7_Visual_Kei CDJapan

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Reflexões sobre mangá e animê, por grandes mestres

Frases de grandes nomes do mangá e do animê, pra inspirar e fazer pensar

Olá. Antes de mais nada, feliz Ano-novo! :-)
Estou retomando agora as postagens do Blog Sushi POP. E vamos começar de modo inspirador, com pequenos trechos de uma publicação que faz parte do meu acervo pessoal de pesquisas.

Em 1997, saiu nos EUA pela Cadence Books o livro Anime Interviews, uma coletânea de entrevistas com autores de mangá e animê consagrados que foram publicadas na revista Animerica entre 1992 e 97. Em suas páginas, preciosas declarações de respeitados profissionais.

É interessantíssimo até hoje para saber como pensam grandes artistas das indústrias de mangá e animê.


Selecionei e traduzi algumas frases que achei muito legais e que podem servir para ideias e discussões entre entusiastas, pesquisadores, profissionais e fãs.

Leia, reflita e, se quiser, comente. 
“Mangá é uma mídia visual. Então as pessoas podem pensar que a arte é o aspecto mais importante. Mas na verdade, a história é muito mais importante. Uma série de belas imagens não faz um mangá.”Buichi Terasawa, autor de mangás (Space Adventure Cobra, Midnight Eye Goku, Karasu Tengu Kabuto)

“Fazer parecer ao leitor como se (uma história) pudesse ter acontecido na vida real é provavelmente a melhor situação pela qual um autor de mangá poderia esperar.” –
 Ryoichi Ikegamidesenhista de mangás (Crying Freeman, Mai – A Garota Sensitiva, Sanctuary)
“Um artista basicamente desenha mangá para comunicar uma ideia para outros. A ideia não será comunicada se o trabalho é compreensível somente para seu criador... Eu acho que o sentido do mangá é se fazer entender por tantas pessoas quanto for possível.”Kosuke Fujishima, autor de mangás (Oh My Goddess!, Taiho Shichau zo)


A principal criação de Kosuke Fujishima,
um autor cujo traço e narrativa
evoluíram muito ao longo dos anos.
"Acho que a função da animação é melhor atingida quando um trabalho tem um sabor diferente do mangá original, mesmo que esse mangá e o animê dividam o mesmo universo." - Kosuke Fujishima


"Do meu ponto de vista como o criador original, o fato de que eu não posso controlar todo esse universo é algumas vezes muito frustrante." - Yoshiyuki Tomino, diretor de animês (Gundam, Ideon, Dunbine, Xabungle, L-Gaim) [Nota: Tomino criou o conceito básico de Gundam e dirigiu vários clássicos da saga, mas os créditos oficiais de autoria são para Hajime Yatate, pseudônimo do estúdio Sunrise, detentor dos direitos e rumos da franquia.]
“Meu sonho de infância definitivo é dirigir um filme live-action. Algumas vezes eu acho que só estou fazendo mangá porque eu não posso fazer filmes.”Yukito Kishiro, autor de mangás (Gunm)
“Eu nunca confio no que dizem as pessoas da indústria... Se eles soubessem sobre o quê estão falando, os negócios cinematográficos (no Japão) não estariam em declínio como estão.”Hayao Miyazaki, diretor de animês, proprietário do Studio Ghibli (A Viagem de Chihiro, Ponyo, Meu Vizinho Totoro)
Entreter um grupo de pessoas não é melhor ou pior do que entreter uma única pessoa e fazer desse indivíduo alguém feliz.” Hayao Miyazaki 
 “Eu acho que mangá é sobre sentimentos, sobre ter medo, felicidade ou tristeza. A respeito disso, eu acho que somos todos iguais.” – Rumiko Takahashi, autora de mangás (Ranma ½, Inu-Yasha, Urusei Yatsura, Maison Ikkoku)

9 comentários:

Takamura disse...

Nossa, frases memoráveis aqui.
Muito bom!

Alexandre Nagado disse...

Realmente, cada frase dá margem para longas divagações. Alguém se habilita a comentar alguma específica?

Patrick Raymundo disse...

Olá! Feliz 2012! Achei interessante a visão do Kosuke e da Rumiko, porque são visões que se complementam. Mangá é uma forma de expressar uma ideia/sentimento e deve ser acessível ao que lê. Essa é a base da comunicação: transmitir uma informação de maneira que o receptor entenda a intenção do emissor. Tem uma expressão que diz que "texto culto é aquele que se faz entender por muitos" e isso se aplica a textos, quadrinhos, filmes, ou seja, toda a forma de se expressar! :)

P.s.- Nossa, eu fico impressionado como o traço do Kosuke se transformou com o tempo!

E. Modanez disse...

Histórias são feitas para entreter e transmitir alguma mensagem - ou até mesmo várias mensagens - Mas concordo com vários autores, principalmente com Terasawa, quando diz que o Mangá é uma mídia visual, e a arte (apesar de ocupar a maior parte) não é a mais importante.

Gostaria de aproveitar a frase de Fujishima e aplicar ao universo ocidental, pois várias histórias podem dividir o mesmo universo.

Alexandre Nagado disse...

Patrick, realmente o traço de Kosuke Fujishima melhora cada vez mais. E sim, Rumiko Takahashi e ele sentem o mangá como uma linguagem universal.

Modanez, a colocação do Fujishima sobre adaptações eu vejo assim: Uma versão animê pode ser um mesmo prato (um sushi, por exemplo), com ingredientes e sabores diferentes, mas sem deixar de ser o que era. O que Hollywood normalmente faz é pegar um prato japonês (como um temaki) e tentar transformar em um hamburger, mas sem mudar o nome. Aí o pessoal reclama, como temos visto.

Abraços e feliz 2012 a todos!

Rafael Taira.Poneis. disse...

feliz ano novo. ótimo texto e traduções. essa frase da rumiko takahashi é muito boa pode mostrar que qualquer um pode se identificar com um mangá se for pelo sentimento do autor. O miyazaki na segunda frase diz algo q q faz sentido q mesmo agrando a 1 ou a um grupo o anime não deixa de ser ruim. muitas fazes boas.
Vc já postou no seu blog alguma coisa sobre os mangás de Shotaro Ishinomori?

Alexandre Nagado disse...

Feliz ano-novo, Rafael. Uma postagem reunindo essas frases era algo que eu queria fazer faz tempo. Acabou sendo ideal pra começar bem o ano.

Sobre o Ishinomori, não sou conhecedor de sua obra em mangá, apenas de modo superficial. No blog Maximum Cosmo há vários textos sobre mangás de Ishinomori, a maioria assinados por Felipe Onodera, o maior especialista em Ishinomori que já conheci. Veja na busca do blog:

http://www.interney.net/blogs/maximumcosmo

Abraço!

Diego Guzzi Felix da Silva disse...

A frase do Terasawa e para mim a mais importante, pois nao so serve para os mangas e animes como serve para cinema e teve na qual varias imagens sem uma boa historia tornam-na frustrante e nao e a toa que a maioria das pessoas se voltam para os livros, poismesmo os piores livros tem uma historia mais consistente que muitos filmes que tentam se sustentar pela imagem sem ter uma boa historia.

Stefano Barbosa disse...

Achei legal o fato do mangá e animê conseguir se firmar nos EUA (uma potência em HQ e animação). Acredito que essa aceitação se deve por causa extrema popularidade de produções orientais (japonesa,chinesas, coreanas etc etc) em geral.