7_Visual_Kei CDJapan

terça-feira, 3 de junho de 2008

INTERCÂMBIO NO JAPÃO - PARTE 7 (final)

10 de março de 2008

O MUSEU DO MANGÁDe manhã, fomos conhecer o Kyoto International Manga Museum, um verdadeiro templo da arte dos quadrinhos japoneses. Em nossa visita guiada, uma funcionária nos explicou sobre o acervo, que tem algumas peças bastante interessantes.

A obra mais antiga é um rolo de papel de 10 metros com ilustrações cômicas de animais humanizados. Chamada de chôjuu-giga, foi desenhado por um monge budista de nome Toba no século XII e o trabalho é considerado um ancestral dos mangás. 





Painel mostra a atividade dos
antigos contadores de histórias de
kami-shibai.
Vimos também algo sobre o qual eu só havia lido. Na época do pós-guerra, uma diversão popular entre as crianças era o kami-shibai, que consistia em contar uma história mostrando desenhos. O contador de histórias ia de vila em vila com seu mostruário de desenhos e ia contando as historinhas conforme trocava as ilustrações. Eles vendiam doces e é daí que vinha seu sustento. Com o tempo, a atividade foi desaparecendo, mas há um movimento hoje em dia para revitalizar e modernizar esses contadores de histórias, que reúnem desenho e arte teatral.

D
o século XIX, tablóides e revistas inspiradas nos cartuns da imprensa ocidental, sem nada que lembre os modernos mangás, ou mangás pós-Tezuka. Trabalhos consagrados, desconhecidos, raridades e curiosidades preenchem dezenas e dezenas de prateleiras. Há mangás de todas as épocas, tendências, estilos e gêneros, formando um acervo de dezenas de milhares de obras. Um lugar incrível para se passar uma semana explorando.
Site oficial do Museu:
www.kyotomm.com/english

A fantástica biblioteca do Centro
de Estudos Japoneses

PALESTRA SOBRE OSAMU TEZUKA


No Centro de Estudos Japoneses, tivemos uma palestra sobre mangá com o professor Shuhei Hosokawa, vice-presidente do Centro Internacional de Estudos sobre a Cultura Japonesa. Homem globalizado, apresentou um contraponto ao nacionalista e tradicionalista professor Yasuki Hamano, que conhecemos em Tokyo. Apaixonado pela cultura brasileira, falou conosco em um português bastante razoável, apresentado sua palestra "O mangá de Osamu Tezuka e a cultura japonesa no pós-guerra". 


Ressaltando a importância do mangá como entretenimento acessível no difícil período pós-guerra, ele explicou, do ponto de vista de alguém que conheceu Tezuka de perto, como o trabalho desse gênio causou um profundo impacto na cultura japonesa. Explicou de modo bem didático a evolução do trabalho de Osamu Tezuka, aclamado ainda em vida como o "Deus do Mangá". Foi ele quem codificou os principais elementos estéticos e narrativos do moderno mangá, sendo a inspiração de quase todos os que vieram depois dele. Ele também foi o autor de inúmeras criações exibidas no Brasil, como Astro Boy, A Princesa e o Cavaleiro, Vingador do Espaço, O Menino Biônico, Kimba, Don Drácula, Metrópolis e dos aclamados mangás Adolf, Buda, Phoenix e tantos outros.

À noite, fomos em um restaurante para nosso jantar de despedida. Fizemos nossa bagunça, comemos e bebemos. A aventura estava chegando ao fim. Na última noite, parte do grupo ainda foi a um karaokê. Eu, que estava doido pra ir, peguei no sono no quarto do hotel e, quando me chamaram, só lembro de ter balbuciado algo como "Acho que não vou, estou com ssszzzz..."

11 de março de 2008
A DESPEDIDA

Logo cedo, às 06h30, partimos para o Aeroporto de Kansai, construído em uma área aterrada. Ou seja, é uma plataforma construída como prolongamento do território japonês, uma estrutura fantástica que comporta um aeroporto moderno e movimentado. Lá, aguardamos nosso vôo (que ia partir às 10h40), já sentindo bater o cansaço. A longa viagem incluía outra escala na Alemanha, desta vez no aeropoto de Frankfurt, nem tão grande, moderno ou bem cuidado quanto o de Munique. Como na ida, ficamos espalhados pelo avião, mas desta vez, sempre tinha alguém mudando de lugar e andando pelo avião para bater papo. Acho que os comissários de vôo até se estressaram com a gente, pois a "turma de brasileiros" estava toda hora saindo do lugar e se comunicando. :-)

12 de março de 2008
DE VOLTA AO BRASIL
Chegamos no Aeroporto Internacional de Guarulhos às 06h30 da manhã. A maioria seguiu para pegar vôos para seus respectivos estados, já que apenas cinco de nós eram de São Paulo. Exaustos e com a sensação de dever cumprido, nos despedimos e voltamos para nossas vidas cotidianas, mas a experiência provocou mudanças em todos nós, bem como o desejo comum de utilizar um pouco do que aprendemos lá. Passadas algumas semanas, ainda fomos convidados para jantar com os cônsuls Masuo Nishibayashi e Michiko Takeda, para que pudéssemos contar pessoalmente nossas impressões sobre a viagem e nossa estadia no Japão.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Em apenas uma semana, teoricamente não se pode conhecer muito um país. Mas também foi uma semana muito intensa, com uma programação que raramente alguém consegue cumprir em tão pouco tempo. Vimos e aprendemos muita coisa e também fomos muito bem tratados. Vimos muita organização e um senso de civilidade e limpeza que deveriam servir de inspiração para o povo brasileiro. E também fiz muitos novos amigos, daqui e do Japão.

O grupo dos Jovens Líderes continua trocando idéias, montamos uma lista de discussão e procuramos manter contato na medida do possível. Em um grupo tão heterogêneo, é difícil ficar igualmente amigo de todo mundo em tão pouco tempo, mas o entrosamento foi ótimo. Tínhamos o Japão como interesse em comum e vivemos muitas experiências inesquecíveis em conjunto. Tenho histórias para contar pelo resto da vida.
Fica aqui meu fraterno agradecimento a todos os que tornaram essa viagem possível e inesquecível, daqui do Brasil e lá do Japão. Dômo arigatou gozaimasu!!! (Muito obrigado!!!)

Nenhum comentário: