RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Tofu Kozo - O menino tofu


Estreou no Japão no dia 29 de abril de 2011 o animê Tofu Kozo (ou "O Menino Tofu"), uma animação totalmente digital com uma atmosfera encantadora e intrigante. Baseado em um livro de Natsuhiko Kyogoku, a produção conta a história de um youkai – espécie de espírito mitológico japonês – no período Edo, que durou entre março de 1603 e maio de 1868.

Tofu Kozo é filho do grande e temido líder dos youkai, mas não consegue assustar ninguém por ser muito gracioso. O apelido vem do pratinho de tofu que ele sempre carrega, algo ligado à lenda que o originou. Ele seria um menino fantasma que entrega a viajantes famintos um pedaço de tofu mortal e que deveria ser bastante temido. A história fala sobre inocência, pureza e a dura jornada de crescimento do personagem. O longa chegou aos cinemas japoneses com versão normal e em 3D e ficou em sétimo lugar nas bilheterias em sua semana de estreia. 

A produção envolveu grandes nomes da indústria. A voz do pequeno Tofu é de Kyoko Fukada, atriz famosa em seu país por filmes como Kamikaze Girls e Yatterman. A trilha instrumental ficou com o S.E.N.S. Project, uma dupla de música instrumental new age. Além de dramas, filmes e documentários, eles também assinaram a trilha do animê xxxHolic, inspirado em mangá do estúdio CLAMP. A música-tema ficou com a banda feminina Scandal, que está em grande ascenção na mídia japonesa. Mas o grande nome nos bastidores de Tofu Kozo é o do diretor Gisaburou Sugii, um dos mais importantes e respeitados da indústria do animê.


O diretor

O diretor Gisaburou Sugii
Nascido em 20 de agosto de 1940 em Shizuoka, no Japão, Gisaburou Sugii começou como desenhista na Toei Animation. Sua estreia foi também a estreia do estúdio, com o longa para cinema Hakujaden (“A lenda da serpente branca”, de 1958). O título, que chegou a ser lançado no Brasil em VHS como “O panda e a serpente mágica” marcou o início da produção comercial de animação no Japão, inaugurando oficialmente o mercado. 

Em 1963, foi animador e diretor de episódios de Tetsuwan Atom (o icônico Astro Boy), de Osamu Tezuka. Ao longo das décadas, trabalhou em obras de grande renome, como os longas de Touch, baseado em mangá de Mitsuru Adachi, e a série de TV Glass no Kamen, famoso shojo mangá de Suzue Miuchi.


Talvez sua obra mais emblemática tenha sido Ginga tetsudou no yoru (ou “A Noite na Ferrovia Galáxia”, de 1985), longa baseado em famoso romance de Kenji Miyazawa. Denso, poético e cheio de metáforas para a vida e o crescimento, o longa chegou a ser exibido em festivais de cinema no Brasil. (Nota do autor: Eu assisti a essa obra de arte em um festival no MIS – Museu da Imagem e do Som, na década de 1990. É fabuloso.)

O diretor ganhou o público juvenil ao adaptar o game Street Fighter II em 1993. Em 1995, foi o diretor geral da série animada Street Fighter II-V, com um outro olhar sobre os personagens. Com Tofu Kozou, o diretor se mantém antenado com a indústria ao lidar tanto com animação totalmente digital quanto com projeção em 3D. Sem dúvida, um mestre que não para de evoluir e experimentar.


********************************
Publicidade

3 comentários:

Mestre Ryu Kanzuki disse...

Eu paticularmente acho o Gisaburou Sugii um gênio - só de ver as suas adaptações arrepiantes de Street Fighter. Esse Animê tem um roteiro muito interessante. O visual é muito gracioso. Espero que chegue nos cinemas daqui, também.

Alexandre Nagado disse...

Gisaburou Sugii é um grande mestre que deveria ter o nome mais reconhecido por aqui. Espero ter contribuído um pouco para isso.

Comparando Street Fighter com Ferrovia Galáxia e também o Tofu Kozo, dá pra sentir que ele é um grande contador de histórias, entendendo que cada tipo de personagem pede uma narrativa e clima específicos.

Essa sensibilidade acaba sendo seu maior talento e todo o resto é decorrente dessa postura. Espero que ele produza muita coisa boa ainda.

Abraços!

Anônimo disse...

Que super fofo esse Tofu Kozo! A Scandal tambem é demais. Gostei. :-)

Mirian