7_Visual_Kei CDJapan

quinta-feira, 15 de maio de 2008

INTERCÂMBIO NO JAPÃO - PARTE 2

5 de março de 2008

COMPROMISSO OFICIAL NO MINISTÉRIO DE ASSUNTOS ESTRANGEIROS

No segundo dia do grupo em solo japonês, logo de manhã, fomos recebidos no MOFA - Ministry Of Foreign Affairs, entidade do governo japonês responsável por nossa estadia no país. Lá, tivemos um bate-papo informal com o diretor de assuntos da América Latina e Caribe, o sr. Akira Miwa, e pela assessora Hiromi Noguchi. Um detalhe: a Hiromi falava português com o adorável sotaque de Portugal, pois já trabalhou em Lisboa. Em nossa reunião de apresentação, perguntei ao diretor se a mídia japonesa estava dando atenção ao centenário da imigração japonesa no Brasil e ele respondeu afirmativamente. 

Depois, no hotel, pude conferir um documentário sobre o fato em um canal local, confirmando que o centenário da imigração japonesa no Brasil também é assunto lá. Uma coisa interessante que ele comentou é que o Japão possui boas relações diplomáticas com dezenas de países, mas somente com o Brasil é possível fazer um projeto de intercâmbio com tais dimensões como este no qual estamos participando. Depois do encontro, fomos almoçar no restaurante do ministério. E a Hiromi acabou nos acompanhando em boa parte dos compromissos.

PRODUCTION IG - BASTIDORES DO MERCADO DE ANIMAÇÃO

No período da tarde, fomos ao estúdio Production I.G, responsável por famosos animês, como a série Ghost In The Shell - Inocence. Ao lado, ficava o estúdio Tatsunoko Production, que eu tinha muita vontade de conhecer, mas vai ter que ficar para outra vez. Em uma palestra, um responsável pelo estúdio, o executivo Mikio Gunji, comentou sobre a história da animação japonesa e mencionou alguns fatos marcantes: que no Japão os animês se tornaram um fenômeno de massa com o Encouraçado Espacial Yamato (Patrulha Estelar, 1978), passaram a ser levados a sério com as tramas políticas e sem maniqueísmo de Mobile Suit Gundam (1979) e ganharam status de arte com a filosofia, sofisticação e beleza visual de Nausicäa (1984). 

Ele falou sobre crise financeira atual, em parte causada pela pirataria de DVDs, algo que, se não for combatido, pode acabar com o mercado, pois os lucros podem desaparecer. Com relação às aparentemente salvadoras parcerias com empresas de games, ele deixou claro que os estúdios de animação ficam com a menor parte dos lucros. Realmente, mostrou um quadro complicado para a situação atual do mercado de animês no Japão, desfazendo o aparente glamour imaginado por quem vê de fora. Também comentou sobre as dificuldades pelas quais passam os desenhistas e mostrou cadernos de esboços. Ele se queixou bastante da situação atual e comentou sobre alguns projetos nos quais o estúdio está envolvido.

Ficamos sabendo sobre a produção The Sky Crawlers, sobre um mundo que não conheceu a Segunda Guerra Mundial, com uma história narrada por crianças Esse animê promete repercutir no mundo inteiro. Depois, ganhamos brindes do estúdio, como folhetos promocionais, um cachorro de pelúcia - personagem de Inocence baseado no cachorro do diretor Mamoru Oshii -, um single com uma canção de Inocence e fomos conhecer um dos estúdios de produção. Na verdade, era uma kitchenete bem apertada, com alguns desenhitas trabalhando. 


Não tivemos permissão pra falar com eles e nem tirar fotos, pois estavam bem ocupados. Ou quase, já que um estava cochilando quando entramos, levou um susto e rapidamente protegeu os desenhos nos quais estava trabalhando. Faltou uma plaquinha com os dizeres "Não alimente os desenhistas". Entramos, vimos quase nada e saímos rápida e silenciosamente. Ainda assim, valeu.

Nagado e Hiroshi Homma: Desenhistas
aprendendo arte culinária. Até que nos
viramos bem.
MUSASHINO COOKING COLLEGE - WORKSHOP DE CULINÁRIA JAPONESA

Fechando o dia com chave de ouro, fomos conhecer a Musashino Cooking College, que oferece cursos profissionalizantes de culinária. Assistimos a uma palestra do mestre (ou sensei) Nakamura e depois partimos para uma aula prática.

Não sou conhecido exatamente por ter dotes culinários ou ser habilidoso com trabalhos manuais (pra dizer o mínimo, ah ah), mas consegui ao menos não perder nenhum pedaço de dedo na hora de cortar sashimi e nem me queimei ao preparar tempurá. Na minha turma, o ator Miguel Atênsia se mostrou bem familiarizado com rotinas de cozinha, bem ao contrário de mim e do Raphael Santana, ambos um pouco desajeitados (pra dizer o mínimo). No nosso grupo, o Alex Sakatsume é professor de culinária oriental no curso de gastronomia da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro e pôde conferir
as dicas com muito mais conhecimento que o resto de nós, mas a diversão foi geral.

Depois, orgulhosamente devoramos os pratos que nós mesmos havíamos preparado. Não sei se foi a fome, mas eu achei uma delícia o prato que eu preparei. Estava meio desconjuntado, mas eu que não ia ligar pra isso. No final, ainda ganhamos do pessoal da escola dois livros escritos pelo sr. Nakamura e também o belo avental da escola. O primeiro dia de atividades oficiais foi espetacular, e isso era só o começo. (continua)

Nagado, Miguel, Prof. Nakamura
Roberta e Raphael.

Nenhum comentário: