obscura mais de 20 anos atrás. 

Por volta de 1990, eu estava revirando algum sebo de quadrinhos no centro de SP (capital) em busca de algo novo ou interessante. E encontrei o pequeno livreto cuja capa, cuidadosamente remendada ao longo dos anos, estampa esta postagem.

Com formato de 18 x 21 cm e 66 páginas, tinha as primeiras coloridas em papel couché e o restante em p/b em papel jornal). Era a edição de agosto de 1987 de Sing Songs, um encarte da revista Animage (Ed. Tokuma Shoten), tradicional publicação sobre o universo dos animês e afins. A capa, de cores berrantes, entrega a década em que foi produzida, mesmo que não aparecesse a data. 



Eu pouco sabia ainda sobre anime songs (apesar de curtir várias), conhecia pouca coisa além do que havia passado no Brasil e muito menos sonhava em escrever sobre o assunto. No entanto, eu já frequentava exibições de animês, garimpava fitas VHS mofadas em locadoras da colônia japonesa e até comprava fitas cassete com trilhas sonoras de um conhecido que vendia, nas exibições do grupo ORCADE, no Centro Cultural da Rua Vergueiro.

Encontrar por acaso uma publicação sobre anisongs (palavra que eu desconhecia) foi muito legal, deu uma sensação de ter descoberto um pequeno tesouro perdido em um sebo que não era de revistas japonesas. Algumas músicas destacadas lá eu tinha ou viria a conseguir depois, mas não sabia sequer ler as letras para acompanhar as canções ou mesmo entender os créditos das músicas. O destaque eram os temas de séries da temporada, como Zillion, Metalder, Maskman, Orange Road, City Hunter, Sukeban Deka, Esper Mami, Hokuto no Ken e outras, cada uma ocupando uma página cada com as letras das músicas e cifras para violão. E havia fotos dos cantores pra acompanhar, o que foi o grande chamariz para a compra. A maioria eram cantoras jovens, ou melhor, idols deslumbrantes (ainda mais para um garoto de 19 anos) e tinha até um ranking com as 100 anisongs favoritas da época (também com todas as letras cifradas), mais um guia de acordes para violão e guitarra.

Ah, sim, como eu mencionei, o livrinho era encarte de uma outra revista e não poderia estar sendo vendido separadamente naquele sebo. Porém, eu não liguei pra isso, até porque estava barato. Sem referencial de preço (pois o livro era brinde), o dono do sebo chutou um valor baixo, já que provavelmente ia ser difícil vender um livrinho com letras de músicas quase desconhecidas no Brasil. Mas pra mim, naquela época, eu estava comprando uma pequena raridade. 



ABERTURA DE SPT LAYZNER - A FAVORITA DO PÚBLICO EM 1987
Aoki Ryuusei (Cometa Azul) SPT Layzner foi um animê de robôs produzido pela Sunrise entre 1985 e 86. Sua abertura original, "Meros no you ni", do grupo Airmail from Nagasaki, aparecia em 87 como sendo ainda a favorita dos leitores da Animage. 

Hoje esquecida pelo grande público, foi um grande sucesso de seu tempo e é um precioso registro da década de 80. Divirta-se. 

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

BOLETIM SUSHI POP - 10

ULTRAMAN SAGA O longa-metragem Ultraman Saga, que havia sido anunciado para fevereiro de 2012, foi reprogramado para 24 de março de 2012. O último filme não fez grande bilheteria ao concorrer na disputada temporada de Natal no Japão e a Tsuburaya preferiu lançar seu novo filme em uma época mais neutra. O filme terá versões em 2D e 3D. 
Mas a grande notícia para os fãs brasileiros é que Susumu Kurobe, o Hayata, voltará para se transformar no primeiro Ultraman. Aos 72 anos, ele irá interpretar o icônico personagem, sendo o recordista no Japão a viver um mesmo personagem por tanto tempo (desde 1966).
Agora no campo das especulações, é difícil que outros atores clássicos não apareçam, ao menos um pouco. E provavelmente, o dublador de Ultraman Zero, o badalado astro Mamoru Miyano, será oficializado como o rosto humano do herói. Ele apareceu como alter ego humano de Zero num stage show recentemente e deve finalmente aparecer se transformando na nova aventura. Sobre esse novo filme, pouco tem sido divulgado, mas a julgar pelo alto nível das últimas produções, tem tudo para empolgar fãs de várias gerações.


ULTRA ZONE
A novidade bizarra da temporada é a estreia de um programa só com monstros clássicos do Universo Ultra. Não será uma aventura, e sim um programa de variedades. Haverá um segmento cômico, com monstros vivendo uma situação em ambiente humano. 

Monstros  conhecidos vão aparecer fazendo atividades como se fossem pessoas comuns. Outro segmento irá apresentar contos de mistério com monstros, talvez algo semelhante ao cultuado Ultra Q (1966), série que precedeu o primeiro Ultraman. Não dá pra saber o que esperar do programa. Ultra Zone estreia dia 16 de outubro (domingo), na TVK do Japão, às 23h00. Depois, começa a estrear em diversas emissoras locais pelo país.

De aventura pra valer mesmo neste ano de aniversário de 45 anos da franquia, somente a minissérie em dois volumes Killer The Beatstar, com Ultraman Zero e seus aliados. O material sai direto em 
DVD e Blu-Ray, com lançamento no Japão em 25 de novembro (volume 1) e 22 de dezembro (volume 2).



Sakurai (à esq.) e Kobayashi,
os líderes da Bank Band
AP BANK FES´2011 
No 21 de outubro, das 18 às 22h00, a TV Fuji do Japão irá transmitir o evento Ap bank fes´2011, encabeçado pela Bank Band. As apresentações originalmente foram feitas entre 16 e 18 de julho para arrecadar fundos para a reconstrução das áreas destruídas pelo triplo desastre de 11 de março, o terremoto seguido de tsunami e acidente nuclear.

A Bank Band, unidade de shows da entidade financeira filantrópica Ap Bank, é formada pelo cantor e guitarrista Kazutoshi Sakurai (do Mr. Children) e pelo tecladista Takeshi Kobayashi (ex-My Little Lover e produtor do Mr. Children), com um grande time de músicos talentosos.

A lista de convidados é grandiosa, incluindo Mr. Children, Cocco, Aska
My Little Lover, Kazumasa Oda, Shikao Suga, e outros, formando um dos maiores concertos beneficentes já realizados no Japão. A Bank Band normalmente se envolve em campanhas sobre fontes de energia renováveis e sustentabilidade, mas depois da tragédia de 11 de março de 2011, voltou seus esforços para ajudar as regiões afetadas e seus sobreviventes. 

RANMA 1/2 VIRA FILME LIVE-ACTION
Em dezembro, o famoso mangá Ranma 1/2, de Rumiko Takahashi, irá ganhar uma versão live-action de longa-metragem, para exibição na TV. A história sobre o lutador amaldiçoado  que se transforma em mulher quando se molha terá um elenco encabeçado por Kenta Kaku e Natsuna, as versões masculina e feminina de Ranma, respectivamente. No Brasil, Ranma foi publicado pela editora e livraria Animangá de modo irregular, ganhando sua "edição brasileira definitiva" pela Editora JBC.



O blog Sweet Sugar reuniu fotos dos atores centrais de Ranma 1/2 e os personagens que irão representar. Confira aqui

Sobre a onda de mangás sendo cada vez mais adaptados para J-Dramas (e cada vez menos para animês), o blog Maximum Cosmo publicou um artigo que recomendo:
De Novelas e de Adaptações