7_Visual_Kei CDJapan

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

ESBOÇANDO DIGITALMENTE



O esboço aqui apresentado foi feito diretamente na tela do computador, com o Photoshop sendo usado através do meu novo brinquedo (digo, ferramenta de trabalho), uma tablet G-Pen F509, da Genius. Pra quem não sabe, trata-se de uma prancheta que é acoplada ao computador e tem um mouse em forma de caneta, o que permite controle total do traçado. A que estou usando é uma tablet simples e comprei pensando em somente colorir desenhos, já que ela não é das mais indicadas para traçados muito detalhados ou complexos. Sua caneta, que substitui um mouse perfeitamente, permite um razoável controle de pressão, conseguindo imitar traços de pincel. Com paciência, dá pra pegar prática em alterar as opções do Photoshop e tirar melhor proveito das propriedades do equipamento para cada traçado, cada situação que o desenho exige.

Certamente, continuarei desenhando no papel e escaneando a arte. Mas agora é possível retocar desenhos facilmente com a tablet. Vinhetas e ilustrações mais estilizadas podem ser feitas tranquilamente direto na tela, facilitando muito a vida do desenhista profissional.

Eu já fui bastante resistente a algumas inovações, mas agora, mesmo sem ainda dominar a nova ferramenta, recomendo aos colegas profissionais. Agora, quem ainda está no começo, estudando ainda fundamentos básicos do desenho, não pode deixar o lápis (ou lapiseira) de lado, de jeito nenhum. A finalização digital pode até encobrir falhas de construção no desenho, mas somente para olhos amadores. A essência do traço ainda é – e sempre será – o toque humano. E isso só pode ser aprimorado com os dedos sujos de grafite e tinta.

4 comentários:

João Victhor! disse...

poxa, bacana, tambem acabo de comprar uma G-Pen F509, mas estou com um dilema: tenho duas tablets, uma genius pensketch de 9x12 e essa f509, mas cada uma tem um controle de pressão diferente ( a 9x12 é mais suave e aconchegante, já a f509 é mais dura e o traço nessecita mais força, senão fica falhando) gostaria desaber se o mesmo acontece com você, se sim, devo me conformar, se não, vou trocá-la.
Por favor entre em contato, joaovicthor@hotmail.com ou joaovicthor.blogspot.com,
obrigado

Alexandre Nagado disse...

Fala, João.

Esse lance da pressão que a caneta permite é mais ou menos como o tipo de lapis e grafite. Desenhando no papel, prefiro usar lapiseira 0,5mm, com grafite B. Outros preferem grafite 2B, com lapiseira 0,9. Outros preferem lápis 4B, e por aí vai.

O ideal é que seja fácil de controlar pra você, mas uma boa dose de sensibilidade do equipamento é essencial. Às vezes acho a minha Genius um pouco dura, e outras, sinto que é o processador do meu computador que dá um "delay" entre o movimento e o traço aparecer na tela. Tudo depende de para quê e como você usa o equipamento.

Agora, pra mim, acho uma área de 9x12cm um pouco pequena. 13,5 x 22cm é melhor pra trabalhar, no meu caso.

Como só agora estou usando direto uma tablet, não tenho muito parâmetro de comparação com outras marcas. Só sei que, para colorir e para retocar traços, está sendo bastante útil para mim.

Espero ter ajudado.

Abraços!

Alice Yumi disse...

também tenho um tablet da wacom, que prefiro usar quanto estou sem tempo pra desenhar à mão...
o tablet é extremamente prático em certas situações onde precisamos utilizar ferramentas do computador, mas sem dúvida o desenho feito à mão não perdeu o seu charme, e acho que tem muitos substituindo totalmente as ferramentas de trabalho, quando acho que o tablet deveria ser apenas uma ajudinha..

Alexandre Nagado disse...

Oi, Alice. Eu também prefiro mesmo desenhar no papel. O tablet é mais uma ferramenta. Muito útil, especialmente para colorir desenhos.

Mas pelo menos, acho que agora os bagunceiros como eu vão começar a gastar menos papel (e a ter menos folhas espalhadas pelo estúdio).

Beijão!